Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Selos históricos de Macau

envelope tamanho 16x23cm

Na véspera do dia da transição de soberania de Macau em 19 de Dezembro de 1999, data em que Portugal devolve o território à China, o governo português fez a emissão de uma coleção de selos, que diria, históricos, com o título MACAU RETROSPECTIVA.  Fui feliz em ter sido contemplado com um exemplar, além de outra coleção do início do novo governo chinês.  Assim, publico para a memória e informação, que igualmente será de utilidade para os filatelistas.

A coleção consta de um encarte explicativo, 2 envelopes selados, 4 cartões postais selados e vários selos.  Na sua capa está publicada a foto e a mensagem do último governador português de Macau – General Vasco Rocha Vieira.  Vejamos:

último Governador português de Macau, até 19/12/1999 – General Vasco Rocha Vieira

mensagem do Governador

Texto do encarte dos selos:
 

MACAU RETROSPECTIVA

MACAU, NA UNIDADE DO MUNDO

Pretende-se ilustrar, na série das quatro estampas desta colecção. o que de mais alto pode assinalar-se no saldo histórico da presença portuguesa em Macau, durante quatro séculos e meio.

A empresa lusíada dos Descobrimentos teve como superior moção redimir o Mundo do mal e da divisão. Orientou-se pela regeneração e pela unidade. Iniciou a nova era histórica da unidade do Mundo.

A partir de Macau operou-se um desenvolvimento da primeira fase da aventura marítima, do ciclo heróico dos Descobrimentos — depois do reconhecimento geográfico global, abriu-se o capítulo do conhecimento do outro.

Macau surge, assim, como o mais perfeito símbolo de realização da vocação pátrida lusa — o universalismo. Anfiteatro do encontro e apresentação de dois hemisférios. Macau, o pequeno porto comercial e burgo renascentista de cultura, representou na História um dos mais assinaláveis lactores históricos da globalização, da era que se abre à entrada no novo milênio.

Em quatro quadros resumem-se, do passado para o futuro, os passos mais marcantes desse trânsito, em que ressalta o pioncirismo de Macau no movimento da unidade do Mundo.

O CONHECIMENTO FÍSICO

Quando o jesuíta Mateus Ricti entrou na China pela porta de Macau soube que tinha que dar-se a primeira resposta a duas questões. A da Europa: “Qual é o aspecto da China?”; e a dos chineses: “De onde vem? Como descreve o mundo?”.

Assim foi executado o “mappamundo” (1584) de Ricci, onde se apresentou a geografia do mundo conhecido na Europa à nação e classe letrada chinesas.

Giulio Alieni (1582 — 1649) executaria em 1623 um atlas das várias partes do mundo, que foi uma das maiores fontes geográficas para chineses, japoneses e coreanos.

A partir do Século XVII, os jesuítas passaram a aperfeiçoar e a produzir mapas mais exactos e descritivos da Ásia para a Europa.

A execução da primeira representação da Terra em forma de globo, pelo português Manuel Dias e o italiano Lomgobardi, além do simbolismo. concorria com a prova teórica da esfericidade da Terra introduzida na China.

A ALMA E O ESPÍRITO

Desde o início, a estratégia da entrada no âmago do Império Chinês dava valor igual ao Outro. Assim foi definida a política de “acomodação cultural”, cerne de uma vasta operação inter-civilizacional com sede no Colégio da Madre de Deus em Macau. Foi o mais largo e exemplar fenômeno de encontro de culturas assinalado na História.

De 1582 a 1773, foram apresentados à classe letrada do Império chinês todos os ramos do Saber ocidental, movimento nucleado ao famoso Tribunal das Matemáticas da Corde de Pequim, presidido quase desde o início e até à extinção por jesuítas portugueses. Foram publicadas nesse período 187 obras, esforço ingente de tradução para língua chinesa dos livros mais marcantes na cultura e na ciência ocidentais.

No ano 48 do reinado de Wanli (1620) Nicolas Trigault chegou a Macau com “mais de sete mi! livros bem decorados1“: na maioria foram formar a biblioteca de Pequim.

Sobressaíram os contributos prestados à cultura chinesa nos campos da Matemática, da Medicina, da Astronomia (o rigor na predição dos eclipses era politicamente importante para demonstrar que o Imperador ainda gozava do “mandato do Céu”), da Mecânica, da Música e do Calendário (reforma do calendário chinês segundo o gregoriano).

Em sentido inverso, a divulgação da cultura tradicional chinesa começou a fluir para a Europa com os primeiros relatos descritivos da nação e do Império (sobretudo de autores portugueses) e com a publicação do Quadrivolume de Confúcio (Sishu) por Ricei em 1593, em Itália (Telrabiblion Sinense de Mortbus).

 

envelope de tamanho 11.3×16 cm

MACAU, A ALDEIA GLOBAL

Nas suas épocas mais florescentes. Macau foi porto de todos os comércios, materiais e espirituais. De todos os quadrantes. o mundo todo foi aqui convocado. Parafraseando Fernando Pessoa. Macau foi todo o mundo a sós. Foi miniatura do mundo global a vir. Essa a sua grandeza rara.

Na sua dimensão antropológico-cultural, Macau espelhou essa confluência de matrizes e influências, culturalmente resolvida em termos de Civilização e antropologicamente operada em hibridismos complexos. Houve, em Macau, solução universalizante.

As sínteses seculares do encontro e convívio de diversidades culturais e genéticas tiveram aqui o seu fundamental pressuposto — o espírito e a prática da tolerância.

Na sua genética biotipológica e na sua endogenia cultural, o macaense. ou “filho da terra”, é a máxima encarnação da mensagem universalista aqui protagonizada por gerações ao longo das séculos.

DE LONGE, PARA O FUTURO

Olha-se hoje. para Macau, com o sentimento de uma justiça histórica: Macau acompanha, neste virar do milênio, o ritmo de progresso que caracteriza a era da globalização, por que Macau clamou no seu passado.

Macau é simbiose convivente das memórias e patrimônios do passado com as expressões materiais da modernidade, projectando-se ao futuro.

A nova urbe. arquitectada no risco da política dos últimos dez anos. o monumento jurídico, e o seu regime de direitos e liberdades, as inovações e absorção de padrões internacionais — fazem de Macau a Metrópole moderna, onde pulsam os mais fortes ritmos do presente e a mesma, constante, vocação de operação de sínteses culturais, de abertura ao mundo e de construção da civilização da universalidade.

Pioneira da unidade do Mundo. Macau está bem. por direito, num mundo de “aldeia global”, modelo que antecipou no tempo e no espaço reais da História dos homens.

REFERÊNCIAS ICONOGRÁFICAS

 

Selo 1

Selo I

Para simbolizar o conhecimento geográfico do mundo, dois dos mais representativos momentos da cartografia jesuíta na China:

– O mapa-mundo chinês de Mateus Ricci — Kunyu Wanguo/ Quantu. mapa dos dez mil países da terra. Detalhe do exemplar da Royal
Geographic Society. Londres, reproduzida da RC. n.° 21, ICM. Macau.

– O primeiro globo terrestre chinês (1623) executado por Manuel Dias Júnior e Nicolau Longobardi. Reprodução do globo da British Library.
publicado na RC. n.°21. ICM. Macau.

 

Selo II

Selo II

Para simbolizar o movimento da apresentação e compenetração cultural, escolheu-se um aspecto do Observatório Astronômico de Pequim, imediatamente à refundição dos aparelhos coordenada pelo jesuíta Ferdinand Verbiest.

E projecção da cruz da Ordem de Cristo, (instituição portuguesa que concebeu e desencadeou a aventura marítima) símbolo com que o Ocidente ficou identificado em todo o Oriente. A Cruz de Cristo foram as armas atribuídas a Macau imediatamente ao seu estabelecimento.

 

Selo III

Selo III

Para simbolizar a tolerância e o convívio e miscigenação antropológica e cultural, seleccionou-se um pormenor do “Quadro dos Tributários” do Imperador Xianlong, livro-harmónio com memória descritiva de todos os tipos humanos do Império chinês. Na estampa, como no envelope, uma seqüência da galeria de tipos humanos observada e retratada em Macau (Séc. XVIII).

 

Selo IV

Selo IV

Sobre a volumetria dos novos edifícios do fecho da Baía da Praia Grande, o Farol da Guia como símbolo de um passado que persiste.

Foi pela primeira vez aceso nas costas da China em 24 de Setembro de 1865.

O maquinismo primitivo, que funcionava a petróleo, foi concebido pelo industrioso macaense Carlos Vicente da Rocha.

Em Junho de 1910 o melhor mecanismo foi substituído por aparelhagem mais moderna de rotação, importada de França.

Autor: Luís Sá Cunha

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 08/06/2012 por em Filatelia, MACAU e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.021.558 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

A relembrar a aula de gastronomia realizada na Casa de Macau de São Paulo em 24/02/2008, ministrada pelos chefs João Bosco Quevedo da Silva e Herculano Alexandre (Alex) Airosa, seguem as fotos e receitas de camarões grandes recheados com ervas à moda de João Bosco Quevedo da Silva e pimenta recheada à moda do Alex Airosa. Na época, a coordenação das aulas e elaboração das […]

Procissão do Corpo de Deus em Macau

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau) As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no […]

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto. Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus […]

%d blogueiros gostam disto: