Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Argentina: um Cemitério que é um Museu, em Buenos Aires

Cemitério de Recoleta: O pórtico neo-clássico, com colunas clássicas e símbolos sobre o tema da morte

Fotografias de/photos by Rogério P.D. Luz

O Cemitério de Recoleta, em Buenos Aires, capital da Argentina, é considerado um museu por dois motivos. Um deles é o grande número de obras de arte encontradas lá. A outra razão é porque, no cemitério estão os restos mortais de Evita Perón e de personalidades famosas da política, cultura, arte e ciência.  O cemitério foi inaugurado em 1822. As abóbadas são na maior parte das famílias aristocráticas do país.

A praça do Cemitério de Recoleta para onde convergem diversas alamedas de sepulturas

As sepulturas são de propriedade de cada família e cada proprietário deve pagar uma taxa mensal de administração. O metro quadrado mais caro da cidade, está localizado dentro do Cemitério da Recoleta.

Em seus quase seis hectares estão sepultados heróis da Independência, presidentes da República, militares, cientistas e artistas. Entre eles, Eva Perón, Adolfo Bioy Casares e Facundo Quiroga.

Os artistas e escultores que têm obras no Cemitério da Recoleta: Luis Perlotti – Carlos Romairone, Rene Sargent – Alfredo Bigatti, José Fioravanti, Jean Alexandre Falguière, Miguel Sansebastiano – Antonin Mercie, Luis Carriere – Pedro Zonza Briano, Alfredo Guttero – Tasso.

Mausoléu da Família Duarte onde estão enterrados os restos mortais de Evita Peron. Ela não foi enterrada com o seu marido Juan Peron que foi presidente da Argentina por 2 vezes, que se casou depois com Isabelita Peron.

Evita Perón morreu aos 33 anos, de câncer de mama. Embalsamado, seu corpo ficou exposto à visitação pública até que, durante o golpe de Estado que derrubou Perón em 1955, seu cadáver foi roubado e enterrado em Milão, Itália. Dezesseis anos mais tarde, em 1971, o corpo foi exumado e transladado para a Espanha. Ali foi entregue ao ex-presidente Perón, que vivia exilado em Madri. O médico argentino que embalsamou Evita revelou que fora um trabalho perfeito, uma vez que, Evita parecia “uma boneca” devido a sua baixa estatura, pele alva e vestido de cetim branco. Após a vinda do esquife da Espanha numa caixa de vidro…Evita parecia adormecida.

“Evita havia se diluído, estava em todos os lugares! A sua identificação à sua pátria fora tão completa e consumada que agora, morta enquanto integridade física coesa, ela vivia, enquanto mito, em todos os recantos da Argentina.”

Perón voltou à Argentina em 1973 e foi reeleito presidente, tendo a terceira mulher, Isabelita Perón, como vice. Após sua morte, em 1974, Isabelita Perón trouxe o corpo de Evita para a Argentina onde foi exposto novamente por um breve período. Foi então enterrada novamente no mausoléu da família Duarte no cemitério da Recoleta, na cidade de Buenos Aires.

O Cemitério de Recoleta é um ponto turístico muito visitado, além de estar localizado numa bela região de Buenos Aires com vários restaurantes localizados no outro lado da praça, tornando-se uma visita imperdível.

Fonte: Wikipédia

Um comentário em “Argentina: um Cemitério que é um Museu, em Buenos Aires

  1. Jorge E. Robarts
    28/05/2012

    Gostei muito das fotos do cemitério de Recoleta, Buenos Aires, onde visitei com a minha primeira mulher Fernanda de S, Fernandes em 1986/87.Aquilo não é um cemitério, é um espaço de grande porte artístico, já que tem relatos dos seus heróis mortos na defesa da independencia Argentina. Fiquei uma grande parte da manhã a visitá-lo, enquanto que a Fernanda, já adoentada, preferiu esperar sentada sob uma enorme árvore cujo tronco devia medir 2 metros de diâmetro, sem exagero Julgo que até tirei uma foto dessa árvore que deve estar arquivado nos meus 40 albuns de recordações. GIGA.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.076.203 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: