Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Revisitando o Bairro da Mitra de Macau em 2019, que lembra os tempos antigos

Revisitamos o Bairro da Mitra, em chinês (cantonense) “Chéok Châi Yün” , por ocasião do Encontro das Comunidades Macaenses – Macau 2019, realizado em Novembro, após nove anos de muitas saudades desde 2010 quando lá estivemos.

Não vou lhes contar a história do bairro, que está bem contada na postagem do link abaixo, de autoria no nosso colaborador Manuel V. Basílio, com muitas boas fotos também, mas apenas mostrar em imagens comentadas desse nosso passeio de saudades.

O Bairro da Mitra consegue dar a sensação de estar na Macau dos tempos antigos, os meus foram nos anos 60, quando ainda residia na terra natal, pelas suas características que retratam bem a simplicidade dos costumes chineses, o ambiente e o seu meio de vida.

Utilizamos o acesso ao Bairro da Mitra a partir da Rua do Campo pela Rua Tomás da Rosa

Rua do Campo no entroncamento com a Rua de Pedro Nolasco da Silva

Rua Tomás da Rosa e ao fundo a Rua do Campo

Um funil de prédios residenciais mal conservados

Tendas de comidas de rua e restaurantes populares

Pode até impressionar os ocidentais essas tendas de comida de rua, mas informações dão conta que têm bom sabor, comida típica chinesa a preço módico. Vamos experimentar no próximo passeio a Macau.

Só percebemos a Tasca do Luís, na Rua da Colina, ao fim do passeio. Seguramente teria sido a parada para o nosso almoço, já que tem boas referências. Paciência, fica para a próxima visita a Macau.

O restaurante abaixo foi o nosso ponto de parada para o almoço. O que atraiu foi o ‘pái kuat fán“, no topo direito da foto como baked pork chop with rice (costelinha de porco assado com molho de tomate adocicado e arroz). Não tão perfeito como o do restaurante Fát Siu Lau da Rua da Felicidade, mas é bem parecido com preço bem menor. A Mia pediu um cháu min, ou sâp cháu min ou macarrão frito sem estar mergulhado em molho. Era esquisito pela forma como o macarrão foi servido, como podem ver na foto, mas estava bem delicioso.

O chau min era esquisito na apresentação, mas delicioso e torradinho

O curioso desses restaurantes populares chineses , como este, foi ver a garçonete a descansar na mesa ocupada por um freguês, e esse nem dava importância para o fato.

A simplicidade chinesa sempre dá um jeito para o momento de lazer em lugar improvisado

O comércio de rua e em estabelecimentos

O Mercado Municipal da Mitra

Era quase 14 horas de uma quinta-feira e o Mercado Municipal da Mitra concluído em 1939 e inaugurado em 1940, estava praticamente vazio, sem fregueses! Uns boxes estavam fechados. Não saberia dizer se fica assim o dia todo!

Templo de Deus da Terra ou “T’ou Tei Miu” de 1886

Supermercado Cheok Chai Yün

À procura por gengibre cristalizado, uma senhora chinesa indicou-nos este supermercado que até teríamos ignorado, mas valeu a pena ter conhecido pela grande variedade produtos de todo mundo a preços razoáveis. Saímos com umas sacolas e foi bom termos achado o chouriço português em lata do Izidoro. Uma delícia!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.426.667 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: