Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Ainda sobre os 15 Anos da Associação dos Macaenses

Longe vão os receios iniciais que levaram à formação da Associação dos Macaenses, em 1996. Com a transição do território de Administração Portuguesa para a China, programada para dali a três anos, crescia no horizonte uma dúvida sobre como tudo seria após essa data.
Para muitos macaenses começou a ser uma evidência que algo teria que ser feito para acautelar o futuro da comunidade. E foi assim que nasceu a Associação dos Macaenses, que 15 anos após a criação, quer continuar com a vitalidade necessária para ser um elemento importante e interveniente na vida de Macau.

Assim iniciava a reportagem do Jornal Tribuna de Macau de hoje a respeito da festa de aniversário dos 15 anos da ADM.  Até tinha rascunhado um texto a declarar o desconhecimento do motivo para fundação da associação.  Agora vejo que foi mesmo por uma nobre causa, o que explica a sua importância, que torna-se evidente  e de conhecimento público com as notícias dessa comemoração.  Sinceramente, penso que antes, sem a publicidade das reportagens, conheciamos a Associação dos Macaenses, mas não aprofundavamos no conhecimento das suas funções e importância.

Até ouso a avançar que a ADM poderia se equiparar a uma espécie de “Casa de Macau“, pois pergunto se criou-se a Casa de Portugal, porque não? Uma Casa de Macau tem como um dos seus principais propósitos, a preservação dos costumes e tradições macaenses, e hoje, Macau é China, obviamente impõe-se os costumes chineses e se os nossos são permitidos e preservados, é porque há um consenso que é bom para Macau, há boa vontade dos seus governantes e do Governo Central por motivos variados.  Mas, convenhamos nada disso poderia ter acontecido e a comunidade macaense poderia estar a viver o que se temia antes da transição, o que felizmente não se concretizou, mas levou a uma imigração maciça, colocando-me como exemplo. Poderia estar ainda a residir em Macau, mas imigrei para o Brasil.

Penso que a comunidade macaense, e nisso se insere como descreve Sérgio Perez noutra reportagem do JTM “macaense deveria englobar todos aqueles que consideram que esta é a sua casa e que é aqui que querem estar, é aqui que se sentem bem e que se identificam culturalmente“, poderia contribuir no seu fortalecimento com a adesão à ADM, para torná-la numa associação forte e representativa dos nossos interesses em Macau.  Quanto à isso, ao que me parece, não é vedada a participação da comunidade da Diáspora, porém no Boletim de Inscrição, que estabelece uma quota anual de MOP$ 240,00 (cerca de US$ 30,00 ou mais ou menos R$ 55,00, barato!), há um item que diz “nos primeiros 6 meses após a aprovação da inscrição, será aferido o grau do novo sócio nas actividades da Associação.  Se se constatar que o mesmo não participou em nenhuma das actividades organizadas, a Associação poderá determinar a perda do seu estatuto de sócio“. Isso, penso, se for levado a sério …

Veja as fotos publicadas no Jornal Tribuna de Macau que mostram a festa de comemoração dos 15 anos da ADM:

O presidente Miguel de Senna Fernandes, os fundadoress e o Secretário para Assuntos Sociais e Cívicos da RAEM, Cheong U

Aida de Jesus na entrevista ao JTM dizia: “juntei-me (à ADM) porque sou macaense“.  Lembro-me com saudades os tempos de criança em Macau, quando acompanhava a minha irmã Yolanda nas visitas do dia do Natal à casa da Aida, sua madrinha, no Tap Seac.

e, olha o amigo Rui Francisco, grande colaborador do PMM, na companhia do Albino Almeida que aos 79 anos é sócio da ADM há um. O Albino ainda disse “as divisões iniciais não foram positivas. Inicialmente, ter havido várias associações dividiu muito a sociedade macaense. Somos tão poucos. Devia ter havido uma só. Fragmentou-se a sociedade e houve uma luta sem quartel que dividiu a malta e eu afastei-me disso. Agora entrei, nunca é tarde”, justifica, lembrando que também quer “dar um contributo”. Tem toda a razão Albino, a afirmação, infelizmente, não traz nenhuma informação nova … realmente somos tão poucos e lá nos dividimos mais do que povos que são muitos … já era chegada a hora de pararmos para refletir a nosso respeito, pois “aos poucos vamos acabando …”

Clique abaixo para ler em arquivo pdf as 2 reportagens do JTM:

Jornal Tribuna de Macau.Out2011.ADM.15Anos.1

Jornal Tribuna de Macau.out2011.ADM.15.anos.2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 10/10/2011 por em Hoje, MACAENSES e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.306.317 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: