Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Farol e Forte da Barra em Salvador-Bahia e seu museu marítimo

Uma das principais atrações turísticas de Salvador, capital do estado da Bahia, o Farol e Forte da Barra, ou melhor, Forte Santo Antônio da Barra, é praticamente o lugar onde todo turista vai visitar. Localizada na bela e agradável região da Barra, onde nos hospedamos, com uma ampla praça diante dele, é palco de manifestações culturais, como ponto de parada de trios elétricos no carnaval, e políticas, além de ser um excelente local para assistir o pôr do sol.

Um lugar bem frequentado nos finais de semana, mas também em todos os dias muitas pessoas vão lá para assistir o sol a se pôr nas águas da Baía de Todos os Santos. Quando o sol some no horizonte, o público aplaude o belo e abençoado espetáculo

Vamos então visitar o Forte e o museu marítimo, passear pelo entorno e conhecer a sua história:

(Fotografia de/photos by Rogério P D Luz)

Farol da Barra ou Farol de Santo Antônio

 

O FAROL 

  • Texto editado da publicação da Wikipédia

O Farol da Barra ou Farol de Santo Antônio localiza-se na antiga ponta do Padrão, atual Ponta de Santo Antônio, em Salvador, no litoral do estado da Bahia, no Brasil. O farol primitivo foi o segundo existente em todo o continente americano, antecedido somente pelo farol do antigo Palácio de Friburgo no Recife.

A torre atual, de 1839, é troncônica em alvenaria com lanterna e galeria, tem 22 metros de altura e foi pintada com bandas pretas e brancas. O farol está construído no interior do Forte de Santo Antônio da Barra. o novo equipamento de luz catóptrico tem alcance de dezoito milhas náuticas com tempo claro.

História

No século XVII, o porto de Salvador era um dos mais movimentados e importantes do continente, e era preciso auxiliar as embarcações que chegavam à Baía de Todos-os-Santos traficando escravos negros ou em busca de pau-brasil e outras madeiras-de-lei, açúcar, algodão, tabaco e outros itens para abastecer o mercado consumidor europeu.

No fim desse século, após o trágico naufrágio do Galeão Santíssimo Sacramento, capitania da frota da Companhia Geral do Comércio do Brasil, num banco de areia frente à foz do rio Vermelho, a 5 de maio de 1668, o Forte de Santo Antônio da Barra foi reedificado a partir de 1696, durante o Governo Geral de João de Lencastre (1694-1702), vindo a receber um farol — um torreão quadrangular encimado por uma lanterna de bronze envidraçada, alimentada a óleo de baleia —, o segundo existente no Brasil e em todo o Continente (1698).  Em 1937, o antigo sistema “Barbier” (incandescente a querosene) de iluminação foi substituído por luz elétrica.

 

O FORTE

Forte de Santo Antônio da Barra

Em 1501, durante a primeira expedição exploradora à América Lusitana, os portugueses aportaram na Barra, negociaram com os índios e instalaram seu padrão de posse no local. Era dia de Todos os Santos e batizaram, com esse nome, a grande baía.

Esse local, que marca a entrada da Baía de Todos os Santos, ficou conhecido como a Ponta do Padrão e, depois, Ponta de Santo Antônio. Nele, foi construído o Forte de Santo Antônio da Barra (século 16) e, em seu interior, um farol (século 17).

O Forte de Santo Antônio da Barra, foi o primeiro do Brasil, teve sua primeira edificação por volta de 1536, realizada pelo donatário da Capitania da Bahia, Francisco Pereira Coutinho. Entre 1583 e 1587, foi reformado e ampliado.

Entre 1596 e 1602, o forte foi reconstruído, em pedra e cal, como uma torre octogonal. Esse projeto é atribuído ao engenheiro-mor de Portugal, o cremonense Leonardo Torriani.

Durante a Invasão Holandesa (1624-1625), o forte teve papel estratégico. Foi ocupado pelos holandeses e recuperado no ano seguinte. A iconografia holandesa dessa época representa o Forte como uma torre redonda.

Após o naufrágio do Galeão Sacramento, em 1668, decidiu-se construir um farol no interior do Forte, que foi reedificado entre 1694 e 1702. O Forte estava construído em um promontório e provavelmente, nessa época, ganhou seu terrapleno.

Forte de Santo Antônio da Barra

O Padrão – Em 1501, durante a primeira expedição exploradora à América Lusitana, os portugueses aportaram na Barra, negociaram com os índios e instalaram seu padrão de posse no local. Era dia de Todos os Santos e batizaram, com esse nome, a grande baía. (Os padrões são colunas de pedra com as armas portuguesas e uma inscrição, tendo no topo as quinas portuguesas, destinados a afirmar a soberania portuguesa no local onde eram depostos.).

 

O MUSEU

Museu de Hidrografia e Navegação

O Museu de Hidrografia e Navegação foi inaugurado no Forte em 1974. Após obras de restauração das instalações, foi reinaugurado em 1998. No seu acervo o visitante pode ver peças de arqueologia submarina, réplicas de embarcações, equipamentos para navegação, cartas náuticas e outros documentos.

 

O PÔR DO SOL ASSISTIDO NAS IMEDIAÇÕES DO FORTE

A plateia do pôr do sol todos os dias que aplaude o belo espetáculo da natureza. Na foto, era domingo.

 

MAIS FOTOS DO FAROL E SEU INTERIOR, O FORTE E O ACERVO DO MUSEU

O Farol, o seu interior e vista panorâmica do alto

A estrutura antiga do farol foi instalada em 1698. O atual foi inaugurado em 1839 com 22 metros de altura e 39 metros de altura focal.

Equipamento de luz catóptrico que tem alcance de dezoito milhas náuticas com tempo claro. Em 1937, o antigo sistema “Barbier” (incandescente a querosene) de iluminação foi substituído por luz elétrica.

Vista do topo do Farol do bairro da Barra e da praça.

Vista da Praia da Barra e do Morro do Cristo do alto do Farol

 

O Forte

Forte da Barra ou Forte Santo Antônio da Barra

A entrada para o Forte

O Santo do Forte – o Forte da Barra recebeu o nome do primeiro padroeiro da Cidade do Salvador: Santo Antônio. Em meados do século 17, a imagem do Santo Antônio do Forte da Barra recebeu a patente militar, no grau de soldado e elevado a capitão em 1705. O Santo do Forte também recebia os soldos correspondentes à sua patente, que somente foi cassada em 1912, quando já era tenente-coronel.

 

A vista das imediações

 

O acervo do Museu de Hidrografia e Navegação

Louças chinesas vindas de Macau, antigo território português na China (vide próxima foto)

O Naufrágio do Galeão Sacramento

O naufrágio do galeão português Santíssimo Sacramento, capitânia da frota da Companhia Geral de Comércio do Brasil, é um dos principais temas do Museu. Na noite de 5 de maio de 1668, o galeão, com cerca de 500 toneladas, naufragou após chocar-se com um banco de areia, próximo ao Rio Vermelho. Morreram mais de 400 pessoas e sua valiosa carga afundou junto com a embarcação.

O alarme do naufrágio ocorreu com um tiro de canhão do Forte da Barra, conforme o protocolo da época. Em 1976, organizou-se uma expedição para resgatar parte da carga e equipamentos do galeão. Parte desse acervo está exposto no Museu. Outra parte continua no sítio arqueológico submarino do Galeão Sacramento (Guia Geográfico – Bahia Turismo)

Santo Antônio da Barra, o santo protetor do forte.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 01/08/2019 por em Farol/Forte da Barra 2019 e marcado , , , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.021.534 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

A relembrar a aula de gastronomia realizada na Casa de Macau de São Paulo em 24/02/2008, ministrada pelos chefs João Bosco Quevedo da Silva e Herculano Alexandre (Alex) Airosa, seguem as fotos e receitas de camarões grandes recheados com ervas à moda de João Bosco Quevedo da Silva e pimenta recheada à moda do Alex Airosa. Na época, a coordenação das aulas e elaboração das […]

Procissão do Corpo de Deus em Macau

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau) As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no […]

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto. Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus […]

%d blogueiros gostam disto: