Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Igreja da Ordem Terceira de São Domingos de 1731, em Salvador, Bahia

A Igreja da Venerável Ordem Terceira de São Domingos de Gusmão tem fachada em estilo rococó

Localizada no Largo do Terreiro de Jesus no Pelourinho, em Salvador, defronte à Catedral Basílica noutro lado da praça, a Igreja da Venerável Ordem Terceira de São Domingos de Gusmão começou a ser construída em 1731.

Na porta da Igreja São Domingos, no lado oposto do Largo do Terreiro, em obras na ocasião, a Catedral Basílica de Salvador. À direita, a Igreja de São Pedro dos Clérigos.

A igreja pertence à Venerável Ordem Terceira de São Domingos de Gusmão que foi fundada em 1723 na Bahia, completando 296 anos da sua existência em 1º de novembro de 2019. Foi restaurada e entregue em 2018 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) que executou as obras com os recursos do PAC Cidades Históricas. Foi a maior reforma do templo após cinco décadas, que tem fachada em estilo rococó e o seu interior possui talha neoclássica substituindo a primitiva talha barroca.

O altar-mor e o seu interior que possui talha neoclássica substituindo a primitiva talha barroca

De acordo com o site do IPAHN: ” a Igreja passou pela mais completa restauração, desde 1967, que incluiu os bens integrados e seu importante acervo de arte sacra. Os espaços internos foram requalificados com a promoção de melhorias para garantir acessibilidade universal ao monumento. As obras também adaptaram os salões laterais do pavimento superior e a área de dois casarões vizinhos, criando espaço para cerimônias e eventos, visando proporcionar a sustentabilidade econômica do monumento”.

QUEM FOI SÃO DOMINGOS DE GUSMÃO?

(Fonte: Canção Nova em “O Santo do Dia”)

Santo do Dia

São Domingos de Gusmão

Neste dia lembramos aquele que, ao lado de São Francisco de Assis, marcou o século XIII com sua santidade vivida na mendicância e no total abandono em Deus e desapego material.

São Domingos nasceu em Caleruega, na Castela Velha em 1170, Espanha, e pertencia à alta linhagem dos Gusmão. O pai, Félix de Gusmão, queria entusiasmá-lo pelas armas; o menino preferia porém andar com a mãe, Joana de Aza, grande esmoler, e com clérigos e monges. Interessante é que antes de Domingos nascer sua mãe sonhou com um cão, que trazia na boca uma tocha acesa de que irradiava grande luz sobre o mundo. Mais do que sonho foi uma profecia, pois Domingos de Gusmão, de estatura mediana, corpo esguio, rosto bonito e levemente corado, cabelos e barba levemente vermelhos, belos olhos luminosos, não fez outra coisa senão iluminar todo o seu tempo e a Igreja com a Luz do Evangelho, isso depois de se desapegar a tal ponto de si e das coisas, que chegou a vender todos os seus ricos livros, a fim de comprar comida aos famintos.

São Domingos de Gusmão, relicário na altura do peito (pedaço de osso) época provável Século XIX

 

Homem de oração, penitência e amor à Palavra de Deus, São Domingos acolheu o chamado ao sacerdócio e ao ser ordenado (no ano de 1203 em Osma, onde foi nomeado cônego). No ano de 1204, Domingos seguiu para Roma a fim de obter do Papa licença para evangelizar os bárbaros na Germânia.

No entanto, o Papa Inocêncio III orientou-o para a conversão dos Albigenses que infestavam todo o Sul da França com suas heresias. Desta forma, Domingos fez do sul da França, o seu principal campo de ação. Quando os hereges depararam com a verdadeira pobreza evangélica de São Domingos de Gusmão, muitos aderiram à Verdade, pois nesta altura já nascia, no ano de 1215 em Tolosa, a primeira casa dos Irmãos Pregadores, também conhecidos como Dominicanos (cães do Senhor) que na mendicância, amor e propagação do Rosário da Virgem Maria, rígida formação teológica e apologética, levavam em comunidade a Véritas, ou seja, a verdade libertadora.

São Domingos de Gusmão entrou no Céu com 51 anos e foi canonizado pelo Papa Gregório IX, em 1234.

São Domingos de Gusmão, rogai por nós!

Igreja da Venerável Ordem Terceira de São Domingos de Gusmão – Salvador – BA

Fotografia de/photos by Rogério P D Luz

De 1873 a 1888, quando sofreu reformas, foi aberto uma claraboia no altar-mor

São José – época provável Século XVIII

São Gonçalo de Amarante – época provável Século XVIII

Santa Catarina de Sena – época provável Século XVIII

Santa Rosa de Lima – época provável Século XVIII

O teto ilusionista da nave é obra de autoria do mestre José Joaquim da Rocha. Segundo relatos, o que está na iconografia é a representação de São Domingos, fundador da ordem dominicana, e São Francisco recebendo Jesus Cristo e todos os ensinamentos do Filho de Deus (Gaudium Press/Arquidiocese de Salvador)

A

A SACRISTIA E SALAS COM EXPOSIÇÃO DE ARTE SACRA

 

Nossa Senhora do Carmo – época provável Século XVIII

Texto do quadro: “S. Domingos ressuscitando a hum cavalheiro romano sobrinho de hum Cardeal, o caindo de hum cavallo ficou morto”.

Nossa Senhora das Dores – época provável Século XIX

 

São Martinho de Vila – época provável Século XIX

Direita: São Francisco, época provável Século XIX / esquerda: São Domingos de Gusmão, relicário na altura do peito (pedaço de osso) época provável Século XIX

São Tomáz de Aquino – época provável Século XVIII

Santa Cecília – época provável Século XIX

Santa Paula – época provável Século XIX

Nosso Senhor dos Passos – época provável Século XIX

Nossa Senhora da Boa Morte – época provável XIX

Menino Jesus de Praga – época provável Século XIX

Pedro II Imperador do Brasil – época provável Século XIX

Pia de Água Benta – época provável Século XIX

Cristo Crucificado – época provável Século XVIII

  • Fontes de consulta e textos: Canção Nova, Bahia-Turismo, Gaudium Press, IPHAN e BahiaJá
  • Legendas das fotos de acordo com as etiquetas da própria Igreja nas imagens.

2 comentários em “Igreja da Ordem Terceira de São Domingos de 1731, em Salvador, Bahia

  1. Iton
    17/02/2020

    Achei muito interessante atualmente esta sua postagens. Parabéns!
    Charadas engraçadas com resposta

Deixe uma resposta para blog Crónicas Macaenses Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.441.287 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: