Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Manuel V. Basílio lança seus novos livros “Sítios com Histórias” que contam histórias de Macau

Manuel V. Basílio é colaborador do blogue Crónicas Macaenses, com várias postagens contando histórias de Macau no passado. Nossos parabéns ao autor desses novos livros que contribuirão para eternizar a memória da nossa terra.

Recentemente, o Instituto Internacional de Macau (IIM) editou, em dois volumes, uma nova obra de Manuel V. Basílio, intitulada “SÍTIOS COM HISTÓRIAS“. Esta nova obra vem na sequência de outros 4 volumes já publicados, da série PÁTIOS, BECOS E TRAVESSAS, cujos textos foram, de tempos a tempos, publicados em Crónicas Macaenses e, subsequentemente, por iniciativa do IIM, foram coligidos e publicados em livros, na colecção Mosaico. Dois dos referidos 4 volumes foram já traduzidos e publicados em língua chinesa, estando os restantes dois volumes em fase de tradução para serem editados num futuro próximo.

No Volume 1, da nova série, estão incluídos, também, artigos já publicados em Crónicas Macaenses, os quais, entretanto, foram revistos e actualizados, designadamente o artigo “Igreja e Bairro de São Lourenço”, com a inclusão de mais antigos moradores e, além disso, foram identificadas quase todas as pessoas que aparecem nas fotografias publicadas. Incluídos no Volume I, estão os artigos sobre “Igreja, Largo e Rua de S. Domingos”, “Rua do Mastro”, “Rua do Gamboa”, “Bairro da Felicidade” e, ainda, um novo artigo, não publicado em Crónicas Macaenses, relativo à “Sé Catedral”, no qual o autor abordou a questão de qual teria sido a primeira igreja matriz da Diocese de Macau, como era a configuração da igreja antes da reconstrução segundo o projecto de José Tomás Aquino e, ainda, as zonas circundantes.

Os temas publicados no Volume 2 são todos inéditos, relacionados com a história de Macau, desde o estabelecimento dos portugueses no “Porto do Nome de Deus de Amagao”, incluindo uma análise, baseada em pesquisas nos diferentes dialectos de “fujian” (ou Fôk Kin, em cantonense), e também no de “hakká”, sobre a origem do nome “Macau”; descrição sobre as principais “Fortificações da Cidade de Macau”, as respectivas construções e ampliações, após a invasão dos holandeses em 1622; o alargamento da cidade, com recurso a “Obras de Aterro no Século XIX” e que motivaram o desaparecimento de algumas localidades, tais como a Praia Pequena, a Praia do Manduco e a Ponta da Rede, bem como a criação de novas zonas da cidade, para habitação e comércio; a concretização da primeira “Obra concessionada”, requerida por Miguel Ayres da Silva, mediante a apresentação de um “projecto de obras em todos os seus detalhes, plantas, perfis, alçados e mais trabalhos especiais”, que, com parecer favorável do Conselho Técnico das Obras Públicas, mereceu aprovação do então governador Carlos Eugénio Correia da Silva, tendo, então, sido formalmente assinado o primeiro contrato de concessão entre o governo e o concessionário; expansão territorial da cidade na segunda metade do século XIX, através de expropriações e saneamento das zonas rurais, situadas a norte da península, de forma que as “Urbanizações extramuros” deram lugar à extinção de povoações rurais, à abertura de novas vias públicas, designadamente as principais avenidas, e à renovação urbana; e, por fim, uma narração sobre a vida de Cheong Pou Chai (normalmente conhecido pelo nome romanizado Cam Pao Sai ou Apo-chai), desde que ele foi raptado, quando tinha cerca de 15 anos, por um chefe de piratas, passando a viver com ele, até se tornar, mais tarde, o mais temível pirata do sul da China, no primeiro quartel do século XIX. Apesar do seu poderio naval, Cheong Pou Chai acabou por sofrer uma pesada derrota num confronto com a frota portuguesa, tendo, por fim, aceite a sua capitulação ao Vice-Rei de Cantão, sob a mediação do Ouvidor Arriaga, a fim de testemunhar a concessão da prometida liberdade, bem como sua a nomeação para um cargo de mandarinato. Cheong Pou Chai viveu em Macau, por um período da sua vida, assim como mulher, que, após o falecimento de Cheong Pou Chai, ocorrido no mar, próximo das ilhas dos Pescadores, regressou com os seus filhos para Macau, onde passou o resto da sua vida.

Os “Sítios com Histórias” baseiam-se na história de Macau e, tal como nas anteriores publicações, a narração daquelas histórias não é feita em linguagem técnica ou literária, mas sim numa forma simples e atraente, facilmente compreensível por qualquer leitor.

Igreja de São Lourenço
Igreja de São Domingos
Sé Catedral
Bairro da Felicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.317.248 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: