Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

The Thunders

Logo oficial de autoria de Rigoberto Rosário Jr.

MPM – MÚSICA POPULAR MACAENSE

Macau, uma canção cantada em português pelo grupo musical The Thunders em 1970, faz a estréia das Páginas dedicadas a divulgar as músicas que compõem a MPM Música Popular Macaense, dentro da ótica deste blog e do site Projecto Memória Macaense.

A canção de composição de um dos seus componentes, Rigoberto Rosário Jr. “Api”, faz parte de um disco de vinil lançado na época com quatro canções, duas cantadas em português e duas em inglês.  Canta a terra natal dos membros do grupo e é praticamente um hino dos macaenses e provoca emoção aos seus ouvintes.

Veja a seguir o que consta do livrinho que acompanhou o último CD dos The Thunders lançado em Novembro de 2004, por ocasião do Encontro das Comunidades Macaenses, que reviveu para a ocasião, a vida musical do grupo musical que fez sucesso nos anos 60 e 70 em Macau:

‘Macau, terra minha’: quinze horas em estúdio

Robert Ascott chama um dia o Herculano e o Rigoberto e diz-lhes que pretende “um disco com um som mais cheio, juntando a orquestra sinfônica dos estúdios da EM l”. O Rigoberto tinha algumas composições inéditas do seu repertório, mas apesar disso resolveu abdicar delas e fazer algo que já estava há tempos na calha, desde que tinha composto “She’s in Hong Kong”: uma canção dedicada a Macau. Pediu três dias para o fazer, e assim surgiu “Macau, terra minha”, que foi imediatamente aprovada por Ascott e pelo maestro Vic Cristobal.

Na noite de folga do Nightbird gravaram nos estúdios da EM1, entrando às nove da noite de um dia e saindo, exaustos, perto do meio-dia do seguinte. A Orquestra de Vic Cristobal gravou em seguida os violinos, violoncelos e instrumentos de sopro, para depois se fazer a mistura.

Foi a canção mais popular dos Thunders, quer junto das audiências de Macau, quer no exterior. Vários conjuntos a interpretaram, foi usada para aberturas de programas, música de fundo para espectáculos e nas mais diversas ocasiões. Foi igualmente uma das mais cantadas aquando da transferência de Macau para a China, em 1999. O dirigente da EM l lembrou-se de pedir uma audiência ao Governador de Macau, General Nobre de Carvalho, para os Thunders lhe fazerem a entrega simbólica do primeiro exemplar do disco antes deste ser colocado no circuito comercial. A projecção que o caso teve na imprensa foi bastante para o disco se vender ainda mais. (Cecília Jorge)

em inglês:

“Macau, terra minha”: fifteen hours in a studío

One day Robert Ascott called Herculano and Rigoberto and told them that he wanted a “record with a fuller sound, combining EMI studio’s symphonic orchestra”.

Rigoberto still had some originals he had never played, but nevertheless he decided not to use them and do something he had been intending to do for quite sometime, ever since he wrote “She is in Hong Kong”: a song dedicated to Macau. He asked for three days to do it, and that is how he carne up with “Macau Terra Minha”, which was immediately approved by Ascott and maestro Vic Cristobal.

They spent their night-off from the Nightbird at EMI recording studios, starting at 9 p.m. and ending about noon the following day totally exhausted. Vic Cristobal’s Orchestra recorded the entire strings and wind instruments tracks on a row, so it would be used afterwards for editing and mastering. It would be the Thunders most popular song, in Macau as well as abroad. Several other bands made covers of this song, it was used as an overture for programs, and it was also turned into the soundtrack for many shows on various occasions. It was also one of the most heard ballads during the time of Macau’s handover to China, in 1999.

EMI’s chairman had the good thought of asking for an audience with Macau’s Governor General Nobre de Carvalho, so that the Thunders could offer him the number one copy of the record, in a symbolic gesture before it was made available for sale. The press coverage of the event was enough to increase the sales

MACAU pelos The Thunders em versão original do 1º disco em 1970

publicação da imprensa de Macau na época

A canção teve versão em chinês e em patoá e foi cantada por vários grupos musicais, até gravada em cd e fita cassete pela Tuna Macaense.  A que se destacou por marcar o fim da administração portuguesa de Macau em Dezembro de 1999 foi cantada em patoá, dialecto macaense candidata a Património Mundial na forma de teatro, pelo coral Dóci Papiaçám di Macau.  O vídeo abaixo divulgado no canal do ZitoDrummer na YouTube é uma produção da TDM-Televisão de Macau e foi uma apresentação do coral em Outubro de 1999 no Centro Cultural de Macau:

Logo de lançamento da MPM produzido pelo autor deste blog do Projecto Memória Macaense. Complementa o logo oficial.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.035.009 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

A relembrar a aula de gastronomia realizada na Casa de Macau de São Paulo em 24/02/2008, ministrada pelos chefs João Bosco Quevedo da Silva e Herculano Alexandre (Alex) Airosa, seguem as fotos e receitas de camarões grandes recheados com ervas à moda de João Bosco Quevedo da Silva e pimenta recheada à moda do Alex Airosa. Na época, a coordenação das aulas e elaboração das […]

Procissão do Corpo de Deus em Macau

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau) As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no […]

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto. Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus […]

%d blogueiros gostam disto: