Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

São Paulo 459 anos: a antiga Igreja de Santo Antônio no centro

Igreja de Santo Antônio, localizada na Praça Patriarca, centro de São Paulo

Igreja de Santo Antônio, localizada na Praça Patriarca, centro de São Paulo

São Paulo comemora 459 anos no dia 25 de Janeiro de 2013.  Para celebrar a data, este blog vai contar em imagens e nas palavras da Wikipédia, a história desta pequena igreja em pleno centro histórico de São Paulo, que muitos paulistanos, até como eu, já entraram nela mas não necessariamente observaram seus ricos detalhes.

Se observar bem seus três ricos altares, dá uma sensação de estar em Ouro Preto pelos seus detalhes dourados, além do teto, e o respeito que se impõe no seu ambiente religioso em meio à agitação do degradado centro de cidade e a migração parcial da cracolândia para a Praça Patriarca, onde se encontra localizada.

Embutida entre prédios, que nem lhe cederam um espaço que contornasse a igreja, dando um destaque exclusivo na paisagem, a singela igreja procura contar a sua história de 421 anos, que poucos a conhecem, quase o mesmo tempo em que os portugueses chegaram à longínqua Macau, minha terra natal,  na China.

Sem delongas, vamos ao que interessa:

Rua Direita, em fotografia de Militão de Azevedo, de 1862. Ao fundo, vê-se a torre da Igreja de Santo Antônio. (fone Wikipedia)

Rua Direita, em fotografia de Militão de Azevedo, de 1862. Ao fundo, vê-se a torre da Igreja de Santo Antônio. (fonte Wikipedia)

IGREJA DE SANTO ANTÔNIO – SÃO PAULO

texto publicado na Wikipédia

A Igreja de Santo Antônio é um templo católico localizado no centro de São Paulo, na Praça do Patriarca, próximo ao Viaduto do Chá. É considerada a mais antiga igreja remanescente da cidade, tendo sido fundada nas últimas décadas do século XVI – conforme atestam os primeiros registros documentais da sua existência, datados de 1592. No século XVII, abrigou a Ordem dos Franciscanos, e no século XVIII esteve subordinada à Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Brancos. Sofreu diversas reformas e intervenções ao longo dos últimos quatro séculos, sobretudo em sua fachada, reinaugurada em estilo eclético em 1919.

O interior da Igreja de Santo Antônio conserva importantes testemunhos da arte produzida em São Paulo no período colonial. Durante a restauração levada a cabo em 2005, descobriu-se no forro do altar-mor pinturas murais seiscentistas de alta qualidade técnica e artística, as mais antigas de que se tem notícia em São Paulo. Também o altar principal, executado em 1780, é um belo exemplar da talha barroca. A igreja é tombada pelo poder público estadual (Condephaat) desde 1970, em virtude de sua importância histórica, artística e arquitetônica

o interior da igreja visto logo na entrada

o interior da igreja visto logo na entrada

Histórico

A Igreja de Santo Antônio é considerada a mais antiga dentre as igrejas remanescentes de São Paulo. Sua data de fundação, no entanto, é incerta. A mais remota referência ao templo comparece no testamento de Afonso Sardinha, datado de novembro de 1592, em que o bandeirante lega a quantia de dois cruzados para a “ermida de Santo Antonio”, o que leva a supor que sua construção é anterior a essa data. Tratava-se então de uma pequena capela, erguida por fiéis anônimos, ao término da rua hoje conhecida como Direita.

As informações sobre a capela de Santo Antônio só se tornariam mais precisas a partir de 1638. Nesse ano, a ermida passa por sua primeira reforma. No ano seguinte, chegam a São Paulo os primeiros frades da Ordem dos Franciscanos, vindos do Rio de Janeiro, e instalam-se na ermida, incumbindo-se de suas tarefas. Mesmo após a construção do convento da ordem, erguido no Largo São Francisco entre 1642 e 1647, os franciscanos continuam a zelar pela capela e a mantê-la em funcionamento.

o altar mor com a imagem de Santo Antônio com Menino Jesus

o altar mor com a imagem de Santo Antônio com Menino Jesus

Em 1717, a capela passa por nova e grande reforma para ampliar suas instalações, empreendida pelo primeiro bispo de São Paulo, Dom Bernardo Rodrigues Nogueira, com a ajuda dos devotos. Em função do aumento do edifício, praticamente reconstruído, a ermida é elevada à categoria de igreja nesse mesmo ano. Uma terceira reforma seria levada a cabo em 1747. Em 1774, é fundada a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Brancos, que assume a administração do templo e o transforma em sua sede. Menos conhecida e muito menos influente no período colonial do que a Irmandade dos Homens Pretos, a confraria seria responsável por outras modificações que alterariam profundamente as feições da fachada da igreja.

Igreja Santo Antonio.S.Paulo (05)

Em 1891, um incêndio ocorrido em um edifício vizinho danificou e consumiu parte da igreja. No final da mesma década, em 1899, a prefeitura intimou a irmandade a proceder à demolição e reconstrução da torre e da fachada, devido às obras de alinhamento da rua Direita. As obras foram custeadas por Francisco Xavier Pais de Barros, o barão de Tatuí, e pelo conde de Prates, ambos residentes nas imediações do templo, ainda antes da construção do Viaduto do Chá. As obras se arrastaram por vários anos, e incluíram uma reforma geral da igreja, reinaugurada com nova fachada em estilo eclético, em 1919.

Apesar das inúmeras reformas e intervenções realizadas ao longo dos séculos terem descaracterizado a integridade artística e arquitetônica do templo, a Igreja de Santo Antônio foi tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat) em 1970, em virtude, sobretudo, de sua importância histórica. Em 1991, um novo incêndio danificou os fundos do edifício.

o teto central da igreja

o teto central da igreja

Restauração e elementos artísticos

Em janeiro de 2005, com recursos providos pela Lei de Incentivo à Cultura, tiveram início as obras de restauro da Igreja de Santo Antônio, em que se procurou recuperar as feições barrocas do interior da igreja. Durante os trabalhos, executados sob a supervisão do Condephaat, foram retiradas as talhas executadas no século XX que encobriam os retábulos, e restauradas pinturas datadas do século XVII, com representação de anjos. O altar-mor, de 1780, também foi restaurado, voltando a exibir as matizes utilizadas no barroco paulista, em que predominam o vermelho, o amarelo e o dourado.

altar lateral esquerdo

altar lateral esquerdo

Prospecções realizadas no forro do altar-mor revelaram a existência de uma pintura seiscentista de boa qualidade técnica e artística, que resistiu aos incêndios de 1891 e 1991. As camadas de tintas que cobriam a pintura deverão ser retiradas, permitindo sua plena visualização. É provável que se trate do afresco mais antigo da cidade, sendo um raríssimo exemplar da pintura autônoma praticada em São Paulo durante o período colonial.

Igreja Santo Antonio.S.Paulo (06)

altar lateral direito

o teto do altar mor

o teto do altar mor

Igreja Santo Antonio.S.Paulo (13)

clicar nas imagens para aumentar

Igreja Santo Antonio.S.Paulo (16)

Fé: Há pouco tempo atrás, estava à procura de um documento. Não achava de jeito nenhum e até estava a ficar desanimado, no entanto tal documento precisava ser achado.  Lembrei-me de Santo Antônio, também conhecido por ajudar a achar coisas perdidas. E se quiserem acreditar, logo o achei num lugar que não imaginava.  Ontem, fui levar a minha contribuição e aproveitei para fazer estas fotos e a divulgação. E, não é a primeira vez que alcanço a graça.

Anúncios

2 comentários em “São Paulo 459 anos: a antiga Igreja de Santo Antônio no centro

  1. Antonio
    16/02/2015

    Parabéns Rogério!
    Que belo documentário!
    Estive lá à dois dias dia 14/02/2015 e fiquei encantado ao encontrar aquela que pode ser a igreja mais antiga de São Paulo ,e pesquisando encontrei sua matéria, sendo que a prefeitura recentemente coloca uma placa onde as primeiras referencias a ela datam de 1592, conforme sua grandiosa pesquisa, se precisar tenho a foto.
    Agradeço pela contribuição de grande valia no contexto histórico e educacional.
    Obrigado,
    Grande abraço

    As:
    Antonio Rodrigues

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 722,909 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: