Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Associação da Casa de Macau, 18 anos

18 anos se passaram desde aquele almoço no bom restaurante chinês no bairro de Moema em São Paulo. Assim foi fundada a Associação da Casa de Macau. Porque não, Casa de Macau de São Paulo? O que me contaram na época, foi por questões técnicas e contábeis.
Na realidade, nem poderia ser chamada “de São Paulo” na sua fundação, talvez “do Brasil”, pois pensava-se que seria uma única Casa de Macau no País. O Rio de Janeiro seria uma espécie de “sucursal ou filial” da sede em São Paulo. Tanto que foram convidados membros da comunidade do Rio, inclusive eles foram signatários da homologação (ufa … escrevi certo, pois no meu video-foto-clip, errei e escrevi por engano “homogação”).
No entanto, o Rio fica a 500 km de São Paulo e lá a comunidade macaense tem um considerável número de membros. Obviamente que seria muito incómodo a eles, terem que vir “pedir massa” em São Paulo e ainda apresentarem seus motivos. Daí partiram para o seu grito de autonomia e depois de muita insistência, conseguiram o grande feito. Foi fundada a Casa de Macau do Rio de Janeiro, e com uma vantagem. A sede é própria.
Diferentemente de São Paulo, que tem uma imponente sede, “um modelo” como se diz e de facto tem impressionado muito aos seus visitantes, mas, ela não pertence à comunidade macaense local. A sede foi adquirida pela Fundação Oriente e cedido para usufruto através de um contrato por comodato, por tempo indeterminado. Após adquirida, a comunidade mobilizou-se e conseguiu recursos de várias fontes, inclusive da própria Fundação, e lá foram construídos um ginásio, piscina, reforma das instalações do prédio principal e a construção da residência, o nome oficial de hoje, pois tem lá várias denominações, e etc. etc. Na verdade, o imóvel hoje, com certeza, tem um valor comercial muito maior, graças ao empenho da comunidade e as várias constribuições recebidas. Não cito nomes para não criar polémicas e cometer injustiças por omissão involuntária.
Eu, particularmente, preferiria que a comunidade de São Paulo tivesse uma sede própria, tal como qualquer pessoa que tem o sonho da casa própria. Mas é um assunto delicado.
E assim, com os seus 18 anos (seria maioridade?), a Associação da Casa de Macau (de São Paulo) vai sobrevivendo nas suas instalações de cerca de 5.000 m2, com um custo mensal alto (que venham mais subsídios e auxílios). Uma comunidade, que ao rever as fotos nesse meu video-foto-clip, percebi … como nos envelhecemos !!! Tanto o esforço pela nova geração para uma conscientização da sua continuidade no futuro, isso eu apoio, embora, a sobrevivência nos próximos anos, ainda esteja na mão dessa gente que envelheceu, mas, não tanto, e que faz parte da próxima (ou actual) geração, digamos, hoje na faixa dos seus 45 em diante, algo assim, pode ser menos também (assim politicamente correcto falando). Não refiro a mim, pois não sou candidato a nada na próxima eleição e nem condeno a iniciativa de qualquer pessoa fora dos parâmetros citados. Tenho meus projectos próprios, como esse do Projecto Memória Macaense, que mesmo (lá sei, num mundo imaginário) venha se tornar uma ONG, nunca será uma proliferação de Casas de Macau, pois tem um objetivo específico, diferente de uma CM. Somente seria uma colaboradora, como de facto, na festa desses 18 anos, fez um ensaio do que poderia ser, ao exibir dois video-foto-clip (com atribuição de iniciativa ao PMM) que conseguiu cativar o público e mantê-lo, na sua maioria (salvo uns que se distrairam com outros assuntos), em silêncio. O facto é que o PMM é uma realidade hoje, mesmo que exista só virtualmente no mundo da Internet, sem ser uma pessoa jurídica. Algo que me deixa pensativo.
Gratificante foi ouvir comentários de brasileiros, que com o video puderam assim conhecer um pouco mais de Macau. Gratificante, também, foi ouvir de alguns conterrâneos, que se emocionaram ao rever os velhos tempos da nossa gente e da nossa terra. Tanto que tratei de divulgar os videos-foto-clips no YouTube.
É isso !!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 03/09/2007 por em Casa Macau S.Paulo.

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.303.061 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: