Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Notícia Prévia

Postagem ligd à Página Mãe

(texto atualizado em 20/10 às 14.47 horário brasileiro)

Aqui distante no Brasil, não saberia dizer se seria o primeiro colóquio, com vários oradores de tendências diversificadas, a debater sobre a identidade dos macaenses, o seu futuro e a participação na vida política e econômica em Macau.  Mas para mim, soa como algo inédito e absolutamente necessário para discutir a sobrevida desta comunidade, em princípio e que se supõe, de língua portuguesa, composta por pouco mais de seis mil pessoas dentro de uma população majoritariamente chinesa de mais de 500 mil habitantes. Uma sobrevida que muitos não acreditavam e assim emigraram para outros países, e para os que ficaram, uma surpresa, pelo espaço que lhes foi oferecido pelos novos governantes.  Com certeza não porque se morre de amores pelas coisas coloniais e a língua portuguesa, mas pelo que se aparenta, por interesses diversos que podem ter um período determinado. A notória e respeitável sabedoria chinesa é que prevaleceu, a “bem da Nação”.

Para quem não saiba, Macau, na China, foi uma colônia portuguesa até 1999, termo que arrepia a alguns que até arriscam dizer ser perigoso citar “colônia ou colónia”, ou se quiserem, que a chamemos de ex-território português na China, pois chamar Macau de província portuguesa seria voltar aos velhos tempos do Salazar e da ditadura.

Percebo nos oradores a ausência de nomes de importância política e de representatividade no cenário macaense, e alguns sem presença confirmada ainda. Por outro lado vejo nomes que não se vêm habitualmente em atividades relacionadas à comunidade, uma boa chance para exporem os seus pontos de vista. Não sei se até a data do debate, o cenário mudará para que o seu alcance seja mais amplo, que reúna realmente todas, mas todas mesmo, tendências ou diversidades, melhor dizendo “a situação e a oposição macaense”.  Por aí já começam as nossas velhas, tradicionais e duradouras divergências, que a rigor, são um dos entraves para a sobrevivência macaense e a preservação da identidade, assim falando em português claro.

Não tenho muitas esperanças que do debate possa surgir alguma luz para a tão sonhada “união macaense” em todos sentidos, que o promotor bem assim descreve: “A união dos macaenses é um sonho”, admite Miguel de Senna Fernandes, embora avise de imediato que é necessário “desmistificar a ideia”. “O que é significa ‘união’? É toda a gente dar-se bem? Sem divergências?”, questiona. Neste caso, “julgo que união também passa pela coexistência de espaços. Não existem líderes absolutos e não podem existir numa comunidade como a nossa”. Todavia, aos olhos de Miguel de Senna Fernandes, “falta definir um objectivo comum, uma coisa a que nos possamos agarrar”.

Mesmo que do debate tudo no final termine em pura retórica, no bom sentido, terá valido a pena pela iniciativa de levantar a questão duma realidade cada vez crescente da comunidade macaense em Macau, e o que se espera, de forma aberta, democrática e respeitosa, despido de qualquer proveito político ou eleitoral da situação. Talvez abra caminho para outras iniciativas ou a sua sequência e que ao final, possa surgir algo concreto e benéfico à comunidade. No entanto, acaba tendo que eleger uma liderança para a iniciativa proposta para seu encaminhamento, e aí já entrará a questão eleitoral … específica!

O macaense acostumado a viver por mais de 400 anos ao abrigo da bandeira portuguesa, sua nacionalidade, não sei se, mesmo passados quase 13 anos da transição, sobreviverá com a evolução e ampliação do território de Macau e que aos poucos vai absorvendo a sua identidade com a inevitável imigração crescente. Um pouco ainda sobreviverá em pequenos espaços e círculos fechados, mas o atual status dependerá de interesses e objetivos dos mandatários no futuro.  Uma quase certeza que se tem, é que seremos a última geração de cultura legítima macaense fruto da presença portuguesa em cerca de 440 anos em Macau.  As próximas já viverão novos ares e a cultura desta Macau moderna e com pouca ligação ao passado.

Enquanto isso, alheia ao futuro, a comunidade macaense, em peso ou quem sabe 50% dela, encontra-se na rede social, preferencialmente no Facebook, uns curtindo outros, mais por pura diversão ou recordando o passado em variados grupos, algo que mais os satisfaz e que vem a substituir publicações em sites ou certos blogs.  Disso me conscientizei quando decidi frequentar habitualmente esta rede social.  Entendi as suas regras de reciprocidade de “curtição” e o valor do que se curte, não necessariamente pelo conteúdo que se pode oferecer mas por essas regras, tanto que deu-me uma ideia do rumo das minhas publicações. Um blog como este é flexível nos seus temas e que já traz números significativos de visitas monitoradas há quase um ano faltando pouco menos de 2 semanas, e que findo o prazo anual deverá superar a casa de 62 mil páginas visitadas, mas um site estático de tema único, criado nos tempos em que não havia redes sociais, cada vez mais perde a sua importância no meio para o qual foi levantada a bandeira.

Sobre o tema daria para escrever muito mais, mas melhor ficar por aqui e assim vejamos o que foi publicado no Jornal Tribuna de Macau nesta data (clicar na imagem para aumentar o tamanho):

clicar para aumentar

Veja a seguir algumas opiniões publicadas no grupo “Conversa entre a Malta” no Facebook:

Fernando C.Gomes, um dos oradores convidados:

“Esperemos que do Encontro consiga trazer algo de frutífero. Esperando só que dos oradores e dos presentes apresentem, levantem, discutem e concluem todas as questões surgidas SEM TABU.

É como alguém diz, com ou sem razão, o que fizeram os “autóctones”/Macaenses nos últimos 450 Anos? Talvez essa seja o começo de inversão evolutiva do nosso legado histórico.

Não há que retrair nos temas e nos conceitos da Identidade, precisaria mesmo de ver e enfrentar de frente certas verdades mesmo que, por vezes discordantes da “Tal Minoria Barulhenta”, minoria essa que tem sido impeditiva da franca aproximação e união de facto da Comunidade.

Não pode nem deve haver Tabus.”

Mário António:

“Debater a identidade e o futuro da comunidade macaense é o objectivo do colóquio que a Associação dos Macaenses organiza nos próximos dias 27 e 28. Em declarações à Rádio Macau, o presidente da associação, Miguel Senna Fernandes, explicou que se impõe uma reflexão numa altura em que Macau se prepara para mudanças significativas no futuro próximo.

De acordo com Senna Fernandes, “é claro que os macaenses podem, como têm feito, enfrentar o futuro a título individual”, acrescentando que, “outra postura possível” consiste em discutir e enfrentar o futuro “enquanto comunidade.”

Identidade, economia e política são os temas que a Associação dos Macaenses propõe debater ao longo dos dois dias de colóquio, que contará com intervenções de Leonel Alves, José Pereira Coutinho, Jorge Fão, Rita Santos e Luís Machado, entre outros nomes da comunidade.

A iniciativa, destaca Miguel Senna Fernandes, é inédita e fazia falta: “Muito se falou sobre nós, muitas teses, muito académico escreveu sobre a comunidade macaense, mas nós, enquanto comunidade, nunca falamos de nós. Parece que falar de nós é um tabu, na nossa comunidade. Parece que há sempre um incómodo, que, a meu ver, não devia existir, sobretudo, tendo em conta que a comunidade vai enfrentar uma Macau que vai sofrer grandes transformações num futuro muito próximo.”

Entre as transformações que Senna Fernandes antecipa estão o desenvolvimento da Ilha da Montanha, do Cotai e também a transição de liderança no Governo Central, em Pequim.”

*Penso que no colóquio certamente ouviremos discursos um tanto inflamados e pouco ouvidos publicamente, embora não se saiba a que ponto a mídia/média fará referência.  Interessante a observação da “minoria barulhenta, impedida de aproximação e união da comunidade”, coisas de bastidores de pouco conhecimento do grande público.

Uma opinião sincera e pessoal, que é importante ter consciência que nenhum segmento é monopólio de ninguém.  É preciso também saber apreciar o trabalho de outros e aceitar suas iniciativas, pois tomar tudo para si acaba levando o segmento para a sepultura quando é chegada a sua hora, e pode ser que não haverá tempo para reconstruí-lo para proveito geral.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 663,116 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: