Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Brasões de Macau na era portuguesa

Os Brasões da Macau na era portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição CIDADE DO NOME DE DEUS, NÃO HÁ OUTRA MAIS LEAL.

O segundo brasão de armas foi usado até 1935, quando a maioria das colónias portuguesas tiveram o seu brasão de armas reformulado. Este brasão mostra um dragão laranja claro, semelhante ao padrão encontrado nas bandeiras da China imperial.

O último brasão de armas colonial de Macau, usado de 1935 até 1999, era usado em notas, moedas, selos e documentos oficiais de Macau e aparece também na fachada do Banco Nacional Ultramarino em Lisboa. Este brasão também está representado na bandeira do Governo de Macau (que não é a bandeira oficial da colónia portuguesa de Macau) e na bandeira proposta em 1967 (mas nunca adoptada) para a província ultramarina portuguesa de Macau. Este brasão foi criado em 1935, quando Portugal decidiu criar para cada colónia portuguesa um novo brasão próprio. Ele apresenta à esquerda cinco escudetes de cor azul, postos em cruz e carregados cada um com cinco besantes de prata em aspa; à direita, de azul, um dragão chinês pintado de ouro e com língua vermelha, armado com um dos escudetes representados à direita do brasão; em ponta, de prata, cinco ondas de cor verde. Em baixo das armas, encontra-se um listel branco com a expressão: “GOVERNO DE MACAU“. Apenas houve pequenas modificações no listel branco: antes de 1951, estava escrito a expressão “Colónia portuguesa de Macau”; antes de 1975, a expressão “Provín. portuguesa de Macau”; e até 1999, a expressão “Governo de Macau”.

Textos da Wikipédia e imagens da Wikipédia Creative Commons

Publicação também feita no blog coligado do Projecto Memória Macaense

Primeiro brasão de armas de Macau portuguesa, da segunda metade do século XVIII a fins do século XIX:

Segundo brasão de armas de Macau portuguesa, fins do século XIX até 1935:

Brasão de armas de Macau portuguesa, de 8 de maio de 1935 até 11 de junho de 1951, com a expressão “Colónia“:

Brasão de armas de Macau portuguesa, de 11 de junho de 1951 até 1976. Veja a diferença que foi alterada a expressão de “Colónia” para “Provín. (de Província)”:

Brasão de armas simplificado, de 1976 até 20 de dezembro de 1999:

Brasão de armas simplificado mais usado, de 08.05.1935 até 20 de dezembro de 1999:

Brasão de armas simbolizando o Império Português, numa peça de arte arquitectónica para o Banco Ultramarino português, O brasão representa (da direita sentido horário), Macau, Cabo Verde, Guiné portuguesa, Moçambique, Índia portuguesa, São Tomé e Príncipe e o Timor português. Angola não é representado porque tinha um banco emissor separado:

Fonte Wikipédia Creative Commons/Kaihsu Tai

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 30/11/2020 por em Brasões de Macau e marcado , , , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.407.783 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

Macau em 1997 – entrevista com Anabela Ritchie sobre a transição da soberania em 1999

Macau em 1997 – entrevista com Anabela Ritchie sobre a transição da soberania em 1999

A recordar os tempos que antecederam a transição da soberania de Macau para a República Popular da China que ocorreu em 20 de Dezembro de 1999, transcrevemos em três postagens, as entrevistas concedidas ao Diário de Notícias em 1997 e que foram publicadas no antigo website A-Ma Gau – Ecos de Macau. Nesta postagem, a […]

%d blogueiros gostam disto: