Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Pintura e caligrafia chinesa de U Kuan Wai

As pinturas e os textos abaixo foram coletados do livro edtado pelo antigo Leal Senado de Macau e Serviços Receativos e Culturais em 1996, sob a coordenação geral de António Conceição Júnior, quando Macau ainda era portuguesa (a transição para a China ocorreu em 1999).  O livro sob o título do artista chinês nascido em Macau, tem o sub-título de Retrospectiva de Pintura de 1960 a 1996.  Possui 79 itens, entre pinturas, caligrafias e desenhos e que foram objeto de exposição na Galeria de Exposições Temporárias do Leal Senado em Julho de 1996. Estive lá pois encontrava-me em Macau na ocasião, e comprei o livro. Aprecio bem a arte chinesa.  Para quem não saiba, a caligrafia chinesa é arte na China.

Introdução

Mestre U Kwan Vai, pintor, escritor e poeta, originário de Tai Shan, Guang Dong, nasceu em Macau em 1928 e licenciou-se na Faculdade de Artes da Universidade do Povo Republicano.

Montanhas e água, flores e plantas, pequenos pássaros e peixes são os seus temas de eleição. Mas, este poeta-pintor não se limita a desenhar paisagens: interpreta-as poeticamente e expressa sentimentos profundos através de pinturas encantadoras.

A predominância da tinta da China nos seus trabalhos vem ao encontro do seu gosto pelas cores. Com o negro pinta a cor. De acordo com a Bíblia Budista – “colorido é vazio” – , ele liberta-se das amarras da cor para aceder a outros níveis artísticos. A sábia combinação da arte tradicional chinesa com a arte moderna ocidental, confere uma feição muito própria ao estilo de U Kwan Vai.

Há 36 anos, realizou-se em Macau a sua primeira exposição. Desde então, participou em diversas exposições, individuais e colectivas.

“Após desperdiçar 36 anos,/ Não perderei mais tempo!”. Estes versos, escritos pelo artista, não correspondem, de forma alguma, à verdade. Ao longo destes anos, U Kwan Vai tem trabalhado diariamente na sua arte e participado em várias associações artísticas.

Actualmente (em 1996), é vice-presidente da Associação de Convergência de Arte de Hong Kong, consultor principal da Fraternidade de Encontro Artístico, presidente da Associação Mundial para o Intercâmbio Artístico e Cultural de Macau, consultor da Academia das Artes Visuais de S. Paulo e secretário-geral da associação “Pen of Macau”.

Em 1990, o Governo de Macau atribuiu a U Kwan Vai a ” Medalha de Mérito Cultural”. As suas obras foram expostas em vários países: Portugal, Coréia do Sul, Japão e República Popular da China.

Esperamos que U Kwan Vai obtenha os mais brilhantes sucessos nesta área infinita.

Li Cheng Jun

Paisagem Montanhosa 1970

Impressões sobre a “Exposição de Pintura do Mestre U Kuan Wai

Encontrei-me pela primeira vez há dez anos com o Mestre U Kuan Wai, na cerimónia de inauguração da exposição de obras do Instituto de Belas-Artes Chinesas de Xangai realizada em Zhuhai.

Fiquei impressionado com a sua simplicidade e simpatia. É um artista que gosta de pintar montanhas e águas, figuras de homens e mulheres. É apreciador de caligrafias, pinturas, selos e relógios antigos. Tem uma particularidade interessante que é o gosto pelos bailes ocidentais, apreciando a valsa e o fox.

Apreciei algumas obras do Mestre U Kuan Wai, pintadas ao estilo tradicional chinês. Este pintor consegue transmitir aos apreciadores os sentimentos e emoções das pessoas que residem fora do seu País.

Foi realizada há trinta e seis anos a primeira exposição do Mestre U Kuan Wai. Espera-se com grande ansiedade uma exposição colectiva das suas obras-primas.

Nam Yang Dou Lu, 31 de Março de 1996

Han Tian Heng

Farol da Guia (Macau) 1983

Peónia (pintura num leque) 1983

Peixes Dourados 1995

Pinheiro e Grou 1984

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.139.379 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Rodolfo Ávila no Museu do Grande Prémio de Macau em 2007

Rodolfo Ávila no Museu do Grande Prémio de Macau em 2007

Em 2007, visitei o Museu do Grande Prémio de Macau e lá fiz várias fotos. Nesta postagem, o assunto é o piloto Rodolfo Ávila. Venha conhecê-lo melhor. Publicação e fotografias de/photos by Rogério P D Luz Texto extraído da enciclopédia livre – Wikipédia Rodolfo Freitas Silvério de Abreu Ávila nasceu em Lisboa no dia 19 […]

A estátua Ferreira do Amaral no aniversário da Tomada de Passaleão em 1951

A estátua Ferreira do Amaral no aniversário da Tomada de Passaleão em 1951

A foto da estátua Ferreira do Amaral, em Macau, foi objeto de indagação feita ao autor deste blog por MJ Raydor no Facebook, que queria saber da sua história. Por desconhecê-la, coube ao Carlos Dias dar a resposta abaixo com publicação de uma imagem: “Tratava-se da Comissão Organizadora das comemorações de 102º. aniversário da Tomada […]

Em Macau, celebração diferente do 13 de Maio Dia de Nossa Senhora de Fátima em 2020 devido à pandemia

Em Macau, celebração diferente do 13 de Maio Dia de Nossa Senhora de Fátima em 2020 devido à pandemia

Por medidas de precaução em função da pandemia do novo coronavírus Covid-19, a celebração do Dia de Nossa Senhora de Fátima, no dia 13 de Maio, foi diferente no mundo todo. Até que em Macau a celebração contou com a participação limitada de fiéis na missa realizada na Igreja de São Domingos, mais que no Santuário […]

%d blogueiros gostam disto: