Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Em Beijing – China, conheça o famoso calçadão da Rua Wangfujin

Quando em Beijing (Pequim), China, além de visitar as atrações históricas, um dos passeios procurados é a Rua Wangfujin (street/dajeie), o famoso calçadão da cidade que fica na zona dos principais hotéis do centro da cidade. Acaba sendo uma boa opção para o fim da tarde e noite, tanto para degustar comidas típicas chinesas e fast food, como KFC e McDonald’s, também disponíveis nas ruas laterais com amplas opções.

Nos nossos passeios à rua, a temperatura oscilava de dois graus a zero graus na noite, tanto que o número de visitantes era menor.

O calçadão da Rua Wangfujin durante o dia

(Wikipédia) Wangfujing (chinês: 王府井; pinyin: Wángfǔjǐng; lit. ‘Poço da Mansão do Príncipe‘) é uma rua comercial em Beijing/Pequim, China, localizada no distrito de Dongcheng. A maior parte da área principal é para pedestres. Desde meados da Dinastia Ming, existem atividades comerciais na área. Na Dinastia Qing, dez propriedades aristocráticas e residência de princesas foram construídas aqui, logo depois quando um poço cheio de água doce foi descoberto, dando à rua o nome de “Wang Fu” (residência principesca), “Jing” (poço).

Localização
A rua começa em Wangfujing Nankou (“entrada sul”), onde o Oriental Plaza, o Hotel Pequim e a estação de metrô Wangfujing estão localizados. A rua segue para o norte, passando pela Livraria Wangfujing Xinhua, a Loja de Departamentos de Pequim e a Livraria de Línguas Estrangeiras de Pequim antes de terminar na Sun Dong An Plaza e na Igreja Católica de St. Joseph.

História
A rua também era conhecida anteriormente como Morrison Street em inglês, em homenagem ao jornalista australiano George Ernest Morrison. Wangfujing também é uma das áreas centrais tradicionais de Pequim, junto com Liulichang.

Até o final da década de 1990, a rua estave aberta ao tráfego. As modificações em 1999 e 2000 transformaram a Rua Wangfujing apenas para pedestres.

Lojas
Wangfujing agora abriga cerca de 280 lojas. Os shoppings de Wangfujing incluem a Loja de Departamentos de Pequim, a Beijing apm, o Beijing Mall e o The Malls at Oriental Plaza. (fim do texto da Wikipédia)

Loja de souvernirs
Beijing Department Store (loja de departamentos)

Igreja de São José

Igreja de São José (chinês simplificado: 大圣 若瑟 堂; chinês tradicional: 大聖 若瑟 堂), comumente conhecido como Igreja Wangfujing (chinês: 王府井 天主堂) ou Dongtang (chinês: 東 堂, a Catedral do Leste), do início do século 20, é uma das quatro igrejas católicas históricas no Arquidiocese Católica Romana de Beijing (Pequim). Está localizada na Rua Wangfujing, no trecho em que a rua é dividida pela Dong’anmen street (avenida).

A construção da igreja foi concluída em 1655 por missionários jesuítas. Devido a reformas e reconstruções, a estrutura atual remonta a 1904. A igreja é a segunda mais antiga de Beijing (Pequim) depois do Catedral da Imaculada Conceição.

História – Estruturas originais (1653–1900)
A congregação foi estabelecida pela primeira vez em 1653 pelo Padre Lodovico Buglio, um italiano jesuíta astrônomo e teólogo que trabalhou como missionário na China. O terreno onde a primeira igreja foi construída foi doado à ordem religiosa pela Imperador Shunzhi. Na época, os jesuítas eram o único grupo de pessoas da Europa com permissão para residir na capital, por conta de seus conhecimentos de astronomia.

A igreja passou por uma história extremamente turbulenta. Um terremoto que atingiu Pequim em 1720 danificou o edifício. Aproximadamente noventa anos depois, o prédio da igreja foi destruído por um incêndio. O local permaneceu árido até 1860, quando as forças britânicas e francesas invadiram Pequim como parte do Segunda Guerra do Ópio. Depois disso, os missionários estrangeiros, que mais uma vez tiveram permissão para entrar na capital, reconstruíram a igreja. No entanto, na virada do século, durante a Revolução dos Boxers o prédio da igreja foi “totalmente queimado” no auge do levante de 1900.

Catedral atual
St. Joseph’s foi reconstruído em 1904 utilizando arquitetura Renascimento Românico, apresentando pilastras e três torres sineiras.

Em 1957, o governo chinês passou a controlar a Igreja Católica na China estabelecendo a Associação Católica Patriótica Chinesa (CPCA). Como resultado, a Igreja de São José está sob a administração do CPCA desde aquele ano e seus párocos não são reconhecidos pelo Vaticano.

A igreja foi totalmente fechada em 1966 – o primeiro ano do Revolução Cultural de Mao Tsé Tung — e sofreu mais danos durante este período de tempo até o final da revolução em 1976.

A mudança nas visões políticas prevalecentes era favorável à Igreja de São José. O Governo municipal de Pequim financiou os esforços de restauração da igreja. O prédio reformado foi reaberto em 1980 para os serviços católicos. Outra renovação significativa na igreja foi concluída em setembro de 2000. Em 16 de julho de 2007, o padre Joseph Li Shan – o então pároco – foi eleito o novo arcebispo de Pequim pela CPCA. Embora nenhuma declaração oficial do Vaticano tenha sido emitida, Papa Bento XVI expressou sua aprovação da nomeação, fazendo de Li um dos poucos bispos na China a ter o apoio tanto do governo quanto do Santa Sé.

Arquitetura
A igreja de São José foi construída em estilo do Renascimento Românico e é conhecida por sua mistura de traços europeus e chineses em seu design.

Na cultura popular
A Igreja de São José aparece em Cixin Liu’s romance O problema dos três corpos, onde as três abóbadas românicas refletem a natureza do enigma da física.

Cercada de tapumes para amplas reformas da via, onde a Rua Wangfujing é dividida pela Dong’anmen Street, fica a Igreja de São José ao fundo.

O calçadão Wangfujin à noite

A temperatura da noite oscilava em torno de zero graus, tanto que lá pelas 21 a 22 horas a rua já estava bastante deserta.

O calçadão é bem patrulhado pela polícia, tanto a pé como em seus carros elétricos oferecendo segurança para passeio.

Shopping Center Beijing apm, também conhecido como Xindong’an Plaza
Patrulhamento da polícia em carro elétrico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 31/05/2021 por em BRASIL e marcado , , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.489.752 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: