Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Felipe Nasr comenta

                                                                                                             Felipe Nasr

Felipe Nasr, piloto brasileiro que disputa o Grande Prémio de Macau de 2012 de Fórmula 3, no seu blog – http://www.felipenasr.com/ – faz um interessante relato do Circuito da Guia, que pedindo a sua permissão, publico o texto integralmente abaixo.

Estreou em 2012 na categoria de acesso à Formula 1, a GP2, onde terminou a temporada em 10ª posição e ganhou o Dallara Award for Best Comeback – A Melhor Recuperação, Felipe Nasr foi campeão britânico de Fórmula 3 em 2011 e campeão europeu de Fórmula BMW m 2009.  Em 2011 participou do Grande Prémio de Macau e terminou na 3ª posição.

Felipe Nasr nos treinos do Grande Prémio de Macau de 2012

Felipe Nasr escreve no seu Blog

(fotos de Paolo Pellegrini)

De caça ao tesouro a confirmação de talentos, a prova é um clássico sem igual em todo o cenário de competições a motor

Macau 14 de novembro de 2012 – Desde 1954 se repete na área do Porto Exterior e da colina da Guia uma corrida incomparável, criada apenas como uma “Caça ao Tesouro” e transformada em um desafio permanente para carros e pilotos. Sejam eles de Turismo, GT, Motocicletas ou de Fórmula (Libre e Pacific) a partir de 1961 e de F3, àquela que estamos acostumados hoje em dia a partir de 1983.

6km e mais 120 metros de comprimento com dezenove curvas no total que ligam grandes retas com curvas velozes, ganchos inacreditáveis e que varia de 7 a 14 metros de largura. Como todo circuito de rua tem os guard-rails sempre por perto, tem o piso irregular, mas como nenhum circuito de rua combina uma explosão de espaços abertos. Da marginal junto ao mar que se apresenta com quatro retas seguidas e velocíssimas acrescidas de curvas e contracurvas que vão se enrodilhando na colina da Guia. De 60km/h a 290km/h varia a velocidade, de zero a 30 metros varia a altitude, de mínima a máxima varia a necessidade de carga aerodinâmica, de 1ª a 6ª o câmbio trabalha 33 vezes a cada volta, usando 2ª, 3ª, 4 a e 5ª marchas em profusão.

E o piloto tem que estar preparado para tudo isso, preparado para acertar o carro e preparado para aguentar quase uma hora de prova (somando a Bateria de Classificação de 10 voltas e a Principal de 15) com quase 1000 trocas de marchas e no mínimo umas 100 freadas fundamentais nas curvas do Hotel Lisboa, Dona Maria e Melco, aquele grampo que faz a alegria das imagens. E mais ainda umas 60 cerradas de dentes nas curvas de alta dos Pescadores (onde tem um pequeno desnível) e na R. É que quem se der bem lá, pode chegar para a freada (depois de uns 20segundos de pé no fundo) da curva do Hotel Lisboa aquela de 90º à direita perto dos 290km/h, reduzindo de 6ª para 2ª, tendo aproveitado melhor as retas ligadas pela curva Mandarim que é curva mesmo apenas no papel.

Depois da Lisboa tem a subida da calçada de São Francisco onde dá tempo de respirar até chegar na curva da Maternidade, passar pelos “esses” da Solidão que se vai a fundo em 4ª a uns 170km/h, até passar o Ramal dos Mouros e atingir a nobre Dona Maria já em descida e para a esquerda antes de fazer a Melco bem apertada e para a direita. 2,5G para um lado, 2,5G para o outro e segue em frente. Sem perder a concentração e evitando aos que se desconcentram.

Essa, senhores, é a magia do circuito da Guia que premia os ousados, os constantes, os atentos, os que aceleram e os que contam com uma dose de sorte que é sempre imprescindível. Como Roberto Moreno, Ayrton Senna, Maurício Gugelmin, Lucas di Grassi, Michael Schumacher (todos de F3), Augusto Farfus (de Turismo) que venceram ou como Christian Fittipaldi, Adrian Sutil, Robert Kubica, Sebastian Vettel e Lewis Hamilton que tentaram e alguns quase conseguiram.

Então para que correr em Macau? Perguntamos ao Felipe Nasr e ele respondeu de bate-pronto: “Basta dar uma volta, uma voltinha só, para ficar para sempre hipnotizado pelo Circuito da Guia. Foi isso que aconteceu quando estive aqui pela primeira vez de Fórmula BMW em 2009 onde estava liderando e fui jogado para fora. Agora em 2012 vai ser a terceira vez que corro de F3, depois de ter chegado em 2º no ano passado. Third time lucky, diriam os ingleses? Espero que sim” terminou Felipe antes de ir visitar o Museu onde fez uma foto à frente do F3 de Senna, vencedor em 1983.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 892.733 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Imagens que trazem saudosas lembranças daquela Macau que não existe mais, mas que permanece viva na nossa memória e nas fotografias a seguir publicadas de forma aleatória, a procurar dar uma descrição a confirmar ou corrigir. O que vale mesmo é o que se diz – recordar é viver! As fotos são dos anos 50 […]

Memórias de Macau de Todos os Tempos (01)

Nesta postagem do que poderia chamar de uma série “Memórias de Macau de Todos os Tempos”, remetendo-me a um vídeo que publiquei no YouTube (vide no final), publico umas fotos antigas recolhidas ao acaso do meu extenso acervo, ora já publicadas no site (inativo) do Projecto Memória Macaense, ou não, e também já republicadas por […]

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

%d blogueiros gostam disto: