Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Pastéis de Belém e o seu segredo

Em Macau, temos o Tán Tat que é vendido na maioria das padarias.  São uma delícia, tais como os Pastéis de Belém.  Nos dias de hoje até diriam que foi pirateado como estamos acostumados a ver com outros produtos, como os relógios. Mas pela aparência, são exatamente iguais, e quanto ao sabor etc., os amigos de Portugal poderão dizer qual necessariamente é a diferença.  Em resumo, os dois são ótimos.  Se em duas bocadas você come um Pastel de Belém ou um Tán Tát, então 5 unidades em 3 minutos não é um exagero.  Numa outra postagem, publicarei outro texto da Cecília Jorge sobre o Tán Tát com receita !!! E verão que não foram os chineses que copiaram … Quanto aos fabricados no Brasil, em geral pelos portugueses locais, minhas desculpas, não tem nada a ver.  Bem diferentes e inferiores !!!

acima: foto de Rogério P.D. Luz / demais abaixo: fotos de Eduardo Tomé

PASTEIS DE BELÉM O SEGREDO QUE FUGIU DE UM MOSTEIRO

por Cecília Jorge – Revista Macau de Novembro de 1998

Quando se fala em pastéis de nata, há logo sempre quem se lembre dos de Belém. Mais ainda: quem é mesmo aficionado dos pastéis de Belém diz logo que “não são uns simples pastéis de nata. Que os de Belém são únicos, especiais”. Mas até aí, receitas e patentes registadas de pastéis há várias, todas ali da zona e todas com designações diferentes, e a reivindicar a garantia de “receita única e legítima”, como sejam os pastéis do Restelo, dos Jerónimos, do Bom Sucesso, dos Belenenses, etc.
Seja como for, é provavelmente das poucas guloseimas que se conseguiram implantar, com um mercado específico, já que os fregueses se deslocam mesmo à mais conhecida das pastelarias de “fornada constante” — a velha Fábrica de Belém — para os comprar e para se renderem deliciados à tentação de os ir provando antes mesmo de sair do recinto. E são produto de exportação com tratamento especial e embalagem cuidada.
É difícil resistir-lhes, já que os servem tradicionalmente quentinhos a sair do forno ou amornados (que frios já não se usam…)e nessa altura a combinação dos aromas da canela e da manteiga quente da massa folhada é intensa. Quem gosta, gosta mesmo muito. Além disso uma “bica” lisboeta com o pastel de nata é ainda hoje (em época de abstinências alimentares recomendadas pelos dietistas) uma bela combinacão!
Mas vejamos como surgiu o pastel de nata, antes de se chamar de Belém… Dizem as enciclopédias consultadas, e alguns livros de mestres vários, que o pastel de nata era um dos muitos mimos da doçaria a que se entregavam frades e freiras, nos intervalos das orações e do bem-fazer, sobretudo nos mosteiros e conventos da região de Lisboa, pelo menos no Largo Andaluz e em Marvila. A gastronomia e doçaria portuguesas devem aliás muito à criatividade monástica, pois que aos exímios monges e freiras, para além do estudo, das preces e penitências, sobejavam sempre tempo e gêneros alimentícios variados e suficientes para se dedicarem à invenção (e deglutição) de iguarias diversas. Mas não foi só em Portugal, porque de outros países europeus se poderá falar do mesmo modo.
Dos pastéis de Belém diz-se que o culpado, o responsável pela fuga do segredo – que o havia — para o lado de lá dos muros do mosteiro foi um frade dos Jerónimos, que, encarregado de abastecer a despensa do dito, se descaiu no meio de longa e desatenta conversa ao falar no assunto a um armazenista, “todo ouvidos”, junto ao Restelo aonde costumava fazer as compras
Provam os registos que o perspicaz armazenista foi logo a correr registar a patente em 1837 e abrir uma pastelaria e posto de venda na Rua de Belém, com adaptações feitas num velho edifício que já lá existia e onde é hoje a Fábrica dos Pastéis. Chamava-se ele Sebastião e guardou a sete chaves o segredo do frade, porque “no segredo está a alma do negócio” e porque, com ou sem patente, os riscos de cópia eram reais, pelo muito que estava em jogo. Tê-lo-á passado em exclusivo ao seu aprendiz de confiança, Abílio Soares, que também o guardou durante sete décadas, a trabalhar sozinho e com reconhecida dedicação fechando-se na fase mais sigilosa da preparação dos pastéis, até morrer.
Um genro de Abílio Soares é autodenominado herdeiro da verdadeira “receita antiga” do frade sendo na altura chefe-pasteleiro na fábrica de Belém. O segredo dos pastéis continua bem guardado, sendo muito poucos — os indispensáveis — que presentemente o conhecem, dentro e fora da fábrica. E todos juraram manter sigilo.
Com tanto risco a correr, e estando em causa um negócio tão rendoso, os pasteleiros, sendo poucos, funcionam em alternância e revezam-se no trabalho, para que o merecido descanso toque a todos. Fecham-se habitualmente na Oficina do Segredo, onde são feitos o recheio e a massa dos pastéis. É só depois que os ingredientes são trazidos para fora da sala, onde o resto dos ajudantes faz a sua parte: as mulheres forram as formas com pedacinhos de massa e os homens deitam o recheio e levam os tabuleiros ao forno. Os pastéis são feitos em largas doses para dar vazão ao consumo, mas são metidos no frigorífico e só são levados ao forno à medida das necessidades, a fim de que os fregueses os possam saborear “acabadinhos de cozer”.  Segredo e primazias? Talvez, mas nestas e noutras coisas o que funciona é sempre o gosto das gentes.  É isso que convence melhor o freguês e o faz regressar ao antro da tentação.  E o controversso pastel de nata lá vai arrastando consigo os gulosos.

o átrio de entrada da enorme fábrica dos Pastéis de Belém fundada em 1837

o responsável (em 1998) pelo fabrico dos afamados pastéis, chefe Eliseu Rodrigues, junto à “oficina do segredo”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 683,151 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: