Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Conheça a China que é o principal parceiro comercial do Brasil

Cidade Proibida em Beijing China. Foto Wikimedia.Creative Commons.Tojan76

No mundo inteiro, os produtos com o selo “Made in China” ou “Fabricado na China” fazem parte da vida de todos os cidadãos. A China, de tradições milenares, é o principal parceiro comercial do Brasil e estudos revelam que poderá se tornar, em breve, a maior potência mundial pois é o país que mais cresce no planeta.

Assim, convido-os a conhecer um pouco deste país que, em 1º de outubro, comemorou os 70 anos da fundação da República Popular da China- RPC, com um monumental desfile militar que poderão assistir nesta postagem, a ver incrível precisão combinada de movimentos das tropas. Alguns anos antes da revolução, a monarquia chinesa teve seu fim com a destituição da dinastia Manchu, que detinha o poder da nação mais populosa do mundo.

  • Fonte: textos e fotos da Wikipédia e vídeos do You Tube

Tempo do Céu em Beijing China. Foto Wikimedia.Creative Commons.Maros Mraz. Thegreenj

A CHINA

República Popular da China (RPC; chinês simplificado: 中华人民共和国; chinês tradicional: 中華人民共和國; pinyin:  zhōnghuá rénmín gònghéguó), também conhecida simplesmente como China, é o maior país da Ásia Oriental e o mais populoso do mundo, com mais de 1,38 bilhão de habitantes, quase um quinto da população da Terra. É uma república socialista, governada pelo Partido Comunista da China (PCC) sob um sistema unipartidário e que tem jurisdição sobre vinte e duas províncias, cinco regiões autônomas (Xinjiang, Mongólia Interior, Tibete, Ningxia e Guangxi), quatro municípios (Pequim, Tianjin, Xangai e Chongqing) e duas Regiões Administrativas Especiais com grande autonomia (Hong Kong e Macau). A capital da RPC é Pequim. (nota: Macau foi um território português no sul da China por cerca de 440 anos e devolvida em 1999. Quanto a Hong Kong, a pouco mais de 60 km de distância de Macau, foi uma colônia britânica desde 1841 e a transferência de soberania ocorreu em 1997)

Com aproximadamente 9,6 milhões de quilômetros quadrados, a República Popular da China é o terceiro (ou quarto) maior país do mundo em área total e o terceiro maior em área terrestre. Sua paisagem é variada, com florestas de estepes e desertos (como os de Gobi e de Taklamakan) no norte seco e frio, próximo da Mongólia e da Sibéria (Rússia), e florestas subtropicais no sul úmido e quente, próximo ao Vietnã, Laos e Mianmar. O terreno do país, a oeste, é de alta altitude, com o Himalaia e as montanhas Tian Shan formando fronteiras naturais entre a China, a Índia e a Ásia Central. Em contraste, o litoral leste da China continental é de baixa altitude e tem uma longa faixa costeira de 14 500 quilômetros, delimitada a sudeste pelo Mar da China Meridional e a leste pelo Mar da China Oriental, além dos quais estão Taiwan, Coreia (Norte e Sul) e Japão.

BEIJING OU PEQUIM, A CAPITAL DA CHINA, QUAL A CORRETA DENOMINAÇÃO?

A forma correta de se referir à capital da China é Beijing, pois é do dialecto mandarim que é o idioma oficial do país. Pequim, que tem como origem Pekin, é originário do dialecto cantonês ou cantonense, quando ainda era utilizado na região  e que atualmente é falado principalmente no sul da China, como em Macau e Hong Kong. Fato curioso é quando um chinês que só fala cantonense tenta se comunicar com outro chinês que apenas entende o mandarim, acabam dialogando entre si por gestos ou em inglês que no entanto é de conhecimento limitado. São bem diferentes. O governo central está impondo o aprendizado do mandarim em todo o país e no futuro, boa parte da população, especialmente os jovens de hoje, falarão o idioma que estão a aprender nas escolas (o autor do blog).

Símbolos

Bandeira nacional da RPC

Bandeira da República Popular da China

A bandeira nacional da República Popular da China, também conhecida comoBandeira Vermelha de Cinco Estrelas, é vermelha com cinco estrelas amarelas no canto superior esquerdo. Todas as estrelas são de cinco pontas, sendo que a estrela maior simboliza o PCC (Partido Comunista da China), e as quatro menores estrelas simbolizam o povo chinês. A relação das estrelas significa a união popular sob o comando do PCC. A cor vermelha da bandeira simboliza a revolução de 1949, e a cor amarela das estrelas é para destacar a claridade da terra vermelha.

China brasão de armas

Brasão de armas da República Popular da China

O emblema nacional da República Popular da China (中华人民共和国国徽) contém uma representação da porta de entrada da Cidade Proibida na Praça Tiananmen em Pequim, num círculo vermelho. Por cima desta representação estão cinco estrelas que se encontram também na bandeira da República Popular da China. As cinco estrelas representam a união dos povos chineses. Algumas pessoas interpretam estas cinco estrelas como a união das cinco principais nacionalidades, enquanto que outras interpretam como as cinco principais classes sociais.

O círculo é rodeado por uma borda que contém espigas de arroz e de trigo, que simbolizam a filosofia Maoísta de uma revolução da agricultura, assim como os agricultores. Na parte inferior encontra-se uma roda dentada que representa os operários industriais.

Estes elementos, no seu conjunto, foram concebidos para simbolizarem as lutas anti-imperialistas e anti-feudais do povo chinês desde o Movimento do 4 de Maio, e da coligação dos proletariados que fundaram a República Popular da China.

O emblema foi concebido pelo arquiteto Liang Sicheng. Foi oficializado como emblema nacional a 20 de Setembro de 1950, pelo Governo Central do Povo.

Em 1 de outubro de 1949, Mao Tsé-Tung proclamou a criação da República Popular da China

Em 1 de outubro de 1949, Mao Tsé-Tung proclamou a criação da República Popular da China

Qual o motivo da República Popular da China comemorar o dia nacional em 1º de Outubro?

Os conflitos da Guerra Civil Chinesa terminam em 1949, quando o Partido Comunista tomou o controle da China continental e o partido nacionalista Kuomintang recuou para o mar, reduzindo seu território para apenas Taiwan, Hainan e suas ilhas vizinhas. Em 1 de outubro de 1949, Mao Tsé-Tung proclamou a criação da República Popular da China. Em 1950, o Exército de Libertação Popular (ELP) teve sucesso na recaptura de Hainan da República da China, ocupou o Tibete e derrotou a maioria das forças remanescentes do Kuomintang nas províncias de Yunnan e Xinjiang, apesar de alguns redutos do Partido Nacionalista ainda tiverem sobrevivido por muito mais tempo.

Sun Yat Seng, do museu/memorial em Macau

Sun Yat Seng, do museu/memorial em Macau

Antes da implantação da República Popular da China, o regime imperial tinha sido substituído pela República da China. Leia:

Em 1 de janeiro de 1912, a República da China foi estabelecida, anunciando o fim da China Imperial. Sun Yat-sen do Kuomintang (Partido Nacionalista ou KMT) foi proclamado o presidente provisório da República. No entanto, a presidência foi dada mais tarde a Yuan Shikai, um ex-general Qing, que tinha assegurado a deserção de todo o Exército de Beiyang do império Qing à revolução. Em 1915, Yuan proclamou-se Imperador da China, mas foi forçado a abdicar e restabelecer a república em face da condenação popular, não só da população em geral, mas também do próprio Exército de Beiyang e de seus comandantes.

– A República Popular da China é o terceiro maior país do mundo em área terrestre e é considerado o terceiro ou quarto maior em relação à área total.

– A China faz fronteira com Mongólia, Rússia, Coréia do Norte, Vietnam, Laos, Mianmar (antiga Birmânia), Índia, Butão, Nepal, Paquistão, Afeganistão, Tajiquistão, Quirguistão e Cazaquistão

– A moeda é Renminbi ou, na suas formas portuguesas, renmimbi, remimbi ou remmimbi (RMB, símbolo monetário ¥; código: CNY; também CN¥, 元 e CN元; chinês: 人民幣 / 人民币 Rénmínbì, a “moeda do povo”) é a moeda oficial da República Popular da China e é distribuída pelo Banco Popular da China.

yuan ou, na forma portuguesa, iuane significando ‘circular’, é a unidade de conta, enquanto renminbi é o nome da moeda. mas o termo é também usado para designar a moeda chinesa em geral, especialmente em contextos internacionais.Um yuan é subdividido em 10 jiao (em chinês: 角; em pinyin: jiǎo) e 1 jiao é subdivididio em 10 fen (em chinês: 分; em pinyin: fēn). Coloquialmente, em vez de yuan, usa-se muitas vezes kuai, ou, na sua forma  portuguesa, cuai (块 / 块, peças) ou jiǎo(角) ou máo(毛 de cabelo).

– População:- O censo nacional de 2010 estimou a população da República Popular da China em 1 338 612 968 habitantes. Cerca de 21% da população (145 461 833 homens; 128 445 739 mulheres) tinha 14 anos ou menos, 71% (482 439 115 homens; 455 960 489 mulheres) tinha entre 15 e 64 anos de idade e 8% (48 562 635 homens; 53 103 902 mulheres) tinha mais de 65 anos de idade. A taxa de crescimento populacional em 2006 foi de 0,6%.

Educação: Em 2007, 93,3% da população acima de 15 anos de idade era alfabetizada. A taxa de alfabetização da juventude chinesa (idade 15-24) foi de 98,9% (99,2% para o sexo masculino e 98,5% feminino), em 2000. Em março de 2007, a China anunciou a decisão de tornar a educação uma “prioridade estratégica nacional”.

China Shanghai foto Wikimedia/Creative . Commons . ASDFGHJ pontmarcheur

As dez maiores cidades (Wikipédia – Sexto Censo Nacional da República Popular da China (2010)

1º Xangai  20 217 700 habitantes

2º Pequim: 16 446 900 h.

3º Chongqing: 11 871 200 h.

4º Cantão/Guangdong: 10 641 400 h.

5º Shenzhen/Guangdong: 10 358 400 h.

6º Tianjin:  9 562 300 h.

7º Wuhan Hubei: 7 541 500 h.

8º Dongguan/Guangdong: 7 271 3001 h.

9º Hong Kong/RAE: 7 055 071 h.

10º  Foshan Guangdong: 6 771 900 h.

China_linguistic_map

A linguística/os dialectos na China

– Os idiomas mais falados na China pertencem à família linguística sino-tibetana. Há também vários grandes grupos linguísticos dentro da língua chinesa. As variedades mais faladas são o mandarim (nativamente falado por mais de 70% da população), o wu (inclui o xangainês), o yue (inclui o cantonês e o taishanês), o min (inclui hokkien e teochew), o xiang, o gan e o hakka. Línguas não-sínicas faladas amplamente por minorias étnicas incluem o zhuang, o mongol, o tibetano, o uigur, o hmong e o coreano. O mandarim padrão, uma variedade do mandarim baseada no dialeto de Pequim, é a língua oficial nacional e é usado como uma língua franca entre as pessoas de diferentes origens linguísticas.

– Composição étnica: A China reconhece oficialmente 56 grupos étnicos distintos, sendo o maior deles os chineses da etnia han, que constituem cerca de 91,51% da população total do país. Os han, o maior grupo étnico único do mundo, superam outros grupos étnicos chineses em cada província, município e região autônoma, exceto no Tibete e em Xinjiang. Eles são descendentes de antigas tribos huaxia que viviam ao longo do rio Amarelo

– As religiões tradicionais — budismo, confucionismo, taoismo e a religião tradicional chinesa — são as religiões dominantes. De acordo com várias fontes, o budismo na China possui entre 660 milhões (50%) a 1 bilhão de membros (80%),enquanto que o número de taoistas é de 400 milhões de pessoas (~30%). No entanto, devido ao fato de que uma pessoa pode participar de du as ou mais destas crenças tradicionais e, ao mesmo tempo, pela dificuldade em diferenciar claramente o budismo, o confucionismo, o taoismo e a religião tradicional chinesa, o número de adeptos dessas religiões podem ser sobrepostos. Além disso, os seguidores do budismo e do taoismo não são considerados necessariamente religiosos por aqueles que seguem tais filosofias.

Caça de quinta geração – Chengdu J-20 – da Força Aérea do Exército Popular de Libertação da China (foto: Wikimedia/Creative Commons/Alert5)

– Com mais de 2,3 milhões de soldados ativos, o Exército de Libertação Popular (ELP), em inglês People’s Liberation Army (PLA), é a maior força militar do mundo, em termos de número de tropas, e possui o segundo maior orçamento de defesa do mundo. O ELP consiste de um exército, marinha, força aérea e uma força nuclear estratégica.

Veja o vídeo do desfile militar em 1º de Outubro de 2019 na comemoração do 70º Aniversário de fundação da República Popular da China – RPC:

China hino

HINO NACIONAL DA REPÚBLICA POPULAR DA CHINA – “A MARCHA DE VOLUNTÁRIOS”

As letras do hino traduzidos para o português na Wikipedia são diferentes da versão inglesa. Se observarem bem, em português tem alguma semelhança com o hino de Portugal (talvez a fonte da página na enciclopédia seja de Portugal-vide mais abaixo). Veja a diferença:

Levantai-vos! Os que recusam a serem escravos!

Com nosso suor e sangue construiremos uma nova grande muralha!

A nação chinesa enfrenta um grande perigo,

Todos estão nos forçando para o último urro,

Levantai-vos! Levantai-vos! Levantai-vos!

Nossos milhões de corações que batem em uníssono

Contra os fogos dos canhões dos inimigos, avançar!

Contra os fogos dos canhões dos inimigos,

Avançar! Avançar! Avançar!

Em inglês 

March on! Heroes of every nationality!

The great Communist Party leads us in continuing the Long March,

Millions with but one heart toward a communist tomorrow,

Bravely struggle to develop and protect the motherland.

March on, march on, march on!

We will for many generations,

Raise high Mao Zedong’s banner, march on!

Raise high Mao Zedong’s banner, march on!

March on! March on! On!

– Marcha dos Voluntários (em chinês: 義勇軍進行曲; em pinyin: Yiyonggjun Jinxingqu) é o actual hino nacional da República Popular da China. Foi adotado em 1949 quando o Partido Comunista Chinês subiu ao poder, substituindo o anterior hino “San Min Chu I”,. Marcha dos Voluntários tem letra de Tian Han em música de Nie Er. (fonte Wikipedia portuguesa)

China antiga (01)

A Grande Muralha no século passado

China – Grande Muralha em Jinshanling, foto Wikimedia-Creative Commons-Severin.stalder

Etimologia

A palavra “China” é derivada do persa Cin (چین), que por sua vez é derivado do sânscrito Cina (चीन). O termo é registrado pela primeira vez em 1516 no diário do explorador português Duarte Barbosa. A palavra sânscrita foi usada para se referir à China já em 150 d.C. Há várias teorias acadêmicas sobre a origem desta palavra. A teoria tradicional, proposta no século XVII por Martino Martini, é a de que a palavra China é derivada de Qin (秦), o mais ocidental dos reinos chineses durante a dinastia Zhou, ou a partir do sucesso da dinastia Qin (221–206 a.C.). A palavra Cina é usada em duas escrituras hindus – o Mahābhārata, do século V a.C., e no Código de Manu, do século II a.C.–referindo-se a um país localizado na fronteira tibetana-birmana no leste da Índia.

Na China, os nomes comuns para se referir ao país incluem Zhōngguó (chinês simplificado: 中国, literalmente ‘O(s) Estado(s) do Meio’) e Zhonghua (chinês simplificado: 中华), embora o nome oficial do país tenha sido alterado inúmeras vezes por sucessivas dinastias e governos modernos. O termo Zhongguo apareceu em vários textos antigos, como o Shujing do século VI a.C, e em tempos pré-imperiais ele foi muitas vezes usado como um conceito cultural para distinguir o Huaxia dos bárbaros. O termo, que pode ser singular ou plural, se refere ao grupo de Estados na planície central da China. Foi só no século XIX que a expressão surgiu como o nome formal do país. Os chineses não eram os únicos a definir a sua nação como “central”, já que outras civilizações tinham a mesma opinião sobre si mesmas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.064.660 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019 – Programa Final

Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019 – Programa Final

ATUALIZAÇÃO 14/11/2019 VEJA ABAIXO AS ALTERAÇÕES NA PROGRAMAÇÃO DE SAÍDA DE AUTOCARROS E O PROGRAMA DO ENCONTRO O Conselho das Comunidades Macaenses – CCM, em e-mail enviado às Casas de Macau, divulgou o Programa Final do Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019 e Programação de Autocarros, que terá início em 23/11/2019, encerrando-se no dia 29 […]

Missa nas Ruínas de São Paulo no Mês Missionário Extraordinário em Macau

Missa nas Ruínas de São Paulo no Mês Missionário Extraordinário em Macau

No âmbito do Mês Missionário Extraordinário, anunciado há dois anos pelo Papa Francisco, a Diocese de Macau celebrou esta noite em 19 de Outubro de 2019, pelas 20:00 horas, uma missa em frente às Ruínas de São Paulo, com a participação de muitos fiéis.  Assim conta o nosso colaborador em Macau, Manuel V. Basílio, na […]

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

A relembrar a aula de gastronomia realizada na Casa de Macau de São Paulo em 24/02/2008, ministrada pelos chefs João Bosco Quevedo da Silva e Herculano Alexandre (Alex) Airosa, seguem as fotos e receitas de camarões grandes recheados com ervas à moda de João Bosco Quevedo da Silva e pimenta recheada à moda do Alex Airosa. Na época, a coordenação das aulas e elaboração das […]

%d blogueiros gostam disto: