Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

A história de fundação de Macau, segundo Padre Teixeira

Perspectiva de Macau, 1598 (Th. De Bry)

No Caderno – Primórdios de Macau – Padre Manuel Teixeira escreve a sua versão sobre a Fundação de Macau, que, segundo ele, custou-lhe 4 décadas de procura por uma solução do mistério da origem de Macau.  E a conclusão foi essa:

FUNDAÇÃO DE MACAU (por Padre Manuel Teixeira)
Há cerca de quatro décadas que procuramos ansiosamente a solução de um mistério: qual a origem de Macau? Uma tradição quadrissecular afirma que Macau foi concedido aos portugueses em 1557, como prêmio pela repressão de piratas chineses que infestavam os mares da China do sul.
Mas, depois do exame atento dos documentos chineses e portugueses e de todas as versões até hoje apresentadas, chegámos às seguintes conclusões:
1.  Os portugueses estabeleceram-se em Macau à roda de 1557 para comerciar com os chineses, com o conhecimento e consentimento destes;
2.  Este estabelecimento não foi o prêmio de batalha alguma;
3.  Deu-se realmente um encontro com os piratas, não em 1557 mas em 1564;
4.  Este encontro com os piratas em 1564 veio confirmar a posse de Macau pelos portugueses;
5.  Tendo-se confundido estes dois acontecimentos, antecipou-se para 1557 o incidente de 1564 e daqui nasceu a tradição de que Macau foi concedido em 1557, como recompensa pela vitória contra os piratas;
6.  Não houve chapa alguma imperial pela qual fosse reconhecida oficialmente a posse de Macau.
O que realmente se deu foi o seguinte: os portugueses pretendiam comerciar com a China, mas esta estava hermeticamente fechada aos estrangeiros; houve que recorrer ao comércio de contrabando.
Tendo falhado as tentativas de Liampó (Ningpó), província de Chekiang e de Chincheo (Ch’uan-Chau), província de Fukien, os nossos comerciantes vieram para a ilha de Sanchoão (Seung-Chuan ou Seung-Chuen), província de Cantão, onde comerciaram até 1553, e para a ilha de Lampacao (Lam-Pak-Kau), província de Kuangtung, onde estiveram até 1560. No entanto, já desde 1555 freqüentavam Macau e, como verificaram ter melhor clima, abandonaram Lampacao em 1560 e continuaram em Macau, agora com a tolerância das autoridades de Cantão.
Aqui, como nas outras localidades, levantavam barracas provisórias. Concorriam ao comércio os chineses do continente e, sobretudo, os de Cantão. Terminado este, destruíam as barracas e regressavam a Malaca. Mas, pouco a pouco, foram-se fixando em Macau com o consentimento dos chineses, que tiravam lucro do negócio com os estrangeiros.
Em 1564, com a derrota dos piratas, os chineses não mais incomodaram os portugueses.

Perspectiva de Macau, 1626 (John Spencer)

Porto de Macau, gravura de 1641 do Livro das Plantas das Fortalezas, Cidades e Povoações do Estado da Índia Oriental

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 13/02/2012 por em História e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.262.561 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: