Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Macau na década de 50: escola em Patane

ESCOLA PARA OS FILHOS DOS CONSTRUTORES DE BARCOS GONG SIM

Macau – Década de 1950

Foto do Arquivo Histórico de Macau

Foto do Arquivo Histórico de Macau

No coração do Patane, até a década de 1960 funcionou a escola para os filhos dos construtores de barcos Gong Sim, na Rua da Pedra. Da arte de “montar” embarcações, como popularmente era designado o ofício, nada restou, já que a indústria naval, estabelecida na Praia do Patane desde inícios do século XIX, acabou por ser transferida para Coloane.

Em 2005, foi lançado à água o último barco construído em Macau, selando a extinção da indústria cuja história sobrevive em poucos documentos e nos relatos orais dos antigos operários. A construção de barcos foi outrora, a par com o fabrico de incensos e panchões, uma das principais indústrias de Macau.

A armação das embarcações era uma das actividades dinamizadoras da vida no eixo que vai do Patane até à zona da actual doca de Lamau, empregava mais de um milhar de pessoas, tinha escolas próprias e o sector foi, inclusivamente, sede das primeiras negociações colectivas entre trabalhadores e patrões para a fixação de remunerações.

*Extraído da Revista Macau, edição de Junho 2014

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 21/04/2015 por em Patane e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.341.123 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Em Macau, três novos livros de dois autores em língua portuguesa

Em Macau, três novos livros de dois autores em língua portuguesa

O livro de poemas “Pétalas ao Vento” lançado a título póstumo de José Maria Bártolo e outras recentes obras do Manuel V. Basílio, “Sítios com Histórias”, em dois volumes, foram lançados oficialmente em 5 de Novembro de 2021. A sessão de lançamento realizada no Instituto Internacional de Macau-IIM, foi presidida por Rufino Ramos, seu secretário-geral […]

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

%d blogueiros gostam disto: