Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

“De Sanchoão a Lampacau e, por fim, para Macau ” em artigo de Manuel V. Basílio

De Sanchoão a Lampacau e, por fim, para Macau

Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau)

Sanchoão ou São João é uma ilha situada a sul de Cantão, cujo nome provém da transliteração fonética de Seong Chün (上川, de Seong Chün Tou, 上川島 , ou seja, ilha de Seong Chün ou Shàngchuāndǎo, em pinyin), onde os portugueses para lá foram em 1548, para continuar a praticar o comércio clandestino. Foi naquela ilha que S. Francisco Xavier faleceu em 1552, enquanto aguardava autorização para entrar na China e onde esteve sepultado até que os seus restos mortais foram transladados para Goa, Índia.

Local onde foi sepultado S. Francisco Xavier, em Sanchoão, após a sua morte. Esta sepultura vazia encontra-se dentro de uma capela, bem protegida e conservada. Na lápide tumular colocada verticalmente está escrito, em caracteres chineses, o nome de S. Francisco Xavier. Foto MV Basilio, em Novembro de 2015

Por a ilha de Sanchoão estar afastada da costa marítima e não ser fácil de fiscalizar e controlar as actividades dos portugueses, no princípio do ano de 1554, “por desconfianças dos chineses, nos fizeram mudar junto com o comércio para o porto de Lampacau, que fica seis léguas ao norte de Sanchoão, onde negociamos até o ano de 1557 …”.

Neste mapa vê-se: 1. A ilha de Sanchoão (ou Sancian), situada a sul; 2. A ilha de
“Lampe Kao” (ou Lampacau), situada a 6 léguas a norte de Sanchoão; e, 3. A “Ville de Macao”, no canto superior esquerdo.

Lampacau, um nome dado pelos portugueses, é uma transliteração fonética do chinês Long Pak Kâu (浪白滘), uma ilha quase deserta, mas com melhores condições de habitação, comparadas com Sanchoão, visto que podiam abastecer-se com mais facilidade, por se situar mais próxima da costa chinesa. Hoje em dia, a ilha de Sanchoão praticamente não se alterou, estando bem identificado o local onde os portugueses fundearam os seus barcos e, também, a sepultura de S. Francisco Xavier, enquanto que Lampacau há muito deixou de existir, visto que a ilha, devido ao assoreamento e subsequentes aterros, está já ligada à costa chinesa e agora aquela localidade é designada por Nám Sôi (em pinying, Nanshui 南水, na zona de Jinwan 金灣區, distrito de Zhuhai).

A capela de S. Francisco Xavier, em Sanchoão, erigida no local
onde originalmente foi sepultado aquele Apóstolo do Oriente.
Foto MV Basilio, em Novembro de 2015

Nessas andanças dos portugueses pelos mares do sul da China, vários deles se destacaram, designadamente Fernão Mendes Pinto, considerado o maior aventureiro e explorador português, tendo ele, em Novembro de 1555, mencionado a localidade de Amaquao, numa carta que escreveu, dirigida ao padre jesuíta Belchior Nunes Barreto, como consta do seguinte extracto:

  • “Mas porque hoje cheguei de Lampacau, que é o porto onde estávamos, a este Amaquao, que é outras seis léguas mais diante, onde achei o padre e mestre Belchior, que de Cantão aqui veio ter, onde era ido havia vinte e cinco dias a resgatar Mateus de Brito, que é um homem fidalgo, e outro homem, os quais custaram mil taeis, que são mil e quinhentos cruzados …”

No fim da carta escreveu “de Ama Cuão, servo dos servos da Companhia, Fernão Mendes, vinte de Novembro de 1555.

A referida carta foi escrita em Ama Cuão ou Amaquao (ou Amaquã, ou seja, Macau), o que indica que os mercadores portugueses já frequentavam aquele local, mesmo antes de 1557, embora esse ano seja tido, oficialmente, como o ano do estabelecimento dos colonos portugueses em Macau.

Efectivamente, não foi Fernão Mendes Pinto quem mencionou aquela localidade pela primeira vez. Já em 1515, Tomé Pires tinha escrito na sua obra Suma Oriental que “Para os lados de Cantão, existe ainda um porto, chamado Oquem, que para lá ir, por terra, são necessários três dias; se for por mar, apenas um dia e uma noite”. Ora, Oquem (transliteração de Hou Kéng 蠔鏡 ou 濠鏡), em mandarim, Haojing (蠔鏡 , espelho de ostra, ou 濠鏡, espelho do fosso), era um dos nomes usados, sobretudo por pescadores ou mareantes chineses, para designar a localidade, que viria a ser denominada pelos portugueses por Amaquao, Amaquã, Amacuão, Amagao, Amacao, Amachao, Machoam, Machao e outras mais variantes, de que originou o actual nome de MACAU.

Excerto do livro SÍTIOS COM HISTÓRIAS, de Manuel V. Basílio, editado em Setembro de 2021, cujo texto fora também publicado no Jornal Tribuna de Macau, em 22 de Abril de 2022.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 03/09/2022 por em BRASIL e marcado , , , , , , , , .

Navegação

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.464.201 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: