Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Teatro Oriental, a saída

Poderia falar do próprio Teatro Oriental, em Macau, contar a sua história, mas por enquanto não, aliás preciso ver onde tem algo que fale dele. Vou fazer um pequeno comentário da Saída, que fica na parte de trás do Teatro.  Sabem porque? É que ficava exatamente defronte à casa onde eu morava na Calçada do Tronco Velho nº 15.  Veja na foto que para nós, era um “luxo”.  Havia um recuo e tranquilamente lá meu irmão Álvaro Luz estacionava o nosso Herald (à direita da foto) e o meu cunhado Manuel Ramos, parava o seu conversível (muito estilo) que depois te digo a marca, deu um branco geral na memória agora!

Um detalhe ainda viva na memória dessa saída do Oriental, remonta ao “1, 2 e 3” dos anos 60.  Sabem bem, não? Aqueles tumultos da guarda vermelha do Mao que aconteceu em Macau.  Lembro que numa tentativa para conter os ânimos bem exaltados dos maoístas, desceu uma formação de policiais da Delegacia/Esquadra que ficava perto da Escola Comercial.  Eram uns 20 talvez, mais ou menos enfileirados.  Imaginem só … para conter centenas!  Pois bem, mal durou menos de 15 minutos, lá os policiais, coitados, magrinhos, voltaram correndo a subir o Tronco Velho, outros, acreditem, desciam do muro que delimitava a área da Saída do Oriental.  Era uma altura e tanto.  Não sei como escalaram do outro lado e de onde vieram.  Penso que seja da parte de trás do Leal Senado, ou da rua que fica na lateral do Teatro Apolo (porta de saída).  Era um pânico geral!  Seria hilariante, se não fosse pela gravidade e tristeza pelo que estava a ocorrer e que mudou a história de Macau. (Para sua orientação, o muro fica atrás dos carros estacionados, na foto).

Quem estudava na Escola Comercial deve-se lembrar bem dos carros, dessa saída e da gente que morava no nº 15 da Calçada do Tronco Velho.  Quanto ao Teatro Oriental, lembro que ia de vez em quando assistir uns filmes china, ou de lutas marciais, ou aqueles de extrema tristeza ou super drama (hôu chám) em que no final é aquela choradeira.  Sempre morre alguém! Saía sempre com lágrimas nos olhos.

Noutra foto menor podem ver a Calçada do Tronco Velho, a saída e a nossa casa no nº 15 e o Teatro Oriental.  Saudades? Nem fala, “saudadérrima” se existe esta palavra, ou seja, muitaaaaaaaassssss saudades dessa época. Oh Deus, éramos tão felizes e não sabíamos! A propósito, subindo a Tronco Velho, com estilo, hehehe, eram os meus amigos António Canhota e António Mendonça.

Aliás, se o Teatro exibia filmes, porque não chamávamos Cinema em vez de Teatro? Tomo por exemplo aqui no Brasil em que há essa distinção. Penso que o termo vem de longa data, história.!!! Desculpe-me por qualquer ignorância …

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.084.500 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: