Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Feira de Gastronomia de Macau

Todos os anos, no mês de Novembro, o Festival de Gastronomia de Macau (Macau Food Festival) que é realizado na Praça do Lago Sai Van, bem ao lado da Torre de Macau (Macau Tower). atrai multidões, tanto residentes como turistas, como foi o nosso caso em 2019, pela variedade de comida chinesa, asiática, como a japonesa, tailandesa e indiana, e a ocidental, tudo num lugar só.

Publicação e fotografias de/photos by Rogério P D Luz

Esta postagem também está publicada no blog coligado Projecto Memória Macaense

O evento com duração de 17 dias, iniciando-se numa sexta-feira e com encerramento no domingo da segunda semana, não só oferece gastronomia aos visitantes mas também atrações musicais e de dança, além de competições ou jogos e diversos entretenimentos para a família. Em 2019, teve início no dia 8, encerrando-se no dia 24 e assim foi proclamado como o Festival de Gastronomia do 20º Aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau. Como se sabe, Macau foi devolvido à China pelos portugueses em 20 de Dezembro de 1999, após Portugal ter administrado o território por cerca de 440 anos.

No nosso caso, chegamos a Macau, precisamente no dia 24, no antepenúltimo dia do festival, para participar do Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019. Desta vez, a meta foi de já ir a qualquer custo, uma vez que o início das atividades do Encontro somente seria no dia seguinte e no domingo de 26, o que impossibilitaria o nosso retorno para mais degustação das delícias oferecidas nas barracas. Era uma pendência que tínhamos por não ter ido noutras viagens.

O que surpreendeu foi o chão limpo da área onde era realizada, com o mínimo de detritos, além de haver pessoal de limpeza a recolher as sobras das mesas e higienizá-las, tal como na foto acima.

O transporte até o local não foi problema, pois havia ônibus (autocarro) gratuito partindo da rua paralela ao Hotel Sintra, tanto para ida como a volta, embora se houvesse tempo e disposição, uma caminhada do centro, no nosso caso do Hotel Lisboa, até lá, seria ideal para ir contemplando a Macau de noite.

O número de restaurantes que montam as suas bancas fica entre 130 a 150, conforme informa a organização. Pudemos perceber a boa qualidade e grande variedade dos pratos, a preço razoável. Uma delícia! Tanto que se merece ir mais que uma vez para poder saborear de tudo, enquanto o estômago assim o permitir. Realmente, Macau é uma cidade de gastronomia, com tudo concentrado num compacto espaço que é o seu tamanho.

Dentro da grande variedade de comidas, o visitante pode degustar lagostas, camarões, frangos ao bom gosto chinês, arroz gomoso (uma delícia, como na foto acima), lula ou polvo, caranguejo e assim por diante, como poderão ver nas fotos seguintes.

Os preços nas fotos estão marcados em patacas de Macau (MOP$), donde, em média a cotação é de US$ 1,00=MOP$ 8,00.

A edição de 2020 que será realizada entre 13 a 29 de Novembro, conforme a decisão da organização divulgada na imprensa, será mais pequena em termos do número de bancas, que de 150 e 160 serão reduzidas para apenas até 110 e não irá contar com a participação de estabelecimentos de comida vindos do exterior, tudo isso devido à pandemia do Covid-19. As regras estabelecidas para higienização, proteção e distanciamento social serão aplicadas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 24/10/2020 por em Festival de Gastronomia 2019 e marcado , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.222.348 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: