Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU

Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau)

Exposição do Santíssimo Sacramento no pátio do Colégio Diocesano de S. José para 24 horas de Adoração até à realização da Procissão do Corpo de Deus. Foto Manuel V. Basílio)

As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no dia 20 de Junho.

As celebrações de Corpus Christi como forma de louvar e adorar a Sagrada Eucaristia remontam ao século XIII, ao tempo do papa Urbano IV. A instituição da procissão foi promulgada pelo papa João XXII, em 1317. Desconhecemos em que ano ou século se iniciaram as celebrações da Solenidade e Procissão do Corpo de Deus em Macau. Temos, no entanto, conhecimento de que, já no tempo do governador Ferreira do Amaral, a procissão era solenemente realizada, porquanto o historiador Montalto de Jesus, no seu livro Macau Histórico, relata o seguinte incidente:

A 7 de Junho de 1849, a procissão de Corpus Christi, revestida de pompa da Igreja e do Estado, seguia pelas ruas de Macau, quando, no meio da multidão, um desconhecido que assistia à celebração, de uma proeminente e vantajosa posição, desafiou o uso dos países católicos romanos em tais solenidades, mantendo o chapéu posto, porque era protestante – James Summers, professor da Escola Colonial Chaplain, de Hong Kong. Vários cavalheiros protestantes que, por cortesia, mantinham a cabeça descoberta ordenaram-lhe que retirasse como os outros o chapéu, se quisesse evitar consequências desagradáveis. Mas ele preferiu ver o espectáculo e exibir o seu fanatismo. Um padre que passava pediu-lhe educadamente que tirasse o chapéu ante a hóstia que se aproximava e, ao ser ignorado, chamou a atenção de Amaral, que mandou uma ordenança com o mesmo pedido, tendo o dito personagem mantido a recusa. Por ordem de Amaral, Summers foi, por isso, detido e encarcerado na casa da guarda”.

Seguiram-se as negociações para a libertação de Summers, não tendo as partes chegado a um acordo aceitável, visto que o caso tinha sido entregue à justiça. Na tarde do dia seguinte, uma força do comando de Henry Keppel, Capitão de Mar e Guerra da Marinha Inglesa, conseguiu entrar no Senado e surpreender a Guarda, fazendo fogo sobre ela, tendo matado o soldado Roque Barrache e ferido dois outros, bem como o Sargento Joaquim de Souza, Comandante da Guarda. Em seguida, a mesma força foi à cadeia, anexa ao Senado, arrebatar o preso James Summers e levá-lo a um barco, que rumou, de imediato, a uma frota inglesa, ancorada ao largo de Macau. Gerou-se então uma questão diplomática, que teve de ser resolvida entre Lisboa e Londres.

Foto: Manuel V. Basílio

É TRADICIONALMENTE REALIZADA EM MACAU A PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS ?

Não se pode afirmar que a procissão do Corpo de Deus é tradicionalmente realizada em Macau, à semelhança das principais procissões que são mantidas com regularidade, tais como a procissão do Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos e a procissão de Nossa Senhora de Fátima, devido às interrupções que ocorreram ao longo do tempo, designadamente após a implantação da República, em 1910. A partir de então aquela procissão deixou de percorrer as ruas desta cidade, remetendo-se as cerimónias ao interior de igrejas. Após períodos de interrupção, a procissão regressou às ruas até que, nos anos 70, mais concretamente a partir de 1974, voltou a ser interrompida, talvez motivada por situações ocorridas em Portugal, na sequência da Revolução dos Cravos.

RESTABELECIMENTO DA PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU

Após décadas de interrupção, em 2017, o Bispo da Diocese, D. Stephen Lee, decidiu restabelecer as celebrações da Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, que culminaram com a realização de uma procissão, que percorreu o mesmo itinerário de outrora.

Tal como no ano anterior, a procissão do Corpo de Deus não se realizou no próprio dia, 20 de Junho deste ano, tendo sido adiada para o domingo passado, dia 23 de Junho, porquanto, após a transição de soberania, esta festividade deixou de figurar no calendário de feriados de Macau.

Este ano, o programa da celebração do Corpo de Deus constava de:

– 24 horas de Adoração: dia 22 de Junho (sábado), a partir das 17:30 horas até dia seguinte, 23 de Junho (domingo), em que o Santíssimo Sacramento esteve exposto no pátio do Colégio Diocesano de São José, localizado na zona tardoz do Paço Episcopal;

– Procissão Eucarística.

Ao fim da tarde de domingo, por volta das 18:00 horas, iniciaram-se os preparativos para a Procissão Eucarística, findo os quais, o Bispo da Diocese levou a custódia com o Santíssimo Sacramento desde o pátio do Colégio Diocesano de São José até ao andor, previamente colocado junto ao portão da Sé Catedral. Após a cerimónia de colocação da custódia com o Santíssimo Sacramento no andor, deu-se início à procissão, que percorreu o Largo e Rua da Sé, descendo então pela Travessa do Roquete e continuando depois pelo Largo do Senado até ao Largo de S. Domingos. Ali, a custódia com Santíssimo Sacramento foi colocada num altar improvisado, mesmo em frente ao portão principal da igreja de S. Domingos, junto ao qual o Bispo da Diocese proferiu breves palavras, em “putonghua” (isto é, em mandarim), designadamente para explicar o significado de “Corpus Christi”, terminando com uma benção solene a todos os presentes. Em seguida, foi retomada a procissão, regressando à Sé Catedral pela Travessa do Bispo.

A PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS DE OUTRORA, EM MACAU

A tradição da procissão do Corpo de Deus é mantida em muitos países e também em localidades de Portugal, designadamente em Lisboa, onde anualmente se realiza um majestoso cortejo processional, que é escoltado por cavaleiros em trajo tradicional e com os cavalos bem arreados e engalanados, bem como por representantes dos diversos ramos das Forças Armadas e corporações de segurança, além da participação de irmandades, confrarias das diversas paróquias e demais acompanhantes.

Semelhante tradição existiu em Macau, sobretudo no século XIX, como se pode constatar em Ordens mandadas publicar pelo Governador da província. Reproduzimos a seguir uma dessas Ordens, datada de 3 de Junho de 1876, cujo programa é bem elucidativo:

QUARTEL GENERAL DO GOVERNO DA PROVÍNCIA DE MACAU E TIMOR

Macau, 3 de Junho de 1876

ORDEM À FORÇA ARMADA

Sua Exª. o Governador da província de Macau e Timor manda publicar o programa que se deve observar nesta cidade na procissão do Corpo de Deus, no dia 15 do corrente mês, para que tenha a devida execução na parte que diz respeito aos corpos da guarnição, fortalezas e navios de guerra.

PROGRAMA

1º – A procissão sairá da Sé Catedral às 5 horas e meia da tarde.

2º – São convidados a acompanhá-la as autoridades, o Leal Senado da Câmara, a Estação Naval, os oficiais militares de 1ª e 2ª linha, os empregados públicos, comendadores e cavaleiros de ordens militares, o corpo consular estrangeiro e todas as mais pessoas que quiserem concorrer a este acto de devoção.

3º – Acompanharão também a procissão os párocos das freguesias com as suas respectivas cruzes, todo o clero, os seminaristas, irmandades e confrarias com as suas cruzes e estandartes.

4º – Um mestre de cerimónias indicará os lugares na igreja, e na procissão, aos que acompanharem, a fim de evitar confusão.

5º – O itinerário da procissão será: Rua da Sé, Largo do Senado, Rua de S. Domingos, Travessa do Bispo, recolhendo à Catedral.

6º – Na fortaleza do Monte se darão duas salvas de 21 tiros: a primeira quando da porta da Sé sair o pálio, a segunda à entrada.

7º – O serviço da guarnição será feito de grande uniforme, e as fortalezas e os navios nacionais embandeirarão como é do costume.

8º – O 1º Batalhão do Regimento de Infantaria do Ultramar, na máxima força disponível, formará a guarda da procissão e a guarnição da Estação Naval com o Corpo da Polícia dará as guardas da cidade neste dia até ao recolher da procissão, sendo a guarda do templo fornecida pelo Corpo da Polícia.

9º – A ordem a observar no préstito será o seguinte:

1º – Cruz e Confraria de N. S. de Boa Morte

2º – Confraria de N. S. de Boa Viagem

3º – Confraria de N. S. dos Remédios

4º – Confraria de N. S. da Conceição

5º – Confraria de N. S. do Rosário

6º – Confraria do SS. Sacramento

7º – Ordem Terceira de S. Francisco

8º – Cruz da freguesia de Sto. António

9º – Cruz da freguesia de S. Lourenço

10º – Cruz da freguesia da Sé

11º – Seminário Diocesano

12º – Comendadores e cavaleiros com mantos

13º – Cruz do cabido e clérigos com capas

14º – O Santíssimo Sacramento. Irão ao pálio os comendadores e cavaleiros previamente convidados

15º – O estandarte do Leal Senado

16º – S. Exa. o Governador e o seu Estado Maior, o Conselho do Governo, o Leal Senado, o Corpo Consular estrangeiro, os Juízes, a Junta da Fazenda, os Oficiais efectivos e reformados, os Oficiais das outras classes, os Juízes de Paz, e os empregados públicos, fechando o préstito a guarda da procissão.

O Secretário-geral,

Diogo de Macedo

(Texto de Manuel V. Basílio)

Notas:

  1. Conforme consta do número 4 do programa, havia um mestre de cerimónias para dirigir a procissão, cujo cargo era desempenhado por um oficial militar.
  2. O soldado Roque, assassinado na tarde do dia 8 de Junho de 1849, foi sepultado no dia seguinte à tarde, com honras militares, numa das catacumbas do Cemitério de S. Paulo.
  3. Para facilitar a leitura, a ortografia original do PROGRAMA supra foi ajustada em conformidade com a ortografia vigente em Macau.
  • Macau foi um território português no Sul da China. A transição de soberania de Portugal para a China ocorreu em 20 de Dezembro de 1999

Fotografias e legendas de Manuel V. Basílio

O Bispo da Diocese, D. Stephen Lee, fez uma breve alocução antes de levar a custódia com o Santissimo Sacramento até junto ao andor, colocado à porta da Sé Catedral. Foto: Manuel V. Basílio

Andor previamente colocado junto à porta da Sé Catedral. Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

O Bispo da Diocese leva a custódia com o Santíssimo Sacramento desde o pátio do Colégio Diocesano de S. José até junto do andor, colocado à porta da Sé Catedral. Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Momento do início da procissão do Corpo de Deus. Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Largo da Sé. Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Travessa do Roquete. Foto: Manuel V. Basílio

Outro aspecto da procissão na Travessa do Roquete. Foto: Manuel V. Basílio

Largo do Senado. Foto: Manuel V. Basílio

Outro aspecto da procissão no Largo do Senado. Foto: Manuel V. Basílio

Largo do Senado em direcção ao Largo de S. Domingos. Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Uma paragem da procissão junto à igreja de S. Domingos para uma breve cerimónia. Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Travessa do Bispo em direcção à Sé Catedral. Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.006.860 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Procissão do Corpo de Deus em Macau

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau) As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no […]

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto. Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus […]

Dia de Macau de 24 de Junho, uma data histórica

Dia de Macau de 24 de Junho, uma data histórica

24 DE JUNHO, DIA DE MACAU – UMA DATA HISTÓRICA Todos os povos têm as suas datas históricas.  Para os Macaenses não poderia ser diferente.  O dia 24 DE JUNHO – DIA DE MACAU, DIA DE SÃO JOÃO BAPTISTA – PADROEIRO DE MACAU  é uma data histórica, que não pode ser esquecida. Em 2019, completa […]

%d blogueiros gostam disto: