Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

24 Horas de Le Mans, acidente espetacular e detalhes

O Audi R18 e-tnon quatro nº 1 de Andre Lotterer-Marcel Fassler-Benoit Treluyer venceu as 24 Horas de Le Mans de 2012 na sua 80ª edição

Desde criança aprendi a gostar do automobilismo devido aos Grandes Prêmios de Macau, e como não poderia deixar de ser, as 24 Horas de Le Mans me fascinava pela belo visual dos protótipos, e principalmente devido ao filme de mesmo nome estrelado por Steve MacQueen da corrida de 1971.

Há três anos que assisto a corrida anual na França pela Speed Channel, que neste ano foi substituída pela sua proprietária Fox Sports.  Uma lástima para os fãs do automobilismo.  Cortaram quase todas as transmissões de corridas, e o prejuízo maior ficou para o automobilismo brasileiro.  Ainda bem que nos dias de hoje há as transmissões ao vivo pela internet e pude me satisfazer pelo site oficial das 24 Horas de Le Mans, alé de inúmeros vídeos no YouTube e naquele canal.

Toyota voltou a participar da Le Mans com carro de tecnologia híbrida e voou na batida com um Ferrari

Nesta edição, a 80ª,  dois detalhes chamaram atenção, motivo desta postagem. Primeiro pelo impressionante acidente com o Toyota híbrido pilotado pelo ex-Fórmula 1, Anthony Davidson, que foi fechado pela Ferrari de Piergiuseppe Peranzzini e praticamente voou em direção ao guard-rail.  A Ferrari após a batida violenta contra o mesmo guard-rail acabou capotando.  A sorte é que os carros de corrida hoje em dia são bem resistentes e os dois pilotos sairam andando, no entanto, por precaução, o Davidson foi internado para observação. Veja o vídeo:

Outro detalhe foi a participação de um carro de asa delta (delta wing) da Nissan, que foi vetado pela Fórmula Indy e conseguiu participar da Le Mans como categoria não classificada, em caráter experimental sem contar pontos.

Nissan Delta Wing assemelha-se a um avião e as 2 rodas dianteira ficam bem juntas. É equipado com um um motor 4 cilindros 1,6 litro com turbocompressor e potência ao redor de 300 cavalos (foto: Jean Francois Monier AFP)

O Dário Franchitti, piloto escocês campeão da Fórmula Indy, até questionou o seu irmão Marino, um dos pilotos do Nissan, se o carro conseguia fazer curva normalmente, pelo que respondeu que fazia muito bem e adorava pilotar o inovador Delta Wing. No entanto, na corrida, o carro foi jogado para fora da pista por um protótipo da categoria principal raspando o guard-rail.  O piloto na ocasião, o japonês Satoshi Moyama (na Le Mans três pilotos se revezam nas 24 horas) foi protagonista de um vídeo que mostrava todo o seu esforço e desespero para reparar o carro por conta própria para retornar à pista.  Não conseguindo, chorou e retornou para os boxes aplaudido pelo público. Veja o vídeo:

Nissan Delta Wing (fotos do site oficial da Nissan)

(foto da Wikipedia)

Para os saudosistas, vamos matar as saudades a relembrar trecho do filme de 1971 da edição de 1970 das 24 Horas de Le Mans protagonizado por Steve McQueen, no qual o Porsche, marca que ainda detém o maior número de vitórias na corrida de endurance, com o seu lindo modelo 917K vence a Ferrari, seu maior rival na época:

Por fim, a corrida, que existe desde 1923, foi totalmente dominada pela Audi com as três primeiras posições e o carro que terminou em 1º era pilotado pelo trio formado pelo suíço Marcel Fassler, o alemão Andre Lotterer e o francês Benoit Treluyer.  As duas primeiras colocações da equipe oficial foram ocupadas por um carro com inovação por tecnologia híbrida de propulsão, com sistema de recuperação de energia combinado a um motor a diesel.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.261.485 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: