Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Museo Chileno de Arte Precolombino, em Santiago do Chile

Museo Chileno de Arte Colombino, em Santiago do Chile

Museo Chileno de Arte Colombino, em Santiago do Chile

Um livro de guia de viagens dizia “um museu de dar inveja aos faraós”. O mais famoso de Santiago, capital do Chile, possui no seu acervo dezenas de múmias chinchorros, que eram um povo de pescadores que viveu no norte do Chile e Sul do Peru há mais de sete mil anos. Muitas múmias são mais antigas que as egípcias.

O prédio de estilo neoclássico onde se encontra instalado o Museu foi construído em 1807, tendo como arquiteto, o italiano Joaquin Toesca, o mesmo que projetou o Palacio de la Moneda que é a sede do governo chileno.  Está classificado como Monumento Nacional desde 1960.

O seu acervo inclui esculturas maias, cerâmicas milenares, obras de arte de prata e cobre, peças dos povos de diversas culturas indígenas americanas antes do século XVI, da Mesoamérica (norte do México) para o sul dos Andes, além da região amazônica.

(fotografia de/photos by Rogério P.D. Luz – 2010)

*fontes de consulta: site oficial do museu, Turistic Chile e coleção Viagem e Turismo de bolso

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (21)

Visitei o museu em Setembro de 2010 após assistir a troca de Guarda além de conhecer o Palacio de la Moneda.  Passeando pelo interessante centro de Santiago, o prédio estava no caminho para a Catedral Metropolina na Plaza de Armas. É muito interessante pelo seu acervo que nos conta a vida dos antigos povos indígenas.  Porém se o visitar em 2013 certifique-se se já foi reaberto, pois constava do site oficial do museu – http://www.precolombino.cl/ – que estava fechado para reforma.

Uma múmia chinchorro

Uma múmia chinchorro

As múmias chincorros são conhecidas como a forma mais antiga de preservação de cadáveres humanos. Os chinchorros, como dito acima, eram um povo de pescadores que viveu no norte do Chile e Sul do Peru. Após retirarem os órgãos internos dos cadáveres, enchiam-nos com galhos, folhas e barro, e em seguida juntavam as partes dos corpos novamente colocavam uma máscara, como na foto, e pintavam tudo com ocre vermelho. Ao contrário dos egípcios, os chinchorros mumificavam crianças, homens e mulheres, sem distinção da classe social.

O Palacio de la Real Aduana (Palacio de la Real Casa de Aduanas o Palacio de la Aduana), posteriormente conhecido como Palacio Viejo de los Tribunales (o Palacio de los Tribunales Viejos), é um edifício construído entre 1805 e 1807. Em 1969 foi declarado "Monumento Histórico de Chile". Desde 1981 albriga o  Museo Chileno de Arte Precolombino. (fonte e foto> Wikipedia)

O Palacio de la Real Aduana (Palacio de la Real Casa de Aduanas ou Palacio de la Aduana), posteriormente conhecido como Palacio Viejo de los Tribunales (ou Palacio de los Tribunales Viejos), é um edifício construído entre 1805 e 1807. Em 1969 foi declarado “Monumento Histórico de Chile”. Desde 1981 abriga o Museo Chileno de Arte Precolombino. (fonte e foto> Wikipedia)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (02)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (11)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (14)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (15)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (20)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (19)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (24)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (23)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (08)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (05)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (04)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (09)

Santiago-Museo Chileno Arte PreColombino (18)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 890.866 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Imagens que trazem saudosas lembranças daquela Macau que não existe mais, mas que permanece viva na nossa memória e nas fotografias a seguir publicadas de forma aleatória, a procurar dar uma descrição a confirmar ou corrigir. O que vale mesmo é o que se diz – recordar é viver! As fotos são dos anos 50 […]

Memórias de Macau de Todos os Tempos (01)

Nesta postagem do que poderia chamar de uma série “Memórias de Macau de Todos os Tempos”, remetendo-me a um vídeo que publiquei no YouTube (vide no final), publico umas fotos antigas recolhidas ao acaso do meu extenso acervo, ora já publicadas no site (inativo) do Projecto Memória Macaense, ou não, e também já republicadas por […]

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

%d blogueiros gostam disto: