Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Poesia e pintura chinesa

POESIA E PINTURA NA ESTÉTICA CHINESA CLÁSSICA

Os fragmentos de verdade que perseguimos são como borboletas: ao aprisioná-las acabamos por as matar. Ao contrário da poesia ocidental, construída em tomo da voz de um sujeito que pela palavra se diz, a poesia chinesa deixa crescer o silêncio, abre espaço ao vazio e por entre esse buraco negro, cuidadosamente tecido, deixa exorbitar o sentido. 

Che Ho, “Vento e chuva pelo rio da Primavera”, 1993. Aguarela/aquarela sobre papel de arroz

TRADUÇÕES DE POETAS CHINESES CLÁSSICOS

Referimos as dificuldades que as traduções de poesia chinesa comportam. Não são apenas escolhos de uma língua escrita que funcionava como uma espécie de koiné, quer dizer, um código restrito a um certo uso. Trata-se sobretudo de uma língua que explora infinitamente a sugestão por meio das suas possibilidades sin-tácticas e morfológicas — o que as línguas ocidentais têm dificuldade de captar.

Ainda assim, todos os esforços que intentam a tradução devem ser encorajados e acarinha-dos, sendo aliás de grande interesse versões várias que possibilitem reflectir sobre a questão genérica das traduções português-chinês.

É da autoria de Graça de Abreu a divulgação de três poetas maiores da dinastia Tang: Li Bai (701-762), Bai Juyi (772-846) e Wang Wei (701 -761). Indico a ordem de publicação que, suponho, será em breve acrescida de outros poetas.

São de grande riqueza informativa as introduções que Graça de Abreu acrescenta a estes volumes, mas chamo a particular atenção para um fragmento incluído no volume sobre Li Bai onde coteja as diversas traduções do poema que intitula “Lamento nos Degraus de Jade”, É de facto um primeiro passo para uma teoria da tradução literária que falta empreender para que a divulgação das duas culturas adquira uma consistência que, por vezes, o improviso generalizado não permite vislumbrar. Se a França possui uma prestigiada Escola de Extremo Oriente com muitas décadas de existência, para quando os primeiros passos da nossa própria escola?

Apresento quatro poemas de três poetas nas versões de Graça de Abreu e de Gíl de Carvalho, outro interessado tradutor de poesia chinesa que publicou em 1989 uma Antologia que começa no Livro dos Cantares, Shíjing (1000-600 aC), o livro canónico que se julga ter sido compilado por Conf úcio, e termina com um dos últimos grandes poetas clássicos, Wahan Xingde (1655-1685).

As composições que escolhi evocam as pinturas chinesas que privilegiam a paisagem (montanhas). A natureza não tem a mesma importância em todos estes poetas, mas está presente em todos eles. Em Li Bai, o poeta taoista procura fundir-se com a natureza onde encontra o seu ser e a sua paz. Assim, as montanhas e rios, nuvens e céu, são companheiros do sujeito solitário, que aí procura o sentido mais geral do universo.

Mas é a poesia de Wang Wei que melhor se constrói como pintura. Aliás o poeta era também pintor, embora se tenha perdido toda a sua obra pictórica. Contudo, como referi, a sua pintura, que se sabe renunciava ao emprego de cores para jogar com o preto e o branco, não corresponde às paisagens dos seus poemas que parecem antecipar a pintura do período Song. De facto, os grandes caiígrafos e pintores dessa época deixam de propósito vazios e espaços em branco a fim de serem preenchidos com inscrições que em grande parte eram poemas

Além disso, essas pinturas insistem na sugestão, enquanto as obras do período Tang são ainda prisioneiras de uma rigidez arcaica, além de serem desenhos meticulosamente explícitos. Ao contrário dessa pintura, Wang Wei escolhe um estilo poético dominado pela sugestão. A escolha de motivos é bastante diferente dos seus contemporâneos Du Fu e Rai Juyi, preocupados sobretudo com os problemas sociais e políticos. Wang Wei está longe desta poesia do Mundo e concebe a vida como a procura da Via, empenhando-se com todas as forças para se ultrapassar a si próprio. A influência do taoismo e do zen levam–no a procurar o caminho da Natureza que ele opõe ao Mundo.

Mas a marca maior da sua poesia é a consciência da identidade entre poesia e pintura como sublinha nos versos traduzidos por Graça de Abreu:  Numa outra vida, o acaso fez de mim poeta,/numa outra existência, o destino fez de mim pintor.

Ho Tzu, “A flauta de jade”. Pintura para o poema de Li Bai

WANG WEI (701-761)

O Parque dos Veados

Solitários montes, ninguém à vista,

Ecos somente de vozes humanas.

Um sol tardio entra no bosque fundo.

Brilha de novo o verde musgo.

[trad. Graça de Abreu]

RAI JUYI (772-846)

Uma nuvem no alto da montanha

Uma nuvem branca no alto da montanha,

intacta face ao avançar da manhã.

O trigo ressequido no campo

perde o viço e o verde.

O homem cresce e murcha,

cumpre e concretiza o quê?

Não pode transformar-se em chuva

e seguir o vento Leste.

[trad. Graça de Abreu]

(extraído do artigo de Ana Paula Laborinho – Revista Macau de Janeiro 1994)

3 comentários em “Poesia e pintura chinesa

  1. José António Quinto Barcelos.
    02/07/2021

    Há uma leveza quase imaterial e uma doçura dos sentidos nos desabafos poéticos que a alma desses artistas vivos há tantos séculos ainda hoje, neste tempo de desvario nos oferecem. A Pintura transpira uma delicadeza amorosa no retratar da perfeição da doçura feminina e no admirável desenho dos corpos. (Quinto Barcelos, Mestre, F.L.U.Porto, professor e curso de História da Arte, F.L.U. Coimbra.

  2. MCristina
    03/12/2020

    Tocante a pintura de Che Ho. Amo a pintura e a poesia clássica chinesa. Falam ao nosso interior.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.442.429 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: