Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Macau à vista – Encontro 2010

Atenção senhores “navegantes” – Macau à vista!!! Talvez devesse assim ser anunciado nos alto-falantes do turbo jet que transportava este macaense residente no exterior, “da diáspora” o tal nome técnico não muito simpático, que retornava à sua terra natal, desde a sua última visita em Agosto de 2008. Aliás, aquela visita para acompanhar o pessoal da TV Globo para pesquisas e preparação para as gravações de cenas (decepcionantemente curtas) da novela Negócio da China, infelizmente, que pouco agradou.

Com Macau a surgir no meio da névoa que insiste em marcar a sua presença em Macau e Hong Kong, muito ruim para fotografia, procuro logo a atualizar o panorama de minha terra. Vejo uma nova construção em forma similar a um 1/2 ovo, perto do Casino MGM, alguns prédios novos, uma espécie de torre no morro da Guia. Procuro adivinhar o que são. Fica a dúvida! O Farol da Guia, então, não serve aos navios que se posicionarem atrás de alguns prédios mais altos, a tamparem a sua luz. Fica valendo nestes casos a iluminação dos casinos!

Tenho umas manias de tradições, coisa simples, mas o restaurante do Pák Ká Piu é um ponto prioritário. Sei que existem melhores, mas algo liga-me a ele. Torna-se o primeiro roteiro. Aí o van tan min matou as saudades. Mas o cansaço da extenuante viagem mandava-me voltar ao hotel.

Outra tradicional visita prioritária é a cantina da APOMAC. Tenho comigo que sempre que visitar Macau, tenho que ter pelo menos uma refeição por lá. A gente sente-se em casa no seu ambiente acolhedor.

Os pratos Galinha de Macau ou Galinha Portuguesa e o Pato a Cabidela, repartidos entre eu e a minha esposa Mia, fizeram a sua parte para matar as minhas e nossas saudades, pois a brasileira Mia adora Macau e cá esteve 6 vezes. Deliciosos! O cordial e ex-colega do Seminário de São José, Francisco Manhão, um dos seus principais fundadores, prestou-se a nos apresentar a APOMAC por completo, onde pudemos conhecer o importante e excepcional trabalho da entidade que agrega cerca de 1.700 associados. Assistia-nos nas apresentações médicas o enfermeiro e também antigo aluno do Seminário (olha a minha escola de novo), o Francisco Assis.

Ainda na APOMAC que falarei mais em postagens posteriores, matei a curiosidade para saber quem era o responsável pela cozinhação macaense, que não atrai só os macaenses mas a população chinesa, até o Chefe do Executivo, assim explicava o Henrique “Átchô” Baptista. “A minha irmã Victória Baptista”, assim dava início a uma detalhada explicação desta actividade gastronómica explorada pelos Baptista. Foi uma boa conversa que também abordarei em postagem posterior.

O Santos que foi da Polícia Marítima, também se prestava a colaborar para mostrar uns pratos especiais, ah … de encherem os olhos … casquinhas de caranguejo … huuummm !!! Mas, atenção, só sob encomenda, alerta o Átchô (desculpe-me, mas acho que assim se escreve o seu alcunha), que também, orgulhoso, dizia que ser o prato predileto do Chefe do Executivo.

Outro macaense presente era o Daniel Ferreira (também ex-Seminário), que tanto fez rir a minha esposa com as suas histórias pessoais recheadas de bom humor. Tivemos uma boa conversa, que também procurarei reproduzir em postagem posterior, a falar da sua vida pessoal até a tal curiosidade que tinha sobre uns rumores sobre a fundação de uma cidade para os macaenses “no Brasil” !!!

Já lá passava das 9 da noite quando deixava a APOMAC, após uma convivência macaense e com um sentimento que fazia o papel inverso de reportagem do Encontro, quando ao invés dos repórteres locais que entrevistam os romeiros da diáspora, eu, nessa última situação, a entrevistar os macaenses residentes, embora a rigor não sou nenhum repórter, apenas um curioso que tem um site e blog macaense, e eventualmente escrevo para o Jornal Tribuna de Macau. Mas percebi a importância de falar da nossa gente que reside em Macau. Pena que pouco posso fazer pois moro no outro lado do mundo, e só nas minha esporádicas visitas a Macau, é que posso fazer este trabalho. Ficava a pensar que talvez alguém, um residente, pudesse colher tantas histórias interessantes que dava até um bom livro. Temos que falar de nós e os residente podem contribuir com boas crónicas.

Assim, alguns tópicos dos meus 2 primeiros dias vividos em Macau, que procuro postar assim que a cara internet do hotel permitir. Aliás muito caro o serviço oferecido, que só é gratuito no recinto do restaurante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 26/11/2010 por em Encontro-Macau-2010 e marcado .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.262.561 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: