Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Ilha das Flores, Açores: paraíso desconhecido

Através do e-mail que me foi repassado por Luís Garcia (Macau), fiquei conhecendo este paraíso desconhecido que é a Ilha das Flores, nos Açores, terra do saudoso Padre Mendes dos tempos antigos de escola em Macau de muita gente. E vendo o arquivo com muitas fotos, realmente dá para imaginar como deve ser um paraíso, daqueles que nenhum stress iria sobreviver. Líndissima, belezas naturais incríveis!!!

O que chamou também atenção foi o apelo do autor do arquivo, Manuel M. Tavares Jr.: “é meu dever, como florentino, divulgar as belezas naturais da minha ilha. Mas para isso necessito da vossa colaboração, pedindo que enviem cópias aos vossos contatos e amigos“.  Pelo que consta, o habitante da Ilha das Flores chama-se Florentino. Assim, caro Manuel, aqui vai a minha colaboração, convidando o amigo leitor para visualizar o arquivo abaixo em PDF de 6,39 Mb com muitas belas fotos. Vale a pena dar uma olhada. Favor clicar no link abaixo

Ilha.das.Flores.Acores

Aqui estão expostas algumas das fotos do arquivo acima.  Penso que devem ser do Manuel ou ? Leia também, depois das fotos abaixo, um histórico sobre a Ilha das Flores e sua geografia, coletados do Wikia-Enciclopédia Açores XXI

Ilha das Flores

Histórico:

Situa-se a 30º 54’ de longitude oeste, e a 39º 25’ de latitude norte. Tem 143 Km2 de superfície, 17 Km de comprimento e 12,5 Km de largura. A superfície da ilha é repartida por dois municípios – de Santa Cruz das Flores e de Lajes das Flores. A ilha, junto com a Ilha do Corvo, foram o Grupo Ocidental do arquipélago dos Açores. A 26 de maio de 2009, a ilha foi classificada pela UNESCO como Reserva da Biosfera. Os principais centros populacionais são as vilas de Santa Cruz das Flores e das Lajes das Flores. Dispõe de um aeroporto onde opera a SATA Açores, com ligações aéreas regular com os aeroportos da Horta, das Lajes (Terceira), de Ponta Delgada e do Corvo. Entre julho a agosto, a Atlanticoline assegura as ligações marítimas de passageiros e viaturas entre o porto da vila das Lajes das Flores (via Horta) com as restantes ilhas. Assegura ainda o transporte regular de passageiros entre a vila das Lajes das Flores e a Vila do Corvo.

Geografia:

É uma ilha de incomparável beleza, pelo recorte geográfico, e terreno acidentado que a carateriza. Têm uma costa muito recortada e extremamente escarpada, chegando mesmo a atingir os 600 m no extremo noroeste da ilha. Têm uma topografia muito acidentada marcada por altas elevações com as suas encostas descendo, ora suave, ora abrutamente para vales profundos, com lagoas, cascatas e por rochedos com formas fantásticas e sugestivas. A ilha começou a emergir de um banco submarino a 10 mil anos, a ocidente da CMA, na placa tectónica norte-americana.

A sua grande riqueza botânica, geológica, hidrológica e paisagistica da ilha deu origem a que grandes áreas do Planalto Central fossem classificadas como zonas de Reserva Florestal Natural e parte da Rede Natura 2000, nomeadamente, uma que engloba os Picos da Sé, do Sete Pés e da Burrinha, o Morro Alto e a Testa da Igreja e as lagoas Funda, Comprida Seca e Branca e outra que abrange as lagoas Funda e Rasa e o Pico da Marcela.

A Rocha dos Bordões, ex-libris da ilha, é um monumento natural regional (MNR) de invulgar beleza na rocha basáltica que faz lembrar muitos bordões verticais, ímpar nos Açores. Sete crateras de vulcões extintos deram origem a sete lagoas de grande beleza natural que são uma das principais atrações turísticas. Merece uma vista na Fajã Grande, a espetacular cascata da Ribeira Grande, a Poça do Bacalhau e a Aldeia da Cuada. O Ilhéu de Monchique, o ponto mais ocidental da Europa, que nos tempos da navegação astronómica servia de ponto de referência para acertar as rotas e verificar os instrumentos de navegação. Também o Morro Alto, o ponto mais elevado da ilha com 940 m, bem como o Pico do Sete Pés. A estrada que atravessa a ilha propícia diversas vistas panorâmicas.

A Gruta dos Encharéus, cavidade à beira-mar com 50 m de comprimento por 25 m de largura, a Gruta do Galo, os pitorescos ilhéus de Maria Vaz, do Cartário, de Abrões, da Muda, do Pão de Açúcar e Furado e as Baixas de Ponta Delgada, do Moinho e Vermelha, entre outros, são ornamentos que embelezam a costa florentina.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 06/03/2012 por em Ilha das Flores e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.076.208 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: