Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Um dia de gastronomia – Encontro 2010

No seu 6º dia de atividades, 2 de Dezembro foi o dia recheado de gastronomia macaense. Logo cedo, às 9 e tal, o autocarro/bus já nos levou para Mong Há onde se realizaria a conferência. Com uma boa platéia, pouco maior que a do patuá, pude comprovar que a gastronomia de um modo desperta mais atenção, pois afinal mexe com um dos maiores prazeres do ser humano. Comer! Saboerar! Deliciar!

Já lá as palestrantes macaenses nos trouxeram boas lembranças do passado, a falar de muitos pratos que provocaram delírios na platéia, com o representante da confraria do Algarve a apresentar um video turistico da região, mais focado no natureza. O Luís Machado ficou muito à vontade para comandar a conferência, embora incomodado, como a maioria, pelos telefones móveis/celulares que insistiam marcar presença. Por outro lado, senti um otimismo um pouco maior nesta preferência nacional macaense, para a sua classificação como Património Intangível da Unesco. Pareceu-me que tem melhor base e estrutura de apoio para esta finalidade. Vamos torcer para que a iniciativa seja bem sucedida.

Depois dos participantes enfrentarem uma pequena subida íngreme, os participantes na maior parte com certa idade, alcançaram o restaurante do Instituto de Formação Turística. Todos vivos, mesmo que a batida de coração tenha aumentado um bocado! O almoço no lugar onde se aprende a arte de cozinhar, merece todos os elogios. Um dos melhores sabores experimentados em Macau. Penso que não é à toa que desfruta de boa fama no Oriente!

À noite, a recepção foi novamente no monumental Hotel Grand Hyat, ao lado desta City of Dreams que ainda preciso conhecer, embora lá sei se vai dar tempo. Alegrava os olhos ver o desfile dos confrades da gastronomia com seus trajes típicos. O salão encheu-se de gente!

Foi muito interessante ver toda a cerimónia das confrarias que devem ter lido nos jornais. Só fiquei um pouco preocupado, quando muita gente estava no palco para a parte final quando “assinavam em baixo” os acordos. Talvez mais de 50! Pensava que se a base iria resistir, mas ainda bem que tudo deu certo e a estrutura era resistente e bem montada.

aguarde por mais fotos da festa ...

 

Achei interessante os restaurantes Long Kei, Fat Siu Lau e Solmar serem conferidos com o título de confrades extraordinários. Merecem pela tradição de seus nomes e lugares.

Agora enquanto estava na fila da comida, iniciou-se a programação com o grupo de dança folclórico português com muitos rostos orientais. Até conseguir chegar na minha mesa e apanhar a minha câmera fotográfica e de video, o grupo despedia-se. Foi uma pena!

Na verdade, antes já assistimos a um “show”. Um confrade da CEUCO a cantar o hino deles. Um soprano com uma voz que até podia quebrar um copo de vidro. Bela apresentação que merceu muitos aplausos.

Em seguida, José Luís Pedruco Achiam cantou a canção tema da peça em patuá do Dóci Papiaçam (que era aguardado para o Encontro mas acabou cancelado). Uma excelente performance que aponta um dos novos talentos musicais macaense.

A Elsa Denton apareceu no palco com 2 dançarinos e fez o seu 2º show. Aliás foi acertado que os artistas fariam no máximo 2 apresentações, salvo uma exceção ou outra. A Elsa é eficiente no palco, que até me perguntaram se ela era profissional. Ficou a pergunta sem resposta!

Com o seu teclado situado no meio do palco, Armando Santos também apresentou-se pela 2ª vez. Pensei que ele iria lançar o seu novo cd. No entanto, ouvimos novas interpretações do Armando que sempre nos agrada.

Já a Tuna Macaense com sua roupagem preta no lugar do vermelho, também apresentava-se pela 2ª vez. A Tuna dispensa comentários. São profissionais com qualquer formação.

E enquanto estava a fotografar e também participar do grupo de ex-moradores de São Lourenço, a Ramana Vieira junta-se à Tuna e canta “Macau” (de Rigoberto Rosário Jr.), num tom baixo e um tanto diferente em certas entonações principalmente nas partes finais de certos trechos da canção. Em tempo consegui filmar a apresentação. Ouvi dizer, e concordo, uma das melhores interpretações de Macau já ouvidas. Depois com toda a justiça, cantou outras canções com a sua bela e possante voz. Justiça porquê? Lembrem-se que noutra postagem falei que ela cantou sem acompanhamento musical? Para cumprir o seu compromisso, coisa que pouco artista aceitaria fazer!

Relembrando os anos dourados de 60, finalmente aparece o Michael Remedios (sem acento no “e”) e seu ressuscitado conjunto The Mystics. Cantou umas canções antigas que tanto queriamos ouvir e também outros sucessos. Muito bom!!! E foi a última apresentação do dia.

Como já se tornava habitual, o povo saia antes do final do show dos The Mystics, pois aquele velho anúncio que os autocarros/bus já estavam disponíveis para nos levar ao hotel, era o sinónimo de fim de festa!!! E o povo todo já se apressava para não perder o bus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.464.200 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: