Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

As danças típicas de Argentina, Brasil e Paraguai no Marco de Três Fronteiras em Foz de Iguaçu 2018

Dança da Lenda das Cataratas

Nesta postagem, novas fotografias do programa cultural do Marco das Três Fronteiras com danças típicas de (o.a.*) Argentina, Brasil, Paraguai e da Lenda das Cataratas, feitas em dezembro de 2018, mostram o belo espetáculo que você não pode perder na visita ao Marco do lado brasileiro, em Foz de Iguaçu.

Obelisco do Marco das 3 Fronteiras do Brasil

O Marco das Três Fronteiras é o local onde se pode visualizar a fronteira do Brasil com a Argentina no lado esquerdo e o Paraguai no lado direito. Cada país tem o seu obelisco, igualmente pintados com as cores nacionais e formam um triângulo que fixa o limite territorial e a sua soberania. O Rio Iguaçu se encontra com o Rio Paraná formando a fronteira entre os três países.

Portal do Marco das Três Fronteiras do Brasil

 Fotografia de/photos by Rogério P D Luz

AS DANÇAS DO PROGRAMA CULTURAL DO MARCO DAS TRÊS FRONTEIRAS DE CADA PAÍS

PARAGUAI

POLCA PARAGUAIA, também chamada de Danza Paraguaya (do espanhol, dança paraguaia), é um estilo musical criado no Paraguai no século XIX.

Paraguai

A polca paraguaia e suas principais derivações, guarânia e chamamé, são gêneros musicais que representam importantes aspectos da identidade cultural não apenas do próprio Paraguai, mas também das regiões norte da Argentina e centro-sul do estado brasileiro do Mato Grosso do Sul. No Brasil, a assimilação das configurações musicais desses gêneros encontra-se em processo de transformação, apontando para o surgimento de um gênero híbrido que o músico brasileiro por vezes chama de “rasqueado”. Componentes estruturais mais próximos dos modelos originais podem ser ainda detectados no trabalho de músicos e intérpretes paraguaios estabelecidos em Campo Grande, bem como no de seus descendentes e sul-mato-grossenses identificados com o repertório sertanejo tradicional.

 

ARGENTINA

O TANGO é um estilo musical e uma dança a par. Tem forma musical binária e compasso de dois por quatro. A coreografia é complexa e as habilidades dos bailarinos são celebradas pelos aficionados. Segundo Discépolo, “o tango é um pensamento triste que se pode dançar”.

 

“Na época inicial, o tango era dançado por dois homens, daí o fato dos rostos virados, sem se fitar.”

Sua origem encontra-se na área de Rio da Prata, na América do Sul, nas cidades de Buenos Aires e Montevidéu. A música do tango não tem uma origem muito clara. De acordo com estudos que não dispõem de numerosa documentação, o tango descenderia da habanera e se interpretava nos prostíbulos de Buenos Aires e Montevidéu, nas duas últimas décadas do século XIX, com violino, flauta e violão. Nessa época inicial, era dançado por dois homens, daí o fato dos rostos virados, sem se fitar. Depois, já nos anos 1910, com o sucesso em Paris, foi aceito pela aristocracia platina.

Na época inicial, o tango era dançado por dois homens, daí o fato dos rostos virados, sem se fitar.

O escritor argentino Jorge Luis Borges afirmou que, por suas características, o tango só poderia ter nascido em Montevidéu ou Buenos Aires. O bandoneón, que atualmente caracteriza o tango, chegou à região do Rio da Prata por volta do ano 1900, nas maletas de imigrantes alemães. Não existem muitas partituras da época, pois os músicos de tango não sabiam escrever a música e, provavelmente, interpretavam sobre a base de melodias já existentes, tanto de habaneras como de polcas.

O tango da Argentina

A sensualidade do tango da Argentina

O tango mescla o drama, a paixão, a sexualidade, a agressividade, é sempre e totalmente triste. Como dança, é “duro”, masculino, sem meneios femininos, a mulher é sempre submissa. O ritmo é sincopado, tem um compasso binário. A síncope é de uma nota tocada no tempo fraco que se prolonga até um tempo forte, o que movimenta a música e desloca a acentuação do ritmo.

“Tango” é um termo originário das línguas africanas: inicialmente, designava uma espécie de pequeno tambor africano.

 

B R A S I L

O SAMBA surgiu da mistura de estilos musicais de origem africana e brasileira.

O samba do Brasil

O samba é tocado com instrumentos de percussão (tambor, surdo, timbau, pandeiro, entre outros) e acompanhado por violão e cavaquinho. Geralmente, as letras de sambas contam a vida e o cotidiano de quem mora nas cidades, com destaque para as populações pobres. O termo samba é de origem africana e tem seu significado ligado às danças típicas tribais do continente.

As raízes do samba foram fincadas em solo brasileiro na época do Brasil Colonial, com a chegada da mão-de-obra escrava em nosso país.

O primeiro samba gravado no Brasil foi Pelo Telefone, em janeiro de 1917, cantado por Baiano. A letra deste samba foi uma composição coletiva com a participação de João da Baiana, Pixinguinha, Donga e outros músicos que frequentavam a casa da Tia Ciata, no Rio de Janeiro. Donga (Ernesto Joaquim Maria dos Santos) havia registrado, na Biblioteca Nacional do Brasil, a letra deste samba em 27 de novembro de 1916.

Tempos depois, o samba toma as ruas e espalha-se pelos carnavais do Brasil. Neste período, os principais sambistas são: Sinhô Ismael Silva  e Heitor dos Prazeres.

O samba do Brasil

 

DANÇA DA LENDA DAS CATARATAS

Conta-se que os índios Caigangues, habitantes das margens do Rio Iguaçu, acreditavam que o mundo era governado por M’Boy, um deus que tinha a forma de serpente e era filho de Tupã. Igobi, o cacique dessa tribo, tinha uma filha chamada Naipi, tão bonita que as águas do rio paravam quando a jovem nelas se mirava.

Devido à sua beleza, Naipi era consagrada ao deus M’Boy, passando a viver somente para o seu culto. Havia, porém, entre os Caigangues, um jovem guerreiro chamado Tarobá que, ao ver Naipi, por ela se apaixonou.

Lenda das Cataratas

No dia da festa de consagração da bela índia, enquanto o cacique e o pajé bebiam cauim (bebida feita de milho fermentado) e os guerreiros dançavam, Tarobá aproveitou e fugiu com a linda Naipi numa canoa rio abaixo, arrastada pela correnteza.

Quando M’Boy percebeu a fuga de Naipi e Tarobá, ficou furioso. Penetrou então as entranhas da terra e, retorcendo o seu corpo, produziu uma enorme fenda, onde se formou a gigantesca catarata.

Envolvidos pelas águas, a canoa e os fugitivos caíram de grande altura, desaparecendo para sempre. Diz a lenda que Naipi foi transformada em uma das rochas centrais das cataratas, perpetuamente fustigada pelas águas revoltas.

Tarobá foi convertido em uma palmeira situada à beira de um abismo, inclinada sobre a garganta do rio. Debaixo dessa palmeira acha-se a entrada de uma gruta sob a Garganta do Diabo onde o monstro vingativo vigia eternamente as duas vítimas.

Lenda das Cataratas

 

FINAL – DANÇA E SAUDAÇÃO DOS DANÇARINOS DE CADA PAÍS E DA LENDA DAS CATARATAS

 

Paraguai

Paraguai

Paraguai

Argentina

Argentina

Argentina

Brasil

Brasil

Brasil

Lenda das Cataratas

Lenda das Cataratas

O grupo de dançarinos

Após a apresentação, o público pode tirar fotos com os dançarinos representantes de cada país.

*o.a. = ordem alfabética

  • Textos da Wikipédia
  • As apresentações, com o fim do horário de Verão no Brasil, acontecem de Terça a Domingo às 20:00 horas (posição divulgada em fevereiro de 2019), no entanto, consulte o site oficial para confirmar. Antes, às 19:30 horas há um Show do Minueto (Minueto ou minuet é uma dança em compasso de 3/4, de origem francesa, ou uma composição musical que integra suítes e sinfonias. De origem aristocrática, o minueto foi muito popular na corte de Luís XIV, difundiu-se pela Europa nos séculos XVII e XVIII. É uma dança caracterizada por ser alegre e dançante.

    Show do Minueto

    Show do Minueto

 

Anúncios

Um comentário em “As danças típicas de Argentina, Brasil e Paraguai no Marco de Três Fronteiras em Foz de Iguaçu 2018

  1. Pingback: Cataratas do Iguaçu vista em grande angular em 2018 | Cronicas Macaenses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.006.877 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Procissão do Corpo de Deus em Macau

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau) As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no […]

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto. Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus […]

Dia de Macau de 24 de Junho, uma data histórica

Dia de Macau de 24 de Junho, uma data histórica

24 DE JUNHO, DIA DE MACAU – UMA DATA HISTÓRICA Todos os povos têm as suas datas históricas.  Para os Macaenses não poderia ser diferente.  O dia 24 DE JUNHO – DIA DE MACAU, DIA DE SÃO JOÃO BAPTISTA – PADROEIRO DE MACAU  é uma data histórica, que não pode ser esquecida. Em 2019, completa […]

%d blogueiros gostam disto: