Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Ilha das Flores, Açores: paraíso desconhecido

Através do e-mail que me foi repassado por Luís Garcia (Macau), fiquei conhecendo este paraíso desconhecido que é a Ilha das Flores, nos Açores, terra do saudoso Padre Mendes dos tempos antigos de escola em Macau de muita gente. E vendo o arquivo com muitas fotos, realmente dá para imaginar como deve ser um paraíso, daqueles que nenhum stress iria sobreviver. Líndissima, belezas naturais incríveis!!!

O que chamou também atenção foi o apelo do autor do arquivo, Manuel M. Tavares Jr.: “é meu dever, como florentino, divulgar as belezas naturais da minha ilha. Mas para isso necessito da vossa colaboração, pedindo que enviem cópias aos vossos contatos e amigos“.  Pelo que consta, o habitante da Ilha das Flores chama-se Florentino. Assim, caro Manuel, aqui vai a minha colaboração, convidando o amigo leitor para visualizar o arquivo abaixo em PDF de 6,39 Mb com muitas belas fotos. Vale a pena dar uma olhada. Favor clicar no link abaixo

Ilha.das.Flores.Acores

Aqui estão expostas algumas das fotos do arquivo acima.  Penso que devem ser do Manuel ou ? Leia também, depois das fotos abaixo, um histórico sobre a Ilha das Flores e sua geografia, coletados do Wikia-Enciclopédia Açores XXI

Ilha das Flores

Histórico:

Situa-se a 30º 54’ de longitude oeste, e a 39º 25’ de latitude norte. Tem 143 Km2 de superfície, 17 Km de comprimento e 12,5 Km de largura. A superfície da ilha é repartida por dois municípios – de Santa Cruz das Flores e de Lajes das Flores. A ilha, junto com a Ilha do Corvo, foram o Grupo Ocidental do arquipélago dos Açores. A 26 de maio de 2009, a ilha foi classificada pela UNESCO como Reserva da Biosfera. Os principais centros populacionais são as vilas de Santa Cruz das Flores e das Lajes das Flores. Dispõe de um aeroporto onde opera a SATA Açores, com ligações aéreas regular com os aeroportos da Horta, das Lajes (Terceira), de Ponta Delgada e do Corvo. Entre julho a agosto, a Atlanticoline assegura as ligações marítimas de passageiros e viaturas entre o porto da vila das Lajes das Flores (via Horta) com as restantes ilhas. Assegura ainda o transporte regular de passageiros entre a vila das Lajes das Flores e a Vila do Corvo.

Geografia:

É uma ilha de incomparável beleza, pelo recorte geográfico, e terreno acidentado que a carateriza. Têm uma costa muito recortada e extremamente escarpada, chegando mesmo a atingir os 600 m no extremo noroeste da ilha. Têm uma topografia muito acidentada marcada por altas elevações com as suas encostas descendo, ora suave, ora abrutamente para vales profundos, com lagoas, cascatas e por rochedos com formas fantásticas e sugestivas. A ilha começou a emergir de um banco submarino a 10 mil anos, a ocidente da CMA, na placa tectónica norte-americana.

A sua grande riqueza botânica, geológica, hidrológica e paisagistica da ilha deu origem a que grandes áreas do Planalto Central fossem classificadas como zonas de Reserva Florestal Natural e parte da Rede Natura 2000, nomeadamente, uma que engloba os Picos da Sé, do Sete Pés e da Burrinha, o Morro Alto e a Testa da Igreja e as lagoas Funda, Comprida Seca e Branca e outra que abrange as lagoas Funda e Rasa e o Pico da Marcela.

A Rocha dos Bordões, ex-libris da ilha, é um monumento natural regional (MNR) de invulgar beleza na rocha basáltica que faz lembrar muitos bordões verticais, ímpar nos Açores. Sete crateras de vulcões extintos deram origem a sete lagoas de grande beleza natural que são uma das principais atrações turísticas. Merece uma vista na Fajã Grande, a espetacular cascata da Ribeira Grande, a Poça do Bacalhau e a Aldeia da Cuada. O Ilhéu de Monchique, o ponto mais ocidental da Europa, que nos tempos da navegação astronómica servia de ponto de referência para acertar as rotas e verificar os instrumentos de navegação. Também o Morro Alto, o ponto mais elevado da ilha com 940 m, bem como o Pico do Sete Pés. A estrada que atravessa a ilha propícia diversas vistas panorâmicas.

A Gruta dos Encharéus, cavidade à beira-mar com 50 m de comprimento por 25 m de largura, a Gruta do Galo, os pitorescos ilhéus de Maria Vaz, do Cartário, de Abrões, da Muda, do Pão de Açúcar e Furado e as Baixas de Ponta Delgada, do Moinho e Vermelha, entre outros, são ornamentos que embelezam a costa florentina.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 06/03/2012 por em Ilha das Flores e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.425.537 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: