Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Bandas de Macau anos 60 e 70

Os “Flipsiders” em 1963/64: Domingos Duque, Mario Pistacchini, Pinto Marques e Frederico Ritchie

FALAR DE BANDAS

Cecília Jorge – Revista Macau Agosto 1998

Foram muitas as “bandas” que entretiveram os jovens “musicais” dos anos 60 e 70, mais precisamente entre 1963 e 1970. E grande é a dor de cabeça de quem tenta traçar-lhes os contornos, as glórias, ou o rumo.  Grupos houve que “não tiveram tempo ou hipóteses de se afirmarem, sequer de se tornarem conhecidos, por causa das desavenças internas” — refere um dos integrantes, que até hoje prefere não ser citado para “não se meter em alhadas”. Pequenos conflitos que despertavam zangas entre adolescentes, sobretudo quando estavam em causa predilecções e níveis de popularidade, eram razão bastante para, literalmente, “desbandar” o grupo. Susceptibilidades aparentemente feridas, estando tudo a postos para a actuação, eram motivo suficiente para se desligarem amplificadores e tudo largar, mormente um espectáculo.

Mas para todos é hoje divertido recordar tempos em que rivalidades, a alimentar “guerrinhas”, levavam à montagem de redes baseadas em ligações de parentesco e em vésperas de concursos e festivais, se piratarem letras e arranjos musicais. Grupos havia que nos ensaios se fechavam a sete chaves em garagens ou se isolavam nos terraços para impedir tal “espionagem musical”.

Num plano de amadorismo generalizado, conjuntos que tivessem maior capacidade financeira e condescendência paterna, tinham melhor acesso à variedade, à qualidade e actualização, em discos e revistas da especialidade, e portanto ao ensaio das canções mais em voga.

De alguns não se falou, ou pouco se escreveu, precisamente porque, como Rigoberto do Rosário Jr. refere, é tarefa árdua e vã arrumá—los.  Cronologia dos factos e exactidão nos nomes apresentam-se pouco fidedignos, quando se trata de agrupamentos em Macau. E a opinião é consensual, tanto quanto confirmámos.

Mas recordemos os “Telecasters ”, que entre 1963-67 incluiram Fausto Carlos como baterista, Sonny Borges (viola-baixo), Armando Lopes (viola-ritmo, ou acompanhamento), Alberto Amante e, mais tarde, Luís Garcia.

Os “Young Ones” integraram Mário Pistacchini Jr., António Marinho além de Sonny Borges e Luís Garcia.  Os “Heartbeats”: António Lagariça, Alberto Amante, Alfredo Badaraco, Fausto Carlos e Carlos Pereira. Qualquer um deles terá participado noutros agrupamentos.  “Flipsiders” e “New Flipsiders”, sucederam-se em sete anos até alguns dos elementos mais marcantes rumarem a Portugal e ao Brasil.

Délio Silva, num improviso com Herculano Airosa e Domingos Duque

Frederico Ritchie (Pau Pau) um dos fundadores dos “Flipsiders” em 1964 (com Pistacchini, Domingos Rosa Duque e Carlbert Pinto Marques) defende como melhor formação a terceira, mais ou menos de 1967 a 1969, quando deviam a fama ao estilo vanguardista e desinibido da banda que integrava José Manuel Rodrigues como vocalista, Pau pau (contrabaixo), João (Jingo) Barros (viola-ritmo), Victor Marques (baterista), e um guitarrista-solo indonésio, o A-Chông.  Estrearam-se em 1967 em Hong Kong no “Top of The Pops Show”. Daniel Ferreira integrou a segunda formação que, além de Frederico e seu irmão Alberto Ritchie (Manga), contava Joe Lewis.

Pelo “New Flipsiders” passaram ainda Francisco Borralho, José Badaraco, Jorge Botelho e Johnny Fung.  José Manuel Rodrigues (“Joe” para as fãs de Hong Kong) partiu em 1971 para Lisboa, rumo à Faculdade de Direito, de onde regressou como advogado. Fred Ritchie, emigrado nesse ano para o Brasil ainda tocou com brasileiros e macaenses residentes no Rio de Janeiro, e é hoje empresário.

Dos “Myths” diz-se que nasceu em 1965-66, e que originalmente além de Nino Magalhães, incluia Luís Garcia como (viola-solo), Mário Pistacchini (viola-baixo) e Victor Marques (este último e Nino mais tarde substituídos por Eurico Teles e por Alberto Manuel Silva). Tendo como elemento mais estável Pistacchini, o grupo chegou a integrar numa festa liceal, para além de Sonny e Luís, o Humberto Évora (hoje médico em Macau),Veloso e Walter Reis Jr. (que se manteve activo na rádio).

Quartel dos Bombeiros, os Midnight Riders

Os Gatos Negros na Escola Comercial

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.115.196 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Em Macau, celebração diferente do 13 de Maio Dia de Nossa Senhora de Fátima em 2020 devido à pandemia

Em Macau, celebração diferente do 13 de Maio Dia de Nossa Senhora de Fátima em 2020 devido à pandemia

Por medidas de precaução em função da pandemia do novo coronavírus Covid-19, a celebração do Dia de Nossa Senhora de Fátima, no dia 13 de Maio, foi diferente no mundo todo. Até que em Macau a celebração contou com a participação limitada de fiéis na missa realizada na Igreja de São Domingos, mais que no Santuário […]

Por detrás da foto oficial do Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019

Por detrás da foto oficial do Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019

A sessão fotográfica nas Ruínas de São Paulo é tradição já há vários Encontros das Comunidades Macaenses, e não foi exceção na edição Macau 2019. Aconteceu no dia 26 de Novembro, uma terça-feira, por volta das 16 horas. Ao que parece, uma tradição chinesa em Macau, a foto oficial reuniu os participantes do Encontro de […]

Ruínas de São Paulo e as ruas de acesso à principal atração turística de Macau

Ruínas de São Paulo e as ruas de acesso à principal atração turística de Macau

Após 9 anos de ausência, desde o Encontro das Comunidades Macaenses de 2010, já no segundo dia da chegada a Macau para a edição de 2019, por saudades fomos visitar as Ruínas de São Paulo, mesmo sendo um Sábado quando se espera uma multidão de turistas do Continente da China que costumam congestionar as vias […]

%d blogueiros gostam disto: