Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Capela do Padre Faria

A Capela de Nossa Senhora do Rosário dos Brancos, também conhecida com a Capela do Padre Faria por ter rezado a primeira missa na região, é uma das mais antigas e ricas capelas de Ouro Preto, construída por volta de 1710. A sua simples fachada contrasta com o seu rico interior, decorado em 1740 por irmandades dos brancos poderosos, que foram expulsos da grande Irmandade do Rosário pela maioria dos negros, que depois edificaram a Igreja de Santa Efigênia dos Pretos localizada a uns 400 metros, no alto do morro.

Os altares dourados, a decoração e pinturas da capela possuem curiosos detalhes em vermelho, de influência oriental, chamadas de “chinesices mineiras” que os jesuítas trouxeram de Macau. (Mineiras – do Estado de Minas Gerais onde se localiza Ouro Preto)

O teto da nave traz a pintura da coroação de Nossa Senhora do Rosário, cercada pelos anjos e nos quatro painéis da parede cenas da vida de Maria (2ª foto acima). O interior da capela tem estilo barroco e rococó.

A cruz pontifícia possui três braços. O historiador Diogo de Vasconcellos acredita que o Papa Pio VI, através de três bulas, concedia privilégios e graças à capela, motivo da construção da cruz desta forma. A cruz data de 1756 e é esculpida em arenito.

É a única igreja da região que possui a torre campanário (onde tem o sino) separada do templo, que se sugere ter a forma de templo chinês, outra possível influência oriental de Macau, trazida pelos jesuítas (veja o formato do seu teto).

Experiência e Dica

Decidimos fazer uma caminhada do centro na Praça Tiradentes até o topo do morro onde se localiza a Igreja de Santa Efigênia.  Parece uma caminhada aceitável, não muito longe, mas as ladeiras são terríveis, tanto para subir como para descer, devido ao seu piso de paralelepípedos irregulares e por serem bastante ou muito íngremes.  O que ajuda um pouco são as calçadas laterais, como se pode ver na foto acima.  No entanto, é gratificante a vista da cidade à medida que se vai subindo ou descendo a ladeira, especialmente para quem gosta de fotografar, como eu.

Deu para cansar pois basicamente foi uma terrível subida até o topo do morro da Igreja de Santa Efigênia e depois uma terrível descida, muito íngreme e piso muito irregular até a Capela do Padre Faria, a igreja mais distante do centro no extremo leste da cidade.. Mas … valeu a pena! Também tivemos fôlego pois era o primeiro dia de passeios em Ouro Preto, e não estavamos cansados ainda, o que não se poderia dizer no nosso quarto dia de caminhadas … ufa !!!

No meio da descida tem o Chafariz do Alto da Cruz, mal conservado, tendo no topo (foto abaixo) um pequeno busto feminino, de pedra-sabão, com o rosto desfigurado, datado 1761, e que seria obra de juventude do Aleijadinho, Antônio Francisco Lisboa, nos seus prováveis 19 anos de idade.

Para voltar, após visitar a Capela do Padre Faria, não suba a ladeira da Rua Padre Faria por onde desceu, isto se não quiser se cansar muito. Utilize a rua paralela, a Rua Santa Rita, mais extensa porém menos íngreme. Veja foto abaixo:

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.489.752 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: