Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Farol e Forte da Barra em Salvador-Bahia e seu museu marítimo

Uma das principais atrações turísticas de Salvador, capital do estado da Bahia, o Farol e Forte da Barra, ou melhor, Forte Santo Antônio da Barra, é praticamente o lugar onde todo turista vai visitar. Localizada na bela e agradável região da Barra, onde nos hospedamos, com uma ampla praça diante dele, é palco de manifestações culturais, como ponto de parada de trios elétricos no carnaval, e políticas, além de ser um excelente local para assistir o pôr do sol.

Um lugar bem frequentado nos finais de semana, mas também em todos os dias muitas pessoas vão lá para assistir o sol a se pôr nas águas da Baía de Todos os Santos. Quando o sol some no horizonte, o público aplaude o belo e abençoado espetáculo

Vamos então visitar o Forte e o museu marítimo, passear pelo entorno e conhecer a sua história:

(Fotografia de/photos by Rogério P D Luz)

Farol da Barra ou Farol de Santo Antônio

 

O FAROL 

  • Texto editado da publicação da Wikipédia

O Farol da Barra ou Farol de Santo Antônio localiza-se na antiga ponta do Padrão, atual Ponta de Santo Antônio, em Salvador, no litoral do estado da Bahia, no Brasil. O farol primitivo foi o segundo existente em todo o continente americano, antecedido somente pelo farol do antigo Palácio de Friburgo no Recife.

A torre atual, de 1839, é troncônica em alvenaria com lanterna e galeria, tem 22 metros de altura e foi pintada com bandas pretas e brancas. O farol está construído no interior do Forte de Santo Antônio da Barra. o novo equipamento de luz catóptrico tem alcance de dezoito milhas náuticas com tempo claro.

História

No século XVII, o porto de Salvador era um dos mais movimentados e importantes do continente, e era preciso auxiliar as embarcações que chegavam à Baía de Todos-os-Santos traficando escravos negros ou em busca de pau-brasil e outras madeiras-de-lei, açúcar, algodão, tabaco e outros itens para abastecer o mercado consumidor europeu.

No fim desse século, após o trágico naufrágio do Galeão Santíssimo Sacramento, capitania da frota da Companhia Geral do Comércio do Brasil, num banco de areia frente à foz do rio Vermelho, a 5 de maio de 1668, o Forte de Santo Antônio da Barra foi reedificado a partir de 1696, durante o Governo Geral de João de Lencastre (1694-1702), vindo a receber um farol — um torreão quadrangular encimado por uma lanterna de bronze envidraçada, alimentada a óleo de baleia —, o segundo existente no Brasil e em todo o Continente (1698).  Em 1937, o antigo sistema “Barbier” (incandescente a querosene) de iluminação foi substituído por luz elétrica.

 

O FORTE

Forte de Santo Antônio da Barra

Em 1501, durante a primeira expedição exploradora à América Lusitana, os portugueses aportaram na Barra, negociaram com os índios e instalaram seu padrão de posse no local. Era dia de Todos os Santos e batizaram, com esse nome, a grande baía.

Esse local, que marca a entrada da Baía de Todos os Santos, ficou conhecido como a Ponta do Padrão e, depois, Ponta de Santo Antônio. Nele, foi construído o Forte de Santo Antônio da Barra (século 16) e, em seu interior, um farol (século 17).

O Forte de Santo Antônio da Barra, foi o primeiro do Brasil, teve sua primeira edificação por volta de 1536, realizada pelo donatário da Capitania da Bahia, Francisco Pereira Coutinho. Entre 1583 e 1587, foi reformado e ampliado.

Entre 1596 e 1602, o forte foi reconstruído, em pedra e cal, como uma torre octogonal. Esse projeto é atribuído ao engenheiro-mor de Portugal, o cremonense Leonardo Torriani.

Durante a Invasão Holandesa (1624-1625), o forte teve papel estratégico. Foi ocupado pelos holandeses e recuperado no ano seguinte. A iconografia holandesa dessa época representa o Forte como uma torre redonda.

Após o naufrágio do Galeão Sacramento, em 1668, decidiu-se construir um farol no interior do Forte, que foi reedificado entre 1694 e 1702. O Forte estava construído em um promontório e provavelmente, nessa época, ganhou seu terrapleno.

Forte de Santo Antônio da Barra

O Padrão – Em 1501, durante a primeira expedição exploradora à América Lusitana, os portugueses aportaram na Barra, negociaram com os índios e instalaram seu padrão de posse no local. Era dia de Todos os Santos e batizaram, com esse nome, a grande baía. (Os padrões são colunas de pedra com as armas portuguesas e uma inscrição, tendo no topo as quinas portuguesas, destinados a afirmar a soberania portuguesa no local onde eram depostos.).

 

O MUSEU

Museu de Hidrografia e Navegação

O Museu de Hidrografia e Navegação foi inaugurado no Forte em 1974. Após obras de restauração das instalações, foi reinaugurado em 1998. No seu acervo o visitante pode ver peças de arqueologia submarina, réplicas de embarcações, equipamentos para navegação, cartas náuticas e outros documentos.

 

O PÔR DO SOL ASSISTIDO NAS IMEDIAÇÕES DO FORTE

A plateia do pôr do sol todos os dias que aplaude o belo espetáculo da natureza. Na foto, era domingo.

 

MAIS FOTOS DO FAROL E SEU INTERIOR, O FORTE E O ACERVO DO MUSEU

O Farol, o seu interior e vista panorâmica do alto

A estrutura antiga do farol foi instalada em 1698. O atual foi inaugurado em 1839 com 22 metros de altura e 39 metros de altura focal.

Equipamento de luz catóptrico que tem alcance de dezoito milhas náuticas com tempo claro. Em 1937, o antigo sistema “Barbier” (incandescente a querosene) de iluminação foi substituído por luz elétrica.

Vista do topo do Farol do bairro da Barra e da praça.

Vista da Praia da Barra e do Morro do Cristo do alto do Farol

 

O Forte

Forte da Barra ou Forte Santo Antônio da Barra

A entrada para o Forte

O Santo do Forte – o Forte da Barra recebeu o nome do primeiro padroeiro da Cidade do Salvador: Santo Antônio. Em meados do século 17, a imagem do Santo Antônio do Forte da Barra recebeu a patente militar, no grau de soldado e elevado a capitão em 1705. O Santo do Forte também recebia os soldos correspondentes à sua patente, que somente foi cassada em 1912, quando já era tenente-coronel.

 

A vista das imediações

 

O acervo do Museu de Hidrografia e Navegação

Louças chinesas vindas de Macau, antigo território português na China (vide próxima foto)

O Naufrágio do Galeão Sacramento

O naufrágio do galeão português Santíssimo Sacramento, capitânia da frota da Companhia Geral de Comércio do Brasil, é um dos principais temas do Museu. Na noite de 5 de maio de 1668, o galeão, com cerca de 500 toneladas, naufragou após chocar-se com um banco de areia, próximo ao Rio Vermelho. Morreram mais de 400 pessoas e sua valiosa carga afundou junto com a embarcação.

O alarme do naufrágio ocorreu com um tiro de canhão do Forte da Barra, conforme o protocolo da época. Em 1976, organizou-se uma expedição para resgatar parte da carga e equipamentos do galeão. Parte desse acervo está exposto no Museu. Outra parte continua no sítio arqueológico submarino do Galeão Sacramento (Guia Geográfico – Bahia Turismo)

Santo Antônio da Barra, o santo protetor do forte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 01/08/2019 por em Farol/Forte da Barra 2019 e marcado , , , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.093.044 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

“A Cidade de Macau” uma canção de Filomeno Jorge “Russo”

“A Cidade de Macau” uma canção de Filomeno Jorge “Russo”

Foi-me repassado o link no You Tube da canção “A Cidade de Macau”, que não conhecia. É cantada por Filomeno A.M.Jorge (Russo), assim como é o compositor da bela canção e com letras de J.J.Monteiro. O vídeo está publicado no canal no You Tube de – boafilomena Os parabéns do Projecto Memória Macaense e Crónicas […]

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

%d blogueiros gostam disto: