Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Xilogravura chinesa

Coleção particular de Chan Wai Hang

O Boletim Informativo da Câmara Municipal das Ilhas – Macau “Taipa e Coloane”, na sua edição de Março de 1999, que na época o seu Presidente era Joaquim Ribeiro Madeira de Carvalho, anunciava a exposição de xilogravuras intitulada “A Esperança nasce na Primavera” no Parque de Seac Pai Van, em Coloane. Informava:

“Trata-se de um conjunto de 76 trabalhos alusivos ao Ano Novo Chinês, provenientes das cinco principais regiões chinesas produtoras de xilogravuras, onde são retratadas divindades mitológicas, costumes folclóricos e cenas de ópera chinesa, entre outros temas.

Esta mostra só se tornou possível graças à gentileza de Chan Wai Hang, cuja colecção particular totaliza mais de mil peças.

A existência das xilogravuras chinesas remonta à Dinastia Choi. Lok Sam, no seu livro “Ho Fan In Han Lok”, falou sobre a gravação em madeira dos registos daquela Dinastia: “No 8° dia do 12° mês do 12° ano (ano 593) do reinado do Imperador Choi Hoi, foi ordenado a gravação em madeira de obras literárias e de gravuras clássicas”. Esta é a primeira referência por escrito às xilogravuras chinesas.

Com o desenvolvimento da técnica de impressão, as xilogravuras populares surgiram na Dinastia Tong. As xilogravuras alusivas ao Ano Novo Chinês ganharam maior popularidade nas Dinastias Un e Meng. Actualmente, é uma arte que continua a ser muito apreciada.”

Coleção particular de Chan Wai Hang

O que é xilogravura?

Sua técnica consiste em realizar impressão a partir de pedaços de madeira com desenhos em relevo. A técnica da xilogravura é extremamente antiga e de origens desconhecidas. A primeira informação acerca  de sua utilização é  na China no ano de 868. Chegando ao ocidente provavelmente no final do século XIV. A técnica consiste na escolha de  um bloco de madeira cuja superfície fosse lisa e plana. A partir daí, com um instrumento pontiagudo, semelhante a uma faca, esculpia-se em madeira o que deveria aparecer em branco no produto final, deixando saliente o que deveria aparecer em preto, num conjunto de arestas muito finas, como se fosse o efeito contrário do alto relevo.

Para imprimir no papel a superfície da placa deveria ser coberta com tinta antes de comprimida contra o papel. O resultado final sai ao contrário da figura original.

Extremamente rudimentar, a xilogravura não tardou em popularizar-se na Europa do século XV: seu uso ia desde cartas de jogar, a estampas humorísticas vendidas em feiras populares.

Após a invenção da imprensa de tipos móveis, por Gutenberg, passou-se a combinar textos impressos a ilustrações via xilogravuras. Tornava o processo de ilustração muito mais simples e barato.

Pintores como Gauguin, utilizaram bastante a técnica. Gauguin foi um dos responsáveis pelo seu renascimento e aceitação. Hoje em dia, ainda é considerada como uma das principais técnicas de artes gráficas.

* fonte: http://www.sobre.com.pt/xilogravura

Coleção particular de Chan Wai Hang
Coleção particular de Chan Wai Hang

 

  • Republicação da postagem de Junho de 2012

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 06/06/2022 por em Arte, CHINA e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.464.206 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: