Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Fontana di Trevi

                                    Fontana di Trevi, Roma, Itália. Realizar o sonho ao vê-la causou emoção incontida.

Fontana di Trevi, em Roma, Itália, foi cenário de filmes tais como La Dolce Vita do brilhante Frederico Fellini, e principalmente do Three Coins in the Fountain (3 Moedas na Fonte) de 1954, cuja canção interpretada por cantores como Frank Sinatra e Dean Martin traz lembranças dos velhos tempos, embora na época ainda fosse criança.

Em 2010, a caminho para o Encontro das Comunidades Macaenses em Macau, demos uma parada de 3 dias em Roma, que revelaram insuficientes para ver esta belíssima cidade histórica.  Penso que no mínimo, para ver quase tudo, exigiria uns 6 dias. Principalmente se não viajar para lá no inverno, como fiz, em Novembro, pois além do frio, já lá pelas 15 horas e pouco começava a escurecer, alcançando a escuridão plena pouco antes das 5 da tarde.

Entre os vários pontos turísticos da cidade que irei falar noutras postagens, como o Vaticano com o seu museu e Basílica de São Paulo, o Coliseu, Castelo de Sant’Angelo entre tantos outros, a Fontana di Trevi que os filmes acima contribuíram para revelá-la ao mundo é uma visita imperdível. No dia tínhamos visitado o Museu do Vaticano e a Basílica, o que já tomou quase o dia todo, e lá chegamos às 15h30min, já começando a escurecer.  A estreita praça diante da fonte estava toda tomada de turistas, quase todos querendo jogar a sua moedinha de sorte nas suas águas.  Até pensava que o lugar fosse mais espaçoso. No entanto, vê-la, foi realizar um velho sonho de há muito muito tempo.  Confesso que fiquei muito emocionado e a gente percebe: nada melhor no mundo que realizar os sonhos.

A pequena praça diante da fonte é tomada de turistas

Leia a seguir um pouco da história da fonte contada na Wikiédia:

Fontana di Trevi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre

A Fontana di Trevi (Fonte de Trevos, em português) é a maior (cerca de 26 metros de altura e 20 metros de largura) e mais ambiciosa construção de fontes barrocas da Itália e está localizada na rione (comuna/núcleo) Trevi, em Roma.

História do Aqueduto e da Localização

A fonte situava-se no cruzamento de três estradas (tre vie), marcando o ponto final do Acqua Vergine, um dos mais antigos aquedutos que abasteciam a cidade de Roma. No ano 19 a.C., supostamente ajudados por uma virgem, técnicos romanos localizaram uma fonte de água pura a pouco mais de 22 quilômetros da cidade (cena representada em escultura na própria fonte, atualmente). A água desta fonte foi levada pelo menor aqueduto de Roma, diretamente para os banheiros de Marco Vipsânio Agripa e serviu a cidade por mais de 400 anos.

O “golpe de misericórdia” desferido pelos invasores godos em Roma foi dado com a destruição dos aquedutos, durante as Guerras Góticas. Os romanos durante a Idade Média tinham de abastecer-se da água de poços poluídos, e da pouco límpida água do rio Tibre, que também recebia os esgotos da cidade.

O antigo costume romano de erguer uma bela fonte ao final de um aqueduto que conduzia a água para a cidade foi reavivado no século XV, com o Renascimento. Em 1453, o Papa Nicolau V, determinou que fosse consertado o aqueduto de Acqua Vergine, construindo ao seu final um simples receptáculo para receber a água, num projeto feito pelo arquiteto humanista Leon Battista Alberti.

Já pouco antes da 17 horas era plena noite, isso em Novembro

A fonte atualmente

Em 1629, o Papa Urbano VIII achou que a velha fonte era insuficientemente dramática e encomendou a Bernini alguns desenhos, mas quando o Papa faleceu o projeto foi abandonado. A última contribuição de Bernini foi reposicionar a fonte para o outro lado da praça a fim de que esta ficasse defronte ao Palácio do Quirinal (assim o Papa poderia vê-la e admirá-la de sua janela). Ainda que o projeto de Bernini tenha sido abandonado, existem na fonte muitos detalhes de sua idéia original.

Reformas

Muitas competições entre artistas e arquitetos tiveram lugar durante o Renascimento e o período Barroco para se redesenhar os edifícios, as fontes, e até mesmo a Scalinata di Piazza di Spagna (as escadarias da Praça de Espanha). Em 1730, o Papa Clemente XII organizou uma nova competição na qual Nicola Salvi foi derrotado, mas efetivamente terminou por realizar seu projeto. Este começou em 1732 e foi concluído em 1762, logo depois da morte de Clemente, quando o Netuno de Pietro Bracci foi afixado no nicho central da fonte.

Salvi morrera alguns anos antes, em 1751, com seu trabalho ainda pela metade, que manteve oculto por um grande biombo. A fonte foi concluída por Giuseppe Pannini, que substituiu as alegorias insossas que eram planejadas, representando Agrippa e Trivia, as virgens romanas, pelas belas esculturas de Netuno e seu séquito.

Restauro

A fonte foi restaurada em 1998; as esculturas foram limpas e polidas, e a fonte foi provida de bombas para circulação da água e sua oxigenação.

La Dolce Vita é um filme franco-italiano de 1960, do gênero drama dirigido pelo cineasta Federico Fellini,

A fontana de Trevi e o cinema

Em 1964, foi lançado o filme que leva seu nome Fontana di Trevi – filmado pelo diretor Carlo Campogalliani.  O monumento foi o cenário de uma das cenas mais famosas do cinema italiano: em La Dolce Vita de Federico Fellini, Anita Ekberg entra na água e convida Marcello Mastroianni a fazer o mesmo.  Precedentemente, a fonte foi o cenário do filme estadunidense Three coins in the fontain, onde a fonte do título é a própria Fontana di Trevi.

Three Coins in the Fountain 1954 teve como atores Clifton Webb e Dorothy McGuire, uma produção de Jean Negulesco. No 27º Oscar de 1955, foi uma das indicações para o Oscar, que não ganhou, porém foi premiado como a Melhor Fotografia e Melhor Canção Original

Veja o trailer do filme Three Coins in the Fountain divulgado no You Tube:

À volta da Fontana tem variado comércio e sorveterias com preços turísticos, ou seja, nada baratos. Numa sorveteria tivemos que levantar a voz contra a arrogância de um dos seus atendentes, infelizmente um tanto perceptível em Roma.
Uma cena comum: turistas a jogar a sua moeda de sorte nas águas da Fontana após ter feito um desejo nem sempre revelado.
A Mia jogou a sua moeda e …

Para finalizar, veja o video-clip em que Dean Martin canta Three Coins in the Fountain na cerimônia do Oscar de 1955, quando esta ganhou o prêmio de Melhor Canção Original:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 833.109 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: