Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

“O primeiro acordo sino-português” contado por Manuel V. Basílio

A ilha Lin Tin, a Tamão portuguesa, em que mostra o padrão que Jorge Álvares colocou e
vários barcos portugueses ali fundeados. Origem: Wikimedia Commons

Wang Bo (汪柏) foi uma figura muito importante na história do estabelecimento de Macau, por ter feito, na qualidade de haidao fushi (海道副使, ou seja, Subintendente de Defesa Costeira), o primeiro assentamento (isto é, acordo) sino-português com Leonel de Sousa, o qual permitiu a entrada dos portugueses nos portos a sul de Cantão, para realizarem actividades comerciais normais, desde que respeitassem as leis chinesas e pagassem os respectivos direitos alfandegários.

Dizem que Wang Bo (aliás, Wang Tingjie) era conhecido pelas suas excelentes qualidades intelectuais e morais. Na sua carreira, ocupou importantes cargos em Cantão, designadamente o cargo de Subintendente de Defesa Costeira, que exerceu entre 1553 e 1556, tendo, seguidamente, sido transferido para o cargo de Conselheiro de Administração de Zhejiang (浙江, em cantonense, “Chit Kóng), onde serviu até 1557, regressando, então, para Cantão, a fim de ocupar o cargo de Haidao (ou Aitão, na forma aportuguesada), isto é, Intendente de Defesa Costeira, até 1559.

Durante os anos da dinastia Jiajing (嘉靖, em cantonense, Ká Cheng) propagou-se a crença de que o consumo de uma droga, em cuja composição entrava o âmbar cinzento, proveniente das ilhas das especiarias, tinha poderes afrodisíacos e de longevidade. Devido à escassez do âmbar cinzento no país, os mandarins que superintendiam a defesa costeira foram encarregados da obtenção daquele produto através de mercadores estrangeiros. Wang Bo, como Subintendente de Defesa Costeira, soube como resolver a escassez do âmbar cinzento e, por isso, teve uma excelente oportunidade para demonstrar ao Imperador a sua competência, que era essencial para a progressão na sua carreira.

Aconteceu, entretanto, que Leonel de Sousa, capitão-mor de uma frota comercial, se encontrava no sul da China, quando Wang Bo desempenhava o cargo de Subintendente de Defesa Costeira de Cantão.

Os contactos entre ambos teriam iniciado naquela altura, tendo Leonel de Sousa mostrado todo o seu empenho na negociação de um acordo que permitisse aos portugueses comercializar legalmente com a China. Nas negociações, Leonel de Sousa teve a ajuda de um mercador português, de nome Simão de Almeida, como se pode verificar na seguinte descrição que fez:

“Estes negócios e paz acabei com muitos trabalhos e custo que os não posso escrever, que doutra maneira se não puderam fazer por quão desacreditados estavam os portugueses na China; encarreguei deles a um Simão de Almeida, homem honrado, e cavaleiro, que da China tem muita experiência por navegar nela num navio seu há dias; o que fez com muita diligência, e desejos de servir sua Alteza, por algumas obrigações de seu serviço, que lhe pus diante foi sempre honradamente, e veio à sua custa; e, além do que gastou, soube que dera algumas dádivas a pessoas e oficiais do Aitão, com que negociou mais breve do que o pudera fazer sem isso …” (excerto da carta que enviou ao infante D. Luís, irmão de D. João III).

Conforme relatou, Simão de Almeida tinha muita experiência da China e, por conseguinte, era conhecedor dos usos e costumes dos chineses no que respeita a dádivas. Não parece, portanto, que o Subintendente Wang Bo tivesse sido subornado, porquanto a descrição feita por Leonel de Sousa apenas refere que Simão de Almeida “dera algumas dádivas a pessoas e oficiais do Aitão”, mas não ao Aitão, e tais pessoas poderiam ter sido comerciantes chineses que agiram como intermediários para a negociação do acordo entre Leonel de Sousa e Wang Bo, em 1554. Teriam aquelas dádivas, que eram uma prática usual na China, sido encaradas como suborno?

Pelo que se sabe, Wang Bo sempre demonstrou, durante a sua carreira, ser um homem de elevada moral e de grande honestidade e, assim sendo, não se arriscaria arruinar a sua carreira oficial por um acto de suborno, a fim de permitir a entrada de comerciantes de um país não tributário. De recordar que as comitivas das embaixadas dos países ou reinos tributários que, de tempos a tempos, iam à Corte prestar vassalagem ao imperador, levavam os respectivos tributos e valiosos presentes.

Das negociações tidas com Wang Bo, ambas as partes chegaram a acordo, designadamente, nos seguintes pontos:

  • A China permite a entrada dos navios mercantes portugueses no território chinês, desde que respeitem as leis chinesas.
  • Os comerciantes portugueses que venham comercializar com a China devem mudar a sua denominação, deixando de ser chamados folangji e passando a ser “portugueses provenientes de Portugal e Malaca”, a fim de se distinguirem dos folangji, desonestos comerciantes estrangeiros, que se dedicavam ao contrabando e a outras actividades criminosas nas regiões costeiras da China, negando-se a pagar os direitos.
  • Os comerciantes portugueses devem pagar direitos no valor de 20% das mercadorias ou do valor real destas.

Deste modo, ambas as partes encontraram uma solução que permitiu a legalização das suas actividades comerciais na China, mediante o pagamento de uma taxa, bem como reavivar o porto de Cantão, que enfrentava um empobrecimento desde que fora fechado ao comércio externo. Além disso, abriu uma nova era nas relações sino-portuguesas, que desde 1522 os portugueses estavam oficialmente impedidos de comercializar, tendo também aberto caminho para o estabelecimento dos portugueses em Macau, três anos depois, em 1557.

Localização da ilha Lin Tin na foz do rio das Pérolas. Origem: Wikimedia Commons

Quem eram os folangji ou ferengi

Na época das cruzadas, um movimento que se estendeu entre os séculos XI e XIII, os muçulmanos deram o nome Franj aos temíveis cruzados que combatiam para a libertação da Terra Santa e, desde então, os europeus eram designados por aquele nome, que, mais tarde, foi adulterado para ferengi, quando passou a ser também usado na Índia e noutros pontos do sul asiático. Depois, os chineses adaptaram tal termo para folangji (佛郎機, em pinyin, lê-se “fu lang jī” e, em cantonense, “fát long kei”), havendo, ainda, outras variantes, tais como fulangji ou feringhi.

Leonel de Sousa, Capitão-Mor da Viagem do Japão, quando chegou à costa do sul da China em 1552, veio a saber que os estrangeiros conseguiam comerciar com a China, mediante o pagamento de taxas, excepto os “folangji”, nome pelo qual os portugueses eram então conhecidos. Este nome, adoptado pelos chineses, derivou possivelmente das queixas que tinham sido apresentadas ao Imperador da China, por aqueles reinos muçulmanos que eram estados tributários da China, e que foram subjugados, a ferro e fogo, pelos portugueses. Por isso, quando o referido acordo foi negociado entre Leonel de Sousa e Wang Bo, a designação “folangi”, anteriormente atribuída aos portugueses, foi substituída por “portugueses provenientes de Portugal e Malaca”, a fim de limpar a má fama que tinham os “folangji”, como piratas, contrabandistas e comerciantes desonestos, e demonstrar, desta forma, que os portugueses de facto eram mercadores, com desejos de comerciarem legalmente, pagando as devidas taxas.

Excerto do livro SÍTIOS COM HISTÓRIAS, de Manuel V. Basílio, editado em Setembro de 2021, cujo texto fora também publicado no Jornal Tribuna de Macau, em 08 de Abril de 2022. Ver o seguinte link: https://jtm.com.mo/opiniao/primeiro-acordo-sino-portugues/

  • Os excertos do livro são publicados no jornal todas as sextas-feiras na secção Opinião.

4 comentários em ““O primeiro acordo sino-português” contado por Manuel V. Basílio

  1. Diana Ines Gomes Vidal.Guerra
    26/08/2022

    Adorei ler este Texto
    Diana Ines Gomes Vidal.Guerra

  2. Majão Ferreira
    25/08/2022

    Obrigada pela partilha. Um abraço da Majão Ferreira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.464.215 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: