Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Sentimentos macaenses diferentes

No Encontro ouvi um macaense que partira de Macau em 1967 e nunca mais retornou. São 40 anos fora de casa. Outro que já voltou algumas vezes e tem lá a sua mãe e irmão ainda a residir por lá.
O primeiro dizia que aquela Macau não era mais a Macau dele. Estava decepcionado que tudo tinha mudado tão radicalmente. Tudo era diferente de há 40 anos atrás.
O outro dizia que se sentia orgulhoso por Macau ter alcançado tamanho progresso.
Penso que devem haver outras tantas variadas opiniões. Quem está certo? Acho que ambos. Vai do sentimento de cada um.
Quanto ao primeiro, percebe-se em muitos que não mais retornam a Macau por julgar que aquela não é mais a cidade que viveu e tem no coração. Daquelas ruas tranquilas, pouca gente. Não encontram mais elo com os velhos tempos. Muitas edificações já lá não estão mais, etc.
Sobre o outro, é do tipo que ainda consegue sentir o ambiente da sua terra. Adepto à modernidade, fica orgulhoso em ver tantas construções e riqueza, porém a cidade ainda a manter algo provinciano apesar da pressa e do corre-corre dos habitantes.
O que penso? Surpreendo-me e fico também orgulhoso em ver a modernidade. Lembro-me quando jovem, ficava admirado com aquele prédio caixa-de-fósforo, ao lado do Hotel Sintra. Achava aquilo a modernidade de Macau. Porém assusto-me com o congestionamento de gente pelas ruas. Nossa, é gente demais que até dá uma certa claustofobia. Em São Paulo também é assim, mas os espaços são grandes. Macau ainda continua pequena com ruas estreitas e apertadas.
Encontro ainda algumas construções que me ligam ao passado, embora um tanto superficial, como a Rua Nova São Lázaro onde nasci, O Seminário São José, a minha escola, as Igrejas, especialmente São Lourenço, onde fiz a minha primeira comunhão. É um elo que se sente mas que passa rápido. O ambiente do entorno é diferente e distrai o elo.
Noutra postagem irei falar um pouco mais disso com algumas imagens que fiz, à procura do meu elo com o passado.
No entanto, sei que gosto de ir a Macau. Ainda a sinto do jeito como está, algo parecido com a minha terra, porém com algum bom esforço. Às vezes, paro e fico a imaginar com os meus botões. Será que nasci e morei aqui? Procuro sentir, às vezes sinto um pouco, às vezes não sinto. Talvez pelo bom tempo vivendo fora da terra natal. Mas é bom estar em Macau por um tempo determinado, pois voltar a morar por lá, penso, será muito difícil. Afinal, moro há 40 anos num País enorme como o Brasil, onde espaço não falta. Mesmo assim, o sentimento que me leva a divulgar a minha terra no PMM, não muda e continua tal qual como está.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 21/12/2007 por em Macau-hoje, Macau-memórias.

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.019.720 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

A relembrar a aula de gastronomia realizada na Casa de Macau de São Paulo em 24/02/2008, ministrada pelos chefs João Bosco Quevedo da Silva e Herculano Alexandre (Alex) Airosa, seguem as fotos e receitas de camarões grandes recheados com ervas à moda de João Bosco Quevedo da Silva e pimenta recheada à moda do Alex Airosa. Na época, a coordenação das aulas e elaboração das […]

Procissão do Corpo de Deus em Macau

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau) As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no […]

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto. Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus […]

%d blogueiros gostam disto: