Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Ouro Preto: Capela do Padre Faria e a influência de Macau

A Capela de Nossa Senhora do Rosário dos Brancos, também conhecida com a Capela do Padre Faria por ter rezado a primeira missa na região, é uma das mais antigas e ricas capelas de Ouro Preto, construída por volta de 1710. A sua simples fachada contrasta com o seu rico interior, decorado em 1740 por irmandades dos brancos poderosos.  O nome da capela é uma referência ao padre que rezou a primeira missa na região.

Detalhes em vermelho, a influência oriental trazida de Macau pelos jesuítas

Os altares dourados, a decoração e pinturas da capela possuem curiosos detalhes em vermelho, de influência oriental, chamadas de “chinesices mineiras” que os jesuítas trouxeram de Macau. (Mineiras – do Estado de Minas Gerais onde se localiza Ouro Preto)

o oráculo e o teto com pintura em vermelho.  O altar-mor da capela foi considerado por Diogo de Vasconcelos em 1911 como “a jóia mais rica da cidade”

O teto da nave traz a pintura da coroação de Nossa Senhora do Rosário, cercada pelos anjos e nos quatro painéis da parede cenas da vida de Maria (2ª foto acima). O interior da capela tem estilo barroco e rococó.

outros detalhes em vermelho, a influência de Macau

A cruz pontifícia possui três braços. O historiador Diogo de Vasconcellos acredita que o Papa Pio VI, através de três bulas, concedia privilégios e graças à capela, motivo da construção da cruz desta forma. A cruz data de 1756 e é esculpida em arenito.

É a única igreja da região que possui a torre campanário (onde tem o sino) separada do templo, que se sugere ter a forma de templo chinês, outra possível influência oriental de Macau, trazida pelos jesuítas (veja o formato do seu teto).

A torre campanário à direita, que se sugere que é similar a um templo chinês, o que seria influência de Macau

O sino data de 1750 e tocou na inauguração de Brasília, atual capital do Brasil

uma longa e cansativa subida até o topo do morro, na Igreja de Santa Efigênia em destaque na paisagem de Ouro Preto, e depois uma descida numa íngreme ladeira até a capela do Padre Faria

Experiência e Dica

Decidimos fazer uma caminhada do centro na Praça Tiradentes até o topo do morro onde se localiza a Igreja de Santa Efigênia.  Parece uma caminhada aceitável, não muito longe, mas as ladeiras são terríveis, tanto para subir como para descer, devido ao seu piso de paralelepípedos irregulares e por serem bastante ou muito íngremes.  O que ajuda um pouco são as calçadas laterais, como se pode ver na foto acima.  No entanto, é gratificante a vista da cidade à medida que se vai subindo ou descendo a ladeira, especialmente para quem gosta de fotografar, como eu.

Deu para cansar pois basicamente foi uma terrível subida até o topo do morro da Igreja de Santa Efigênia e depois uma terrível descida, muito íngreme e piso muito irregular até a Capela do Padre Faria, a igreja mais distante do centro no extremo leste da cidade.. Mas … valeu a pena! Também tivemos fôlego pois era o primeiro dia de passeios em Ouro Preto, e não estavamos cansados ainda, o que não se poderia dizer no nosso quarto dia de caminhadas … ufa !!!

A terrível descida (Rua Padre Faria) para a Capela de Padre Faria, vindo do topo do morro onde se localiza a Igreja de Santa Efigênia. Piso muito irregular.

Chafariz do Alto da Cruz

No meio da descida tem o Chafariz do Alto da Cruz, mal conservado, tendo no topo (foto abaixo) um pequeno busto feminino, de pedra-sabão, com o rosto desfigurado, datado 1761, e que seria obra de juventude do Aleijadinho, Antônio Francisco Lisboa, nos seus prováveis 19 anos de idade.

Obra em pedra-sabão do Aleijadinho na juventude de 19 anos de idade, em 1761

Para voltar, após visitar a Capela do Padre Faria, não suba a ladeira da Rua Padre Faria por onde desceu, isto se não quiser se cansar muito. Utilize a rua paralela, a Rua Santa Rita, mais extensa porém menos íngreme. Veja foto abaixo:

Para voltar da capela suba pela rua paralela à que utilizou para descer. É menos íngreme mas mais longa. Aí já não faz mais parte do centro histórico e há casas simples e inacabadas, porém sem perigo aparente.

Nesta Rua Santa Rita você tem uma vista panorâmica da Capela do Padre Faria.

6 comentários em “Ouro Preto: Capela do Padre Faria e a influência de Macau

  1. Henrique Félix (guia de turismo credenciado pelo cadastur)
    04/09/2013

    Olá , gostei do post porem vc disse que os brancos que foram expulsos eram ricos poderosos e na verdade eram bancos pobres

    • Olá Henrique, agradeço a sua observação. Colhi a informação nas pesquisas por internet e/ou de livros que não estou localizando, porém, diante do que diz, preferi excluir este trecho e no seu lugar, acrescentei o que está escrito no guia que tenho comigo. Abraço!

  2. Caroline Albergaria
    24/04/2013

    Olá. Gostei muito do site, principalmente sobre a Capela Nossa Senhora do Rosário do Padre Faria. Faço Arquitetura e Urbanismo na Universidade de Brasília e estou fazendo um trabalho a respeito dessa capela. Gostaria de permissão para publicar algumas das fotos da capela em um verbete do wikipédia que estou produzindo. Todos serão devidamente referenciadas e com os direitos autorais correto.
    Espero resposta!
    Obrigada!

    • Olá Caroline, agradeço o interesse e a consulta. Espero que as fotos possam contribuir para um bom trabalho. Fique à vontade. Abraço.

  3. esmerado no estremo apreço muito obrigado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.075.951 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: