Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Em Macau: o templo budista de A-Má, origem do nome do antigo território português na China

Templo de A-Má

Templo budista chinês que é a referência do que seria a origem do nome de Macau, o Templo de A-Má dá início à história da chegada de navegadores portugueses nesta pequena península localizada no Sul da China, e por lá se estabeleceram por cerca de 440 anos.

Em 20 de Dezembro de 1999, Portugal transferiu a soberania de Macau para a República Popular da China. Macau trocou os “tamancos portugueses” por “sandálias chinesas“.

A Macau brasileira localizada no litoral do Rio Grande do Norte, terra do sal, também dá a mesma interpretação para a origem do seu nome. Assim, vamos saber um pouco da história do templo da Deusa A-Má e conhecê-lo em detalhes com as fotografias feitas em 2019 e 2006.

Fotografia de/photos by Rogério P D Luz – em 2019 e 2006

TEMPLO DE A-MÁ EM MACAU

Texto da Wikipédia

O Templo de A-Má, que se localiza à entrada do Porto Interior (no extremo-sul da Península de Macau), a meio da encosta poente da Colina da Barra, já existia antes da própria Cidade de Macau ter nascido. Especula-se que o templo foi construído pelos pescadores chineses residentes de Macau no séc. XV, para homenagear e adorar a Deusa A-Má (Deusa do Céu), chamada também de Tin Hau, Mazu ou Matsu. Esta divindade taoísta é muito venerada em todo o Sul da China e em várias partes do Sudeste Asiático e é considerada como a protetora dos pescadores e marinheiros. Crê-se que os portugueses desembarcaram pela primeira vez em Macau, possivelmente no ano de 1554 ou 1557, precisamente à entrada do Porto Interior, também chamada pelos pescadores chineses de “Baía de A-Má”. Segundo as lendas do séc. XVI, o nome da Cidade deriva precisamente da palavra em cantonense “A-Má-Gau“, que significa literalmente Baía de A-Má.

Dois leões em granito, um ao lado do outro, impedem o mal de entrar no templo.

O Templo de A-Má está incluído na Lista dos monumentos históricos do “Centro Histórico de Macau”, por sua vez incluído na Lista do Património Mundial da Humanidade da UNESCO. Pode-se considerar que este templo é o símbolo máximo da cultura chinesa em Macau.

É composto pelo Pavilhão do Pórtico, o Arco Memorial, o Pavilhão de Orações, o Pavilhão da Benevolência, o Pavilhão de Guanyin e o Pavilhão Budista Zhengjiao Chanlin, cada um disposto harmoniosamente com o ambiente natural circundante e contribuindo para a beleza do conjunto.

Cada pavilhão é dedicado ao culto de uma divindade chinesa, algo que torna o templo um exemplo singular das diversas influências da cultura chinesa, passando pelo taoísmo, confucionismo, budismo e pelas diversas crenças populares.

Os pavilhões datam de épocas diferentes, sendo a configuração actual datada de 1828.

O Pavilhão das Orações, também conhecido por “Primeiro Palácio da Montanha Sagrada”, foi construído em granito no ano de 1605 e restaurado no ano de 1828, como indica uma placa de madeira na sua entrada. Este pavilhão, com telhado verde de beirais decorativos de pontas levantadas e janelas com grades, é dedicado à deusa dos navegantes, Tian Hou.

O Pavilhão da Benevolência, de telhado verde semelhante ao do Pavilhão das Orações, data de 1488, pensando-se que pertence à estrutura original do templo. Durante a sua construção, para além de usar granito, foi usado também tijolos. É um pavilhão de menores dimensões, tirando proveito do declive natural da Colina da Barra.

Um pouco acima, na mesma colina, encontra-se o Pavilhão de Guanyin, construído em tijolo. A data da construção deste pavilhão é desconhecida, mas conhece-se a data da sua restauração que foi realizada no ano de 1828, como indica uma placa de madeira na zona da sua entrada.

O Pavilhão Budista foi também restaurado no ano de 1828. É de maior dimensão e mais refinado em termos dos pormenores arquitetônicos. Possui um santuário dedicado à deusa dos navegantes, com uma estrutura de quatro pilares, assim como uma área de retiro. A fachada é ornamentada com uma porta em forma de lua, com esculturas de várias cores a decorá-la.

O Pavilhão do Pórtico foi construído em granito, com cerca de quatro metros e meio de altura. Possui decorações representando animais em cerâmica nos beirais do telhado de pontas levantadas e noutras secções. Perto da sua porta principal, guardado por um par de leões em pedra, encontra-se o Arco Memorial que conduz os crentes ao Pavilhão de Orações, que se encontra em frente ao Pavilhão da Benevolência. O Arco e estes 3 pavilhões encontram-se alinhados no mesmo eixo (Wikipédia).

POEMA E SONETO

Livro de autoria de – António Júlio Emerenciano Estácio

Poema de António Estácio

A DEUSA A-MÁ

 Em tempos que já lá vão 
 Houve um dia um tufão 
 Foi um grande temporal, 
 Muitos barcos se afundaram 
 Pois poucos aguentaram 
 A força do vendaval. 

 Numa pobre embarcação 
 Decidira o capitão 
 Certa jovem transportar, 
 E quando o barco aportou 
 Em santa se transformou 
 Lançando um divino olhar. 

 Nessa pequena enseada 
 Numa encosta abrigada 
 Ergue-se o templo de A Má, 
 Lugar de culto e oração 
 Para a população, 
 É o mais velho que há. 

 Aliás, em seu redor, 
 Voltado ao Porto Interior, 
 Foi que Macau nasceu, 
 Tendo desde a fundação 
 Tido logo a protecção 
 Que a deusa lhe concedeu.

 Com telhados recurvados 
 Os pavilhões separados 
 Aos poucos foram crescendo,
 Nos altares queima-se incenso 
 Que liberta um cheiro intenso 
 E vai tudo enegrecendo. 

 Em dias de Ano Novo 
 Enche-se o templo de povo 
 Há oferendas e orações, 
 Todos vão bater cabeça 
 Não há ninguém que se esqueça 
 De lá ir queimar panchões. 

 Os rudes homens do mar 
 Entram nele para rezar 
 Com enorme devoção, 
 Pois desde os tempos remotos 
 Foram eles os mais devotos 
 De entre a população. 

 E nunca vão para o mar 
 Sem para o tempo voltar 
 A sua embarcação, 
 Queimando panchões na proa 
 À deusa que os abençoa 
 Dando a sua protecção. 

 Macau aos 02.01.93
Vários rochedos estão gravados com poemas de poetas e escritores que visitaram o templo ao longo da sua história.

Livro Amagao Meu Amor, de 1992, é de autoria de António Correia

Soneto de António Correia

AMAGAO, MEU AMOR 

 Santo Nome de Deus tem no seu nome; 
 foi ungida p'la cruz de Jesus Cristo,
 pecados muitos tem, mas nunca visto 
 foi Deus não perdoar a cada homem. 

 E também tem A-MÁ, de quem consome 
 a ternura, raíz, ideia e mito; 
 o Além, que é de todos, só existe, 
 à medida que d'Ele se tem fome. 

 Credos, raças, culturas, comunhão; 
 tolerância e paz, ímpar no mundo, 
 porque aqui até deuses dão a mão. 

 Amagao, meu amor e meu encanto, 
 meu olhar-coração, cá bem do fundo,
 te venera, no nada deste canto!

Mais fotos tiradas em Novembro de 2019, além das acima

Conta-se que colocando a mão dentro da boca dos leões que protegem a entrada do templo, traz sorte e dinheiro.

Espirais de incenso está sempre presente em templos budistas em Macau

Templo de A-Má em 2006

Crê-se que o barco desenhado numa rocha do tempo, tenha pertencido a um explorador europeu, talvez português (?).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.280.107 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: