Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Igreja N.S. Candelária

O navio após ter partido do porto de Santos em 22/Dez pouco depois das 17:00 horas, chegou ao Rio de Janeiro logo cedo da manhã seguinte, a uma distância de cerca de 500 km, onde permaneceria até o fim da tarde.  Lá embarcaram novos passageiros cariocas.

Desta vez decidi visitar o centro histórico, ao inves de ir aos principais pontos turísticos como o Pão de Açucar, Corcovado e praias da cidade.  Como tinha escrito na postagem anterior a respeito das Igrejas do Centro Histórico, o porto fica praticamente a uns 15 a 20 minutos a pé de lá.  Dá para fazer um bom passeio, meio rápido, voltar para almoçar no navio e ter uma margem segura de tempo antes da partida do navio. A gente ouve falar da violência no Rio, mas fiz o trajeto pelas ruas e avenidas movimentadas, não tendo enfrentado nenhum problema. Sobre o Rio, vou fazer 4 postagens, tendo já feito uma conforme citei acima. Esta é sobre a Igreja de N.S. de Candelária, outra de algumas vistas na caminhada por algumas ruas e a última sobre a vista do Rio com o navio em alto mar,

Igreja de Nossa Senhora da Candelária – Centro Histórico do Rio de Janeiro

fotografias de Rogério P.D. Luz – clicar para aumentar

A origem da primitiva ermida, construída em fins do século XVI ou início do século XVII, é atribuída à devoção e ao cumprimento de uma promessa a Nossa Senhora da Candelária, pelo comandante de navio Antônio Martins Palma, após ter sobrevivido a uma forte tempestade em alto mar.

Em 1775, um novo projeto do engenheiro-major Francisco Roscio deu a forma do templo atual, inaugurado em 1811 com a presença do príncipe regente. Novas reformas tiveram lugar em meados do século XIX, e se arrastaram até 1890, ano de sua nova inauguração.

Vista do teto da cúpula da Candelária com pinturas de Zeferino da Costa e de seus ajudantes

Do projeto de Francisco Roscio só permanece a fachada. A cúpula, toda em Pedra de Lioz de Lisboa, representa a principal marca visual da igreja, construída, em estilo neoclássico, entre 1865 e 1877. O revestimento interior, ao invés de talha de madeira à maneira portuguesa, é todo de mármore. Possui interessantes vitrais de cores vivas. As duas capelas laterais são dedicadas ao Santíssimo Sacramento e à Nossa Senhora das Dores. O teto da nave principal apresenta seis grandes painéis do pintor João Zeferino da Costa, narrando as origens da igreja. As portas foram esculpidas em bronze, por Teixeira Lopes, e fundidas em Bruzy, na França. (texto do site CyCity Rio de Janeiro)

A igreja da Candelária é uma das principais obras artísticas do século XIX brasileiro, pela qualidade dos nomes envolvidos, pela arquitetura neoclássica e pela decoração interna exuberante, em estilo misto neoclássico e eclético. A isso, se soma a bela fachada, obra-prima do século XVIII, que demonstra uma grande harmonia no contraste entre os trechos pintados de branco e o granito escuro carioca, além dos diferentes perfis de janelas, as duas torres e o frontão clássico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.490.534 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: