Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

China, em cores

Esta é a China longe da moderna Xanghai e Hong Kong, ou da monumental Beijing.  Vamos fazer uma pequena viagem nesta postagem por esta outra China, bela e fascinante:

(clicar nas fotos para aumentar)

Diz uma lenda popular “que foi uma fada chamada Niiwa que criou uma raça humana amarela com a argila e água de um rio”.  Este rio é o Rio Amarelo que tem a origem na vertente norte da montanha Bayan Har no Planalto Qinghai-Tibete e depois percorre sentido leste por mais de 5.400 quilômetros.  Passa por uma região bem conhecida por ser uma das que concentra a maior quantidade de loess. Segundo a Wikipédia, Loess (do alemão Löss , solto) é um solo fértil de coloração amarela. É formado por sedimentos depositados pelo vento, ou seja, de origem eólica (energia que provém do vento). Encontrado em parte da Europa (França e Países Baixos) e principalmente na China, onde encontra-se o Rio Amarelo, importante rio na cultura do arroz chinês. As fotos acima e abaixo são das localidades onde há essa concentração do loess, percebendo-se quão amarela é a paisagem.

Acima, as montanhas glaciais no Planalto Qinghai-Tibete

Abaixo, o Pico Qomolangma se estende pela fronteira da China com o Nepal.  Com 8844,43 metros acima do nível do mar, é o pico mais alto do mundo.

As Grutas de Yungang na Província Shanxi. Esculturas e marcos esculpidos em pedra podem ser encontrados por toda a China

O branco é considerado uma cor sagrada pelos muçulmanos, tanto que uma lenda diz que Maomé, fundador do Islamismo, dizia “vocês devem usar o branco com frequência, pois o branco é mais santo e bonito”.  Na China. Hui, Uygur, Kazak e outras 10 minorias étnicas são adeptos do Islã. Muçulmanos chineses, tanto homens como mulheres, usualmente vestem-se e cobrem-se de vestes de cor branca.

Os pagodes brancos budistas no Tibete

A cor branca também se faz presente no vestuário do povo Bai que habita na região autônoma da nacionalidade (etnia) Dali Bai em Yunnan, região montanhosa no sudoeste da China. O branco para eles tem o significado de bons auspícios, cordialidade e piedade filial.

Montanha de Huangshan na Província Anhui, leste da China, que possui picos incomuns, motivo de tema de pinturas

(fotos acima e as duas abaixo): A etnia Miao conta aproximadamente com 8,94 milhões de habitantes e vive na sua maioria nas províncias de Guizhou, Yunnan, Sichuan, Hunan, Hubei e Guangdong e na Região Autónoma da Etnia Zhuang do Guangxi. Os miaos possuem língua própria. Na antiguidade, o povo Miao não teve a língua escrita unificada. Em 1956, os miaos transformaram 4 dialetos em língua latinizada unificando a escrita. Como uma das etnias mais antigas da China, os registros sobre ela datam a 4 mil anos atrás. Segundo uma lenda chinesa, Chi You, que combatia o Imperador Amarelo e o Imperador Yan, foi o ancestral dos miaos. Devido à guerra, fome, doença, assim como outros motivos, os miaos migravam constantemente, de modo que hoje em dia, os miaos estão espalhados nas vastas regiões do país tendo diferentes dialetos, vestuários, adornos e costume.

Fonte e imagens de: Colorful China da China Intercontinental Press/Wikipédia/CRI-China Radio International

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 15/05/2012 por em CHINA, Curiosidades, Turismo.

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.222.740 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: