Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Landins, as tropas africanas em Macau por cerca de cinco décadas

Foto da Revista Macau

Nesta postagem, republicamos o artigo de Luís Andrade de Sá de 1992, que aqui fizemos em 2012, sobre as tropas africanas – o landim – num novo formato com fotografias e vídeo adicionais

Na próxima, publicaremos o artigo da Revista Nam Van de 1986, com mais detalhes, sobre os Landins que fazem parte da história de Macau pela sua presença por cerca de cinco décadas.

LANDINS, AS TROPAS AFRICANAS EM MACAU

Artigo de Luís Andrade de Sá publicado na Revista Macau edição de Maio 1992 (Memórias de um Exército já Ausente)

O termo Landim quase que serve para identificar todos os batalhões indígenas que passaram por Macau

Referências do império que fomos, os soldados que em Macau defendiam a Colónia eram portugueses dos quatro costados: Transmontanos, Macaenses, Chinas, Mouros e Landins. Estes últimos, os temíveis soldados moçambicanos dos quais gungunhana disse terem o maior instinto guerreiro, são hoje o paradigma de sucessivas guarnições de soldados africanos chegados a Macau: Angolanos, Guineenses, Macuas, Macondes.

Hoje (em 1992) o termo Landim quase que serve para identificar todos os batalhões indígenas que passaram por Macau.

Chegados em 1912 os Landins por cá ficariam durante cerca de cinco décadas. E apesar de todo este tempo, os chineses nunca se habituaram ao seu convívio, desconfiados que se mantiveram dos enormes negros que tocavam uma horrível batucada enquanto volteavam as zagaias com uma ostensiva ferocidade.

Como se não bastasse, Macau passou a receber os melhores soldados Landins, uma tradição que perdurou enquanto houve Colónias, que tinham como Missão, entre outras, a guarda das Portas do Cerco. E foi nesse espaço único e nevrálgico que se registaram os maiores incidentes fronteiriços, grande parte deles iniciados por provocações mútuas entre chineses e africanos e que, por vezes, degeneraram em confrontos de uma certa gravidade.

A situação seria resolvida com o envio das tropas Landins para a Ilha da Taipa, longe do contacto directo com os soldados da China e já em meras missões de patrulha e observação.

Soldados africanos patrulham a cidade após a explosão do paiol da pólvora em 1931 (Revista Macau)

Até ao início da década de 60, altura das últimas referências a sua presença, os moçambicanos comportaram-se como os soldados de elite que efectivamente eram embora com um bem oriental gosto para o consumo.

Hoje (em 1992), algures em Moçambique haverá certamente uma bicicleta, ou uma máquina fotográfica ou mesmo uma arca em cânfora que atesta a passagem por Macau de um desses excepcionais guerreiros. Na realidade, mais do que na Rua da Felicidade ou em viagens de riquexó (que tanto prazer lhes davam) foi nas lojas dos chineses que os Landins deram por bem empregue o generoso pré que amealhavam ao longo da habitual comissão de dois anos.

Cantina de tropas expedicionária de África na Companhia Independente de Caçadores nº 2, c. 1959 (Revista Macau)
Festival militar, c. 1957 (Revista Macau)

Fotografias de landins em Macau publicadas no grupo do Facebook – Macau Old Photos III 澳門憶舊照片3 Antigas Fotos de Macau III

Foto publlcada no grupo por Lek Fong Lei
Foto publicada no grupo por Chico Macaio Esperto
Foto publicada no grupo por John Doo

Vídeo de 45 seg. do website EFootage, que mostram os soldados landins nas Portas do Cerco em Macau, partilhado no grupo por Alan Yung. Clique no link para assistir:

https://www.efootage.com/videos/88823/st-dominics-church-in-macau

Imagens extraídas do vídeo do EFootage pelo autor deste blogue:

UNIFORME DO SOLDADO NATURAL DE ÁFRICA DESTACADO EM MACAU

Soldado natural de África destacado em Macau. Aguarela/aquarela de Ribeiro Artur in A.H.M.

São precisamente os mesmos e iguais aos determinados para os de África, substituindo–se, porém, o cofíó e borla por:

Trunfa, formada por um barrete enchumaçado com forma cónica, de pano de lã, circundado na parte inferior por uma faixa, de cor azul e branco, sendo as barras de desenho largo e franjadas.

Foi a partir da década de 40 do presente século, que começaram a chegar, como reforço ao contingente normal de Macau, tropas de África já devidamente organizadas em companhias e batalhões, principalmente de Moçambique, Angola e até da Guiné. Estas forças africanas eram enquadradas por militares europeus onde por sua vez os quadros em falta eram preenchidos por macaenses, com o intuito de comandarem as tropas expedicionárias.

Entretanto, os uniformes foram-se alterando, passando a utilizarem mais o caqui e a terem tardas praticamente iguais às das tropas vindas da Metrópole. Contudo mantiveram-se as coberturas de cabeça do Plano de Uniformes de 1900, por uma questão de tradição, principalmente quando trajavam o Grande Uniforme.

Tem-se conhecimento que:

Em 1945 havia em Macau duas Companhias de Caçadores Indígenas.

Em 1949 havia uma Companhia Indígena de Caçadores Expedicionária da Guiné; uma Bateria de Artilharia Ligeira destacada de Angola.

Em 1961 existiam em Macau 5 Companhias de Caçadores Indígenas.

(Fonte: 400 Anos de Organização e Uniformes Militares em Macau, livro de Manuel A.Ribeiro Rodrigues/Instituto Cultural de Macau)

  • Apesar do artigo ter sido publicado na revista antes da transição de soberania de Macau em 1999, num outro formato da Revista Macau em 1992, este blog agradece a Editora pela compreensão.

2 comentários em “Landins, as tropas africanas em Macau por cerca de cinco décadas

  1. Majão Ferreira
    21/11/2021

    Obrigada! Um abraço da Majão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.362.678 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Em Macau, três novos livros de dois autores em língua portuguesa

Em Macau, três novos livros de dois autores em língua portuguesa

O livro de poemas “Pétalas ao Vento” lançado a título póstumo de José Maria Bártolo e outras recentes obras do Manuel V. Basílio, “Sítios com Histórias”, em dois volumes, foram lançados oficialmente em 5 de Novembro de 2021. A sessão de lançamento realizada no Instituto Internacional de Macau-IIM, foi presidida por Rufino Ramos, seu secretário-geral […]

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

%d blogueiros gostam disto: