Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Mercado Modelo e o Elevador Lacerda na Cidade Baixa de Salvador, Bahia

O Elevador Lacerda que liga a Cidade Baixa com a Cidade Alta

O Elevador Lacerda que liga a Cidade Baixa com a Cidade Alta

Dos inúmeros atrativos da Cidade Baixa de Salvador, capital do estado da Bahia, Brasil, dois deles se destacam: o Mercado Modelo e o Elevador Lacerda que faz a ligação com a Cidade Alta.

Como a primeira capital do Brasil, construída a partir de 1545 como cidade-fortaleza, destinada à administração colonial e comércio, seu crescimento deu-se em dois planos – a Cidade Baixa, compreendida pelo Bairro da Praia com uma comprida rua que dividia o porto e as casas comerciais – e a Cidade Alta, onde estavam os bairros de São Bento (incluindo Sé), Palma, Desterro, Saúde e Santo Antonio Além do Carmo. A cidade, assim, cresceu ao longo do seu litoral, embora a chamada “mancha matriz” tenha surgido no alto da escarpa acima 65 metros da faixa litorânea.

– Fotografia de/photos by Rogério P D Luz –

  • Textos extraídos da Wikipédia

Mercado Modelo (prédio amarelo)

MERCADO MODELO

O Mercado Modelo é um atrativo de Salvador que todo turista quer visitar para comprar lembranças da Bahia, dentre elas rendas, berimbaus e todo tipo de artesanato produzido no estado. No porão ficavam os escravos vindos da África enquanto aguardavam serem leiloados. O porão é repleto de placas de concreto com cerca de 30 centímetros de altura do chão, para que o turista possa ali passear mesmo quando a maré está cheia, pois é comum o porão encher-se de água do mar neste momento. Os arco com os tijolos a mostra — e que servem de estrutura para o Mercado Modelo — fazem belas composições quando refletidos no espelho d’água.

História

Em 1861, na Praça Visconde de Cairu, no Edifício da Alfândega foi construído, com uma rotunda (grande sala circular com um teto abobadado) na extremidade traseira, onde os navios ancorados descarregavam suas mercadorias. Em 1971, um mercado começou a operar no Edifício da Alfândega, e treze anos depois, ele pegou fogo, queimando tudo e logo depois passou por uma reforma. Hoje, existem 200 stands com uma enorme variedade de Artes e ofícios feitos na Bahia, bem como de outros Estados na Região Nordeste do Brasil e estabelecimentos de alimentação com comidas típicas.

Interior do Mercado Modelo

ELEVADOR LACERDA

O Elevador Lacerda é o primeiro elevador urbano do mundo. Em 8 de dezembro de 1873, quando foi inaugurado, era o mais alto do mundo, com 63 metros. cumpre a função de transporte público entre a Praça Cairu, na Cidade Baixa, e a Praça Tomé de Sousa, na Cidade Alta. Do alto de suas torres, descortina-se a vista para a Baía de Todos-os-Santos, o Mercado Modelo e, ao fundo, o Forte de São Marcelo.

A estrutura tem 72 metros de altura e duas torres: uma que sai da rocha e perfura a Ladeira da Montanha, equilibrando as cabines, e outra, mais visível, que se articula à primeira torre, descendo até ao nível da Cidade Baixa. O elevador mais famoso da Bahia chega a transportar 900 mil passageiros por mês ou, em média, 28 mil pessoas por dia ao custo de quinze centavos de real (em maio de 2019) por passageiro, num percurso de trinta segundos de duração. Em 16 de janeiro de 2019, o Elevador bateu seu recorde de viagens em um único dia, com 33.850 passageiros.

A geomorfologia do local, dois planos separados por uma grande escarpa, era um problema durante a construção de Salvador e que foi crescendo com a expansão da cidade, tornando-se um desafio a ser vencido. A comunicação rápida e confortável entre os dois níveis era uma necessidade numa época em que o transporte era feito através de guindastes e ladeiras íngremes. Porém, o plano do baiano visionário Antônio de Lacerda ao idealizar o Elevador Hidráulico da Conceição – primeiro nome do Elevador Lacerda – não era apenas ligar a parte baixa e alta da cidade, era facilitar o transporte para o sul, sentido em que a cidade se expandia, articulando o elevador com as linhas de bonde.

Plataforma superior do Elevador Lacerda na Cidade Alta

Forte São Marcelo

Forte de São Marcelo, também é conhecido como Forte do Mar e que já foi também designado Forte de Nossa Senhora do Pópulo. Erguido sobre um pequeno banco de arrecifes a cerca de 300 metros da costa, fronteiro ao centro histórico da cidade, destaca-se por se encontrar dentro das águas, como o Forte Tamandaré da Laje, no Rio de Janeiro, e ser o único de planta circular no país, inspirado no Castelo de Santo Ângelo (Itália) e na Torre do Bugio (Portugal).

O Forte São Marcelo no mar e o prédio (à direita) do Terminal Turístico Náutico da Bahia, na Cidade Baixa

A primitiva concepção desta fortificação remonta a 1608 com risco do engenheiro-mor e dirigente das obras de fortificação do Brasil, Francisco de Frias da Mesquita. Alguns autores, porém, atribuem o seu risco inicial ao engenheiro-mor de Portugal, o cremonense Leonardo Torriani, em 1605. Encontra-se figurada por João Teixeira Albernaz, o velho em “um retângulo de pergaminho em que se vê o projeto de edifício e do forte sobre a lajem do porto, que se há de fazer. Quem soerguer este retângulo de pergaminho vê a dita lajem desenhada na folha maior“, a ser artilhado com seis peças, no formato de polígono quadrangular regular.[2] Num outro exemplar da mesma obra, o referido projeto já está definitivamente incorporado ao desenho da planta,[3] o que indica que o início da sua construção é posterior a 1612.

Terminado em 1623, no Governo-Geral de D. Diogo de Mendonça Furtado (1621-1624), esteve inicialmente artilhado com dezenove peças de diversos calibres.[4] Durante a invasão holandesa de 1624, foi a primeira praça ocupada pelos conquistadores, que dele dispararam as balas incendiárias que aterrorizaram os moradores da cidade, facilitando a invasão. Anos mais tarde, entre abril e maio de 1638, durante a tentativa de invasão do Conde Johan Maurits van Nassau-Siegen (1604-1679), também teve papel decisivo, logrando manter a esquadra holandesa a distância.

Forte São Marcelo (na ocasião estava fechado para visitas)

Mais fotos …

Cidade Baixa vista da Cidade Alta

Terminal Turístico Náutico da Bahia

As torres da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia e um condomínio de luxo

À direita, o Monumento à Cidade de Salvador e o prédio do Comando do 2º Distrito Naval-Marinha do Brasil

O nome oficial da escultura é “Fonte da Rampa do Mercado” (1970) ou Monumento à Cidade do Salvador. O artista Mario Cravo criou essa obra de arte que está localizada na Praça Cairu, Cidade Baixa, Salvador (BA), entre o Mercado Modelo, o Elevador Lacerda e a Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia. Foi encomendada pelo então Prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães. Em fibra de vidro e estrutura metálica. Mede 16 metros de altura.

Monumento à Cidade de Salvador

Comando do 2º Distrito Naval-Marinha do Brasil

Zona do Comércio, também de escritórios, Repartições Públicas e Terminal Marítimo de navios de cruzeiro e de carga

Elevador Lacerda e a plataforma superior na Praça Tomé de Sousa da Cidade Alta

Fila na Cidade Baixa para embarcar no elevador que anda rápido pela sua elevada capacidade

Preço de R$ 0,15 por viagem (em maio de 2019)

Plataforma superior do Elevador Lacerda na Cidade Alta e a Praça Tomé de Sousa. No lado direito, a mureta do belvedere para contemplar a Cidade Baixa. É um local com bastante assédio de vendedores de fitinhas etc.

Na plataforma superior do Elevador Lacerda, a Praça e monumento de Tomé de Sousa, que foi um militar e político português, primeiro governador-geral do Brasil, cargo que exerceu de 1549 a 1553.

Palácio Rio Branco ao lado da plataforma superior do Elevador Lacerda

Câmara Municipal na Praça Tomé de Sousa, plataforma superior do Elevador Lacerda

Praça Tomé de Sousa na plataforma superior do Elevador Lacerda. À direita, o caminho para a Praça da Sé e o Pelourinho. Ao fundo, a torre da igreja do Museu da Misericórdia

Na plataforma superior do Elevador Lacerda, a Prefeitura Municipal de Salvador

Vista do Elevador Lacerda da varanda do Palácio Rio Branco

Vista do Museu da Misericórdia

O comércio do Mercado Modelo, de lembranças da Bahia, rendas, berimbaus e artesanato produzido no estado

O artesanato do Mercado Modelo com preços baixos e convidativos para levar várias lembranças (preços de maio de 2019)

O artesanato do Mercado Modelo com preços baixos e convidativos para levar várias lembranças (preços de maio de 2019)

O artesanato do Mercado Modelo com preços baixos e convidativos para levar várias lembranças (preços de maio de 2019)

Mercado Modelo

Mercado Modelo

O artesanato do Mercado Modelo com preços baixos e convidativos para levar várias lembranças (preços de maio de 2019)

Mercado Modelo

Mercado Modelo

Mercado Modelo

Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia na Cidade Baixa ao lado do Elevador Lacerda

Igreja Nossa Senhora da Conceição da Praia na Cidade Baixa, ao lado Elevador Lacerda

Igreja Nossa Senhora da Conceição da Praia na Cidade Baixa, ao lado Elevador Lacerda

Mureta da Igreja Nossa Senhora da Conceição da Praia com vista da Cidade Baixa, ao lado Elevador Lacerda

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.006.888 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Procissão do Corpo de Deus em Macau

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau) As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no […]

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto. Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus […]

Dia de Macau de 24 de Junho, uma data histórica

Dia de Macau de 24 de Junho, uma data histórica

24 DE JUNHO, DIA DE MACAU – UMA DATA HISTÓRICA Todos os povos têm as suas datas históricas.  Para os Macaenses não poderia ser diferente.  O dia 24 DE JUNHO – DIA DE MACAU, DIA DE SÃO JOÃO BAPTISTA – PADROEIRO DE MACAU  é uma data histórica, que não pode ser esquecida. Em 2019, completa […]

%d blogueiros gostam disto: