Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

A nossa Língua Portuguesa tão sofrida

Estava a dizer que faria aqui os comentários do Encontro. Ainda não os fiz e andei meio ausente daqui, mas farei.

O que me leva a vir aqui com uma nova postagem, é o que viram no quadro “um apoio, um apelo” no meu portal Projecto Memória Macaense.

Talvez muitos me perguntam do motivo de apegar-me tanto na defesa da língua portuguesa no nosso meio macaense.

Vem de longe meus amigos e minhas amigas !!! Penso que “ser macaense” ou fazer parte da comunidade macaense, é antes de tudo, reconhecer e respeitar as nossas origens.

Como falar que as defende, que luta para preservá-las, que se preocupa com a continuidade das nossas tradições e cultura, sem falar no tão falado, continuidade das Casas de Macau, se, a primeira coisa que se faz, é dar um “tiro” na sua principal origem, a língua portuguesa falada pelos portugueses que chegaram a Macau, há cerca de 440 ou 450 anos (tanto faz)? Estariamos sendo honestos quando batemos no peito e falamos tais coisas?

Por outro lado, vejo um contraste e tanto, até penso que andamos na contramão no curso da política da RAEM, isto é, da RPC.

Vimos acontecer na RAEM ou Macau, como queiram, mas neste caso, seria a RAEM mesmo pela situação política do evento, os 1ºs Jogos da Lusofonia em 2006. Isto não aconteceu na administração portuguesa, mas sim, nos novos tempos de Macau, pós transição. Estive lá e como relatei numa outra postagem, na sala de imprensa no Estádio de Macau, assisti a uma conversa entre dois jovens chineses, em português, num esforço para praticar a fala da nossa língua. Comentava orgulhoso um deles “nós macaenses …”. Emocionei-me ao ver o esforço do jovem que parecia pensar, “se falo português, posso me considerar macaense” (não precisava disso, meu caro jovem, pensava comigo). Ainda comentava ele que lamentava que, em Macau, havia pouco interesse da população em aprender o português, coisa que não acontecia na RPC, no continente.

De facto, leio nas notícias que há um grande interesse na China para o aprendizado do português, dado às iniciativas do País em desenvolver relações comerciais ou não, com Países de Língua Portuguesa.
Agora pensem comigo, os chineses se esforçam para aprender o português para poderem se entender com os Países Lusófonos, e nós macaenses ??? O que fazemos com a nossa língua portuguesa? O que fazemos para retribuir ao nobre gesto da RAEM de manter a língua portuguesa como a 2a. língua oficial da cidade? Qual o nosso esforço para retribuir a uma Nação que soube apoiar os nossos Encontros, coisa que nunca esperavamos, e essa Nação, a RPC, procura estreitar relações com Países que falam o português, no Brasil, são cerca de 200 milhões ???
Será que certa ala de macaenses não estão na contramão das iniciativas da RPC, quando sugerem que se deixe de falar o português para certas conveniências? E depois vamos pedir apoio da RPC às nossas iniciativas, quando não apoiamos as dela com certos gestos? Será que não está aí a falta de alguma coerência? Será que estamos cometendo o nosso suicídio? Será que os próprios macaenses não estariam procendendo para a extinção da sua raça? Não falo de forma genérica, pois sei que muitos compartilham com as minhas preocupações e questionamentos.
Estas questões passam pela minha cabeça e tenho as minhas respostas, que prefiro não torná-las públicas.

Assim, um apelo meu! Respeitem a nossa língua portuguesa! Procurem soluções, mas não aquela de exterminar o português de eventos que, pasmem, procuram transmitir aos jovens a nossa cultura, as nossas tradições, as nossas origens, etc., mas na contramão, dizer a eles que a língua é o que menos importa e que seja aquela que mais convém. Pois não basta aqueles “pobres” jovens falantes do português, e que não dominam o inglês, ficar a chupar os dedos e procurar entender o porque do desprezo da sua língua nativa em eventos de 2007.
Infelizmente, não posso fechar os olhos e dizer “deixa pra lá, não esquente a cabeça”, se ouço comentários a respeito. Não se pode pensar que Portugal e Brasil são países (onde se fala o português) de 3º mundo, portanto …, pois a RPC não pensa assim !!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 07/02/2008 por em Língua Portuguesa, MACAENSES.

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.302.711 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: