Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Mais de 200 mil chineses a falar o português

Fiquei relembrando uma informação que obtive uns tempos atrás. Em São Paulo, oficialmente, há pouco mais de 200 mil chineses. Isto, sem falar, aqueles ainda com a situação a regularizar com a imigração, digo, sem base nenhuma, numa suposição.
Imagino que, no mínimo, têm algum conhecimento do português, sem falar daqueles que já conseguem manter um bom diálogo.
Novamente imagino que, se todos eles imigrassem para Macau, então teriamos um surpreendente número de habitantes a falar o português. Já imaginou por qualquer canto que você andasse, ou qualquer loja que entrasse, teria um chinês que entenderia o português? Digamos que talvez, cerca de 250 mil habitantes de Macau teriam um bom conhecimento do português???!!!
É surpreendente como o chinês aprende rápido o português, sem ir à escola. Somente pela prática do dia-a-dia no comércio, especialmente.
Quase na frente da minha moradia, há um mercadinho cujos proprietários são chineses. Falam o mandarim. No entanto, esses proprietários variam a toda a hora, bem como seus empregados chineses, assim penso.
No atual momento, há um novo entregador de mercadorias, chinês, cuja aparência, um tanto sofrida, lembra-me muito dos culeis dos tempos de sám-lon-ché. Normalmente peço água mineral de 20 litros, que ele carrega nos ombros. Ao receber uns trocados a mais, agradece muito contente com um obrigado, repetidas vezes. Por enquanto, somente sabe dizer isso, mas acredito que logo irá pronunciar novas palavras. Um dia ainda irei alegrá-lo a dizer que também sou das bandas de onde ele veio. Certamente ficará satisfeito, como ficou os antigos proprietários. Mas, espera aí !!! Se ele não fala ainda o português, e eu nem o mandarim ou um sofrido e esquecido cantonense, como irei me comunicar com ele???? Bom, acho que terei que ter a paciência e esperar que ele aprenda o português rapidamente …
Agora, no mesmo andar do prédio onde moro, noutra ala, mora um casal chinês de Xanghai que até tive uma conversa e expliquei que era de Macau. No entanto, não se mostrou muito receptivo. Talvez não quisesse muita conversa e ter que explicar o seu ramo de negócio, lá sei !!! Cada um na sua …
Em resumo, vejo que a língua portuguesa se torna mais conhecida no meio chinês, fato que me deu muita satisfação quando dos Jogos da Lusofonia, pela quantidade de chineses a falar o português. Como tinha o credencial de imprensa pelo Projecto Memória Macaense (um dia conto os detalhes), frequentava o centro de imprensa no Ginásio de Macau, na Taipa.
Me emocionava a ver jovens chineses a conversarem entre eles, em português, num esforço para praticá-lo. Ainda mais dava emoção, quando um deles dizia, “nós macaenses …”. Sentia eu que pelo fato de falarem o português, já se qualificavam como tal, embora, a rigor, acredito que todos os habitantes poderiam se julgar macaenses, por serem cidadãos de Macau (coisas de novos tempos? Poderia ser, mesmo que uns possam discordam).
Ainda a este propósito, quando vemos hoje muitos chineses, tanto em Macau, embora mais na China continental, a terem a preocupação de aprender o português, fico imaginando, será que não deveriamos ampliar essa preocupação no meio da comunidade mundial macaense, como um exemplo para tentar preservar a herança (ou heritage, palavra bem usada) e cultura? Fora do minchi, tacho etc. ??? Sei que é difícil quando não se mora num país onde o dia-a-dia é uma língua algo-saxónica! Também sei que muitas vezes acaba perdendo por falta de prática (assim como perdi uma boa parte do meu cantonense, e como lamento …). Mas, talvez a conscientização bem que ajuda. Pelo menos algumas palavras e estabelecer que a língua portuguesa representa a pura herança de um povo, que foi fruto de uma administração portuguesa que perdurou por cerca de 440 anos. E, em Portugal se fala o português!!!
Aproveitando o “deixa” (como se diz no Brasil), quero confessar, até com uma certa mágoa, sendo eu residente de um país de língua portuguesa (pode ser meio diferente, mas é língua portuguesa), em tempos de Encontros ou até reuniões de comunidade, que “por conveniência” muitas vezes, acaba por se abolir o português e falar somente o inglês, numa suposição que todos os presentes conhecem a 2a. língua enquanto a 1a., uns não a conheciam. Daí, para não ficar “cheong hei”, fala-se somente o inglês ???!!! Umas vezes, coitado de um colega meu do Rio de Janeiro que, por não conhecer o inglês, ficava chupando o dedo.
Assim, como num deslize de um apresentador (que falava o português, se não fosse essa a sua nacionalidade) de um evento dos Jogos da Lusofonia, diante de uma platéia cuja maioria falava o português, o inglês foi a sua língua preferida!!! Confesso que fiquei triste quando a intenção era a integração de países de “língua portuguesa” !!! Acho que tem que se patrulhar esses “desencontros”, ou se estabelece que foi um equívoco, e que a língua inglesa era aquela falada pelos portugueses que administraram Macau por 440 anos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 21/08/2007 por em SÃO PAULO-CIDADE.

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.187.282 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Festival de Gastronomia de Macau

Festival de Gastronomia de Macau

Todos os anos, no mês de Novembro, o Festival de Gastronomia de Macau (Macau Food Festival) que é realizado na Praça do Lago Sai Van, bem ao lado da Torre de Macau (Macau Tower). atrai multidões, tanto residentes como turistas, como foi o nosso caso em 2019, pela variedade de comida chinesa, asiática, como a […]

Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019 – Recepção de Boas Vindas

Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019 – Recepção de Boas Vindas

A primeira atividade oficial do Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019 ocorreu no dia 23 de Novembro de 2019, num sábado, nas dependências do Jardim Infância D. José da Costa Nunes, como já vem acontecendo nos Encontros anteriores. No último Encontro que participei em 2010, o evento foi mais descontraído com apresentação de músicos tanto […]

Rodolfo Ávila no Museu do Grande Prémio de Macau em 2007

Rodolfo Ávila no Museu do Grande Prémio de Macau em 2007

Em 2007, visitei o Museu do Grande Prémio de Macau e lá fiz várias fotos. Nesta postagem, o assunto é o piloto Rodolfo Ávila. Venha conhecê-lo melhor. Publicação e fotografias de/photos by Rogério P D Luz Texto extraído da enciclopédia livre – Wikipédia Rodolfo Freitas Silvério de Abreu Ávila nasceu em Lisboa no dia 19 […]

%d blogueiros gostam disto: