Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Pintura e caligrafia chinesa de U Kuan Wai

As pinturas e os textos abaixo foram coletados do livro edtado pelo antigo Leal Senado de Macau e Serviços Receativos e Culturais em 1996, sob a coordenação geral de António Conceição Júnior, quando Macau ainda era portuguesa (a transição para a China ocorreu em 1999).  O livro sob o título do artista chinês nascido em Macau, tem o sub-título de Retrospectiva de Pintura de 1960 a 1996.  Possui 79 itens, entre pinturas, caligrafias e desenhos e que foram objeto de exposição na Galeria de Exposições Temporárias do Leal Senado em Julho de 1996. Estive lá pois encontrava-me em Macau na ocasião, e comprei o livro. Aprecio bem a arte chinesa.  Para quem não saiba, a caligrafia chinesa é arte na China.

Introdução

Mestre U Kwan Vai, pintor, escritor e poeta, originário de Tai Shan, Guang Dong, nasceu em Macau em 1928 e licenciou-se na Faculdade de Artes da Universidade do Povo Republicano.

Montanhas e água, flores e plantas, pequenos pássaros e peixes são os seus temas de eleição. Mas, este poeta-pintor não se limita a desenhar paisagens: interpreta-as poeticamente e expressa sentimentos profundos através de pinturas encantadoras.

A predominância da tinta da China nos seus trabalhos vem ao encontro do seu gosto pelas cores. Com o negro pinta a cor. De acordo com a Bíblia Budista – “colorido é vazio” – , ele liberta-se das amarras da cor para aceder a outros níveis artísticos. A sábia combinação da arte tradicional chinesa com a arte moderna ocidental, confere uma feição muito própria ao estilo de U Kwan Vai.

Há 36 anos, realizou-se em Macau a sua primeira exposição. Desde então, participou em diversas exposições, individuais e colectivas.

“Após desperdiçar 36 anos,/ Não perderei mais tempo!”. Estes versos, escritos pelo artista, não correspondem, de forma alguma, à verdade. Ao longo destes anos, U Kwan Vai tem trabalhado diariamente na sua arte e participado em várias associações artísticas.

Actualmente (em 1996), é vice-presidente da Associação de Convergência de Arte de Hong Kong, consultor principal da Fraternidade de Encontro Artístico, presidente da Associação Mundial para o Intercâmbio Artístico e Cultural de Macau, consultor da Academia das Artes Visuais de S. Paulo e secretário-geral da associação “Pen of Macau”.

Em 1990, o Governo de Macau atribuiu a U Kwan Vai a ” Medalha de Mérito Cultural”. As suas obras foram expostas em vários países: Portugal, Coréia do Sul, Japão e República Popular da China.

Esperamos que U Kwan Vai obtenha os mais brilhantes sucessos nesta área infinita.

Li Cheng Jun

Paisagem Montanhosa 1970

Impressões sobre a “Exposição de Pintura do Mestre U Kuan Wai

Encontrei-me pela primeira vez há dez anos com o Mestre U Kuan Wai, na cerimónia de inauguração da exposição de obras do Instituto de Belas-Artes Chinesas de Xangai realizada em Zhuhai.

Fiquei impressionado com a sua simplicidade e simpatia. É um artista que gosta de pintar montanhas e águas, figuras de homens e mulheres. É apreciador de caligrafias, pinturas, selos e relógios antigos. Tem uma particularidade interessante que é o gosto pelos bailes ocidentais, apreciando a valsa e o fox.

Apreciei algumas obras do Mestre U Kuan Wai, pintadas ao estilo tradicional chinês. Este pintor consegue transmitir aos apreciadores os sentimentos e emoções das pessoas que residem fora do seu País.

Foi realizada há trinta e seis anos a primeira exposição do Mestre U Kuan Wai. Espera-se com grande ansiedade uma exposição colectiva das suas obras-primas.

Nam Yang Dou Lu, 31 de Março de 1996

Han Tian Heng

Farol da Guia (Macau) 1983

Peónia (pintura num leque) 1983

Peixes Dourados 1995

Pinheiro e Grou 1984

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.246.284 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: