Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Beijing (Pequim): o Pátio Interno da Cidade Proibida em detalhes

A Porta da Pureza Celeste é a entrada para o Pátio Interno da Cidade Proibida onde termina o Pátio Externo

Beijing: the Inner Court of the Forbidden City

Nesta postagem, apresentamos o Pátio Interno da Cidade Proibida (Inner Court), ou Palácio Traseiro, em Beijing (ou Pequim), capital da China, que inclui as seções Norte e servia como residência do Imperador e da sua família, sendo ainda utilizado para os assuntos cotidianos de Estado.

  • .Para entender melhor a sua área interna dividida por duas alas, o Pátio Externo e Pátio Interno, conhecer a história da Cidade Proibida e detalhes, veja a postagem anterior pelo link abaixo e os mapas em seguida:
  • Veja: Beijing (Pequim): a Cidade Proibida e o Pátio Externo em detalhes
Imagem acima: áreas assinaladas dos Pátios Externo e Interno. Infográfico de autoria desconhecida.
Planta da Cidade Proibida. A linha tracejada em vermelho representa a divisão aproximada entre o Pátio Interno (Norte) e o Pátio Externo (Sul). Legenda: A: Portão Meridiano / B: Portão da Grandeza Divina / C: Portão Glorioso Oeste / D: Portão Glorioso Este / E: Torres de canto / F: Portão da Harmonia Suprema / G: Galeria da Harmonia Suprema / H: Galeria da Eminência Militar / J: Galeria da Glória Literária / K: Três Lugares Sul / L: Palácio da Pureza Celeste / M: Jardim Imperial / N: Galeria do Culto Mental / O: Palácio da Longevidade Tranquila.

Pátio Interno da Cidade Proibida

Publicação e fotografias de/photos by Rogério P D Luz

Textos da Wikipédia

A Porta da Pureza Celestial que é a entrada para o Pátio Interno da Cidade Proibida

O Pátio Interno está separado do Pátio Externo por um pátio oblongo ligado de forma ortogonal ao eixo principal da Cidade Proibida. Este recinto era a casa do Imperador e da sua família. Na Dinastia Qing, o Imperador vivia e trabalhava quase exclusivamente no Pátio Interno, com o Pátio Externo usado apenas para propósitos cerimoniais.

A Porta da Pureza Celestial que é a entrada para o Pátio Interno da Cidade Proibida

No centro do Pátio Interno fica um outro conjunto de três galerias (“L”). A partir do Sul sucedem-se o Palácio da Pureza Celeste(乾清宮), a Galeria da União e o Palácio da Tranquilidade Terrena. Menores que as galerias do Pátio Externo, as três galerias do Pátio Interno foram as residências oficiais do Imperador e da Imperatriz. O Imperador, representando o Yang e os Céus, ocupava o Palácio da Pureza Celeste. A Imperatriz, representando o Yin e a Terra, ocupava o Palácio da Tranquilidade Terrena. Entre eles ficava a Galeria da União, onde o Yin e o Yang se misturavam para produzir harmonia.

Leões chineses guardam a Porta da Pureza Celestial que é a entrada para o Pátio Interno da Cidade Proibida
Decoração externa da Porta da Pureza Celestial que é a entrada para o Pátio Interno da Cidade Proibida
Caldeirão de bronze em que era armazenada água para combate a incêndio, na Porta da Pureza Celestial que é a entrada para o Pátio Interno da Cidade Proibida
A Porta da Pureza Celestial que é a entrada para o Pátio Interno da Cidade Proibida
A Porta da Pureza Celestial que é a entrada para o Pátio Interno da Cidade Proibida
Já dentro do Pátio Interno após passar pela Porta de Pureza Celestial
Palácio da Pureza Celeste

O Palácio da Pureza Celeste é um edifício com beirado duplo situado numa plataforma de nível único em mármore branco. Está ligado ao Portão da Pureza Celeste, situado para Sul, por um passeio saliente. Durante a Dinastia Ming, era a residência do Imperador. No entanto, a partir do reinado do Imperador Yongzheng da Dinastia Qing, o Imperador passou a viver na pequena Galeria do Culto Mental, a Oeste, por respeito à memória do Imperador Kangxi. O Palácio da Pureza Celeste tornou-se, então, na galeria de audiência do Imperador. No teto existe um caixotão que representa um dragão enrolado. Por cima do trono encontra-se suspensa uma tabuleta onde se pode ler “Justiça e Honra” (chinês: 正大光明, pinyin: zhèngdàguāngmíng).

Palácio da Pureza Celeste
Palácio da Pureza Celeste
Palácio da Pureza Celeste
Trono Imperial do Palácio da Pureza Celeste
Trono Imperial do Palácio da Pureza Celeste
Trono Imperial do Palácio da Pureza Celeste
Trono Imperial do Palácio da Pureza Celeste
Trono Imperial do Palácio da Pureza Celeste
Palácio da Pureza Celeste
Palácio da Pureza Celeste

Entre estes dois palácios fica a Galeria da União, a qual tem uma forma quadrada com um telhado piramidal. Estão guardados aqui os vinte cinco selos imperiais da Dinastia Qing, assim como outros elementos cerimoniais.

Galeria da União

A Galeria da União era usada como sala do trono (foto abaixo) pela imperatriz.

Salão da Galeria da União

O Palácio da Tranquilidade Terrestre (乾清宮) é um edifício com beirado duplo, constituído por 9 seções à largura e 3 seções de profundidade. Na Dinastia Ming, era a residência da Imperatriz. Na Dinastia Qing, grandes porções do palácio foram convertidas ao culto do Xamanismo, pelos novos governantes manchu. A partir do reinado do Imperador Yongzheng, a Imperatriz mudou-se para fora deste edifício. No entanto, duas salas no Palácio da Harmonia Terrestre foram retidas para uso na noite de núpcias do Imperador.

Palácio da Tranquilidade Terrestre
Aposentos da imperatriz
Em primeiro, a Galeria da União e depois o Palácio da Tranquilidade Terrestre que eram os aposentos da imperatriz
Relógio solar
Em primeiro, a Galeria da União e depois o Palácio da Tranquilidade Terrestre que eram os aposentos da imperatriz
Palácio da Tranquilidade Terrestre que eram os aposentos da imperatriz

Por trás destas três galerias fica o Jardim Imperial (“M”). Relativamente pequeno, e compacto no desenho, o jardim contém no entanto várias realizações paisagísticas elaboradas. Para Norte do jardim fica o Portão da Grandeza Divina, o portão Norte do palácio.

Jardim Imperial

Distribuídos para Este e Oeste das três galerias principais ficam uma série de pátios auto-contidos e palácios de menor importância, onde viviam as concubinas do Imperador e os filhos. Diretamente a Oeste fica a Galeria do Culto Mental (“N”). Originalmente im palácio menor, tornou-se a residência de fato e gabinete do Imperador a partir de Yongzheng. Nas últimas décadas da Dinastia Qing, as veneráveis Imperatrizes, incluindo Tseu-Hi, reuniram a Corte a partir da divisão Este da galeria. Localizados em redor da Galeria do Culto Mental ficam os gabinetes do Grande Conselho e de outros corpos-chave governamentais.
A seção Nordeste do Pátio Interior é ocupada pelo Palácio da Longevidade Tranquila (“O”), um complexo construído pelo Imperador Qianlong em antecipação à sua saída. Este espelha a qualidade da própria Cidade Proibida e apresenta um “pátio externo”, um “pátio interno”, jardins e templos. A entrada para o Palácio da Longevidade Tranquila é marcada por um Painel de Nove Dragões num ladrilho vidrado.

A saída da Cidader Proibida pela Porta das Façanhas Divinas
Esta edificação no topo do morro tem vista panorâmica da Cidade Proibida
O caminho pelo lado externo da Cidade Proibida
Para retorno em direção à Praça da Paz Celestial, há que se caminhar toda a extensão da Cidade Proibida pelo seu lado externo. Na foto vê-se o murro que a protege.

Um comentário em “Beijing (Pequim): o Pátio Interno da Cidade Proibida em detalhes

  1. Pingback: Beijing (Pequim): a Cidade Proibida e o Pátio Externo em detalhes | Cronicas Macaenses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.409.640 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

Macau em 1997 – entrevista com Anabela Ritchie sobre a transição da soberania em 1999

Macau em 1997 – entrevista com Anabela Ritchie sobre a transição da soberania em 1999

A recordar os tempos que antecederam a transição da soberania de Macau para a República Popular da China que ocorreu em 20 de Dezembro de 1999, transcrevemos em três postagens, as entrevistas concedidas ao Diário de Notícias em 1997 e que foram publicadas no antigo website A-Ma Gau – Ecos de Macau. Nesta postagem, a […]

%d blogueiros gostam disto: