Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

O adeus português a Macau, isto foi há 13 anos

CHINA - TRANSICAO

Há 13 anos atrás, em 20 de Dezembro de 1999, Portugal disse adeus a Macau, após uma presença de cerca de 440 anos. Macau deixou de calçar tamancos portugueses e trocou-os por sandálias chinesas.

Era previsível que um dia Macau teria que ser devolvida para a China.  Antes dos portugueses lá chegarem, Macau ou Ou Mun era um território chinês.  A retormada poderia ter sido traumática, como uma invasão, tal como ocorreu na Índia portuguesa, mas a sabedoria chinesa prevaleceu e os termos da transição foram negociados por anos entre Portugal e China.  E, assim tudo ocorreu de forma pacífica.

A transição foi a história mais triste para os portugueses e macaenses.  Muitos choraram no dia da transição, como este autor, e ainda se chora quando revê todo o processo, mas, antes assim do que de outra forma que tantos temíamos, especialmente nos tumultos promovidos pela guarda vermelha maoísta, se isto serve de consolo. Difícil é se consolar que isto tinha que acontecer justamente na nossa geração, mas em contrapartida fomos testemunhas de um momento histórico que levou cerca de 440 anos para acontecer.  Não sei se poderia dizer “um privilégio”?

Vamos rever imagens do dia da transição e o artigo do Diário de Notícias na internet.  A bandeira portuguesa e do Leal Senado é substituída pela bandeira chinesa e da nova RAEM-Região Administrativa Especial de Macau.  Sai o Governador Vasco Rocha Vieira e entra o Chefe do Executivo, nova denominação para o mandatário da cidade, Edmund Ho Hau Wah.

*As imagens foram copiadas da Revista Focus, do Instituto Intenacional de Macau-IIM

A bandeira de Portugal e do Leal Senado hasteadas pela última vez em Macau, como representação governamental

A bandeira de Portugal e do Leal Senado hasteadas pela última vez em Macau, como representação governamental.  Tropa portuguesa perfilada atrás.

Alegria e tristeza por Macau

Diário de Notícias, 20 de Dezembro de 1999

O Presidente Jorge Sampaio fez o discurso de despedida. Emocionado. A China celebrou o regresso do território à pátria

A bandeira portuguesa já não esvoaçava no mastro. Estavam, já lá no alto, a bandeira verde de Macau, com a flor de lótus, e a da China. Macau voltou a ser chinês, mas os muitos convidados para as cerimónias, a começar pelos presidentes de Portugal e da China, iam saindo ao som da Canção do Mar. Foi um adeus português que emocionou Jorge Sampaio ao ver a bandeira vermelha e verde descer, pela última vez. E a cantar A Portuguesa.

Um aperto de mão de cerca de dez segundos entre Jorge Sampaio e Jiang Zemin selou a transferência de Macau de Portugal para a China, pondo termo a 442 anos de administração portuguesa no território.

Minutos antes, exactamente às zero horas de 20 de Dezembro – porque o protocolo foi seguido à risca -, tinha nascido a Região Administrativa Especial de Macau (RAEM), evento testemunhado por centenas de convidados.

Um dos momentos mais aplaudidos na cerimónia foi o do abraço entre Vasco Rocha Vieira, o último governador português de Macau, e Edmund Ho Hau Wah, o primeiro chefe do Executivo da RAEM. E Sampaio fez questão de distinguir Rocha Vieira com uma saudação especial, levando a maioria dos presentes a aplaudir o último governador, numa homenagem que não estava prevista no rigoroso alinhamento das cerimónias.

O ambiente de emoção contrastou com a festa dos chineses. Ainda antes da meia-noite, milhares de pessoas começaram a juntar-se na Praça do Leal Senado para assistir, num ecrã gigante, às cerimónias. E celebraram a mudança de soberania com gritos de júbilo.

Pouco tempo depois de a bandeira da RAEM ondular pela primeira vez nos céus de Macau, operários no Leal Senado fizeram subir, ao som de gritos e acenos de alegria, uma enorme tela com o novo brasão da edilidade, que cobre o escudo anterior. O novo brasão, de Guilherme Ng Wai Meng, mantém a cor azul do município, só que agora mais escuro, mas substitui os anjos por duas pombas e a esfera armilar pela flor-de-lótus.

Sofia Lopes, de 20 anos, que viveu em Macau mais de 10 anos, abandonou a praça lavada em lágrimas. À Lusa disse não ter palavras para explicar a tristeza: “Porque sempre achei que Macau era a minha terra e agora é difícil pensar o mesmo.”

A milhares de quilómetros de distância, na capital da China, “o regresso de Macau à pátria” foi celebrado por cerca de 30 mil pessoas na enorme Praça de Tiananmen com música e fogo-de-artifício e dois ecrãs gigantes. Estavam doze graus negativos e a festa durou menos de uma hora.

Por essa hora, já a comitiva portuguesa tinha deixado Macau. O último a partir foi Rocha Vieira, o último governador.

Bandeira portuguesa é recolhida após o seu arriamento

Bandeira portuguesa é recolhida após o seu arriamento pela tropa portuguesa

Macau.transicao.11

Forças Armadas de Portugal

Forças Armadas de Portugal

Forças /armadas chinesas entram no recinto da cerimonia oficial de transição

Forças /armadas chinesas entram no recinto da cerimonia oficial de transição

e, hasteiam a bandeira da R.P. da China

e, hasteiam a bandeira da R.P. da China

Macau.transicao.07

Após a transferência de poderes de Macau, tremula a bandeira da R.P.da China e a nova bandeira municipal de Macau-RAEM

Macau.transicao.01

O último Boletim Oficial da Macau portuguesa em 19/Dezembro/1999

O último Boletim Oficial da Macau portuguesa em 19/Dezembro/1999

O 1º Boletim Oficial no novo Governo chinês de Macau - RAEM

O 1º Boletim Oficial no novo Governo chinês de Macau – RAEM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.142.358 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Rodolfo Ávila no Museu do Grande Prémio de Macau em 2007

Rodolfo Ávila no Museu do Grande Prémio de Macau em 2007

Em 2007, visitei o Museu do Grande Prémio de Macau e lá fiz várias fotos. Nesta postagem, o assunto é o piloto Rodolfo Ávila. Venha conhecê-lo melhor. Publicação e fotografias de/photos by Rogério P D Luz Texto extraído da enciclopédia livre – Wikipédia Rodolfo Freitas Silvério de Abreu Ávila nasceu em Lisboa no dia 19 […]

A estátua Ferreira do Amaral no aniversário da Tomada de Passaleão em 1951

A estátua Ferreira do Amaral no aniversário da Tomada de Passaleão em 1951

A foto da estátua Ferreira do Amaral, em Macau, foi objeto de indagação feita ao autor deste blog por MJ Raydor no Facebook, que queria saber da sua história. Por desconhecê-la, coube ao Carlos Dias dar a resposta abaixo com publicação de uma imagem: “Tratava-se da Comissão Organizadora das comemorações de 102º. aniversário da Tomada […]

Em Macau, celebração diferente do 13 de Maio Dia de Nossa Senhora de Fátima em 2020 devido à pandemia

Em Macau, celebração diferente do 13 de Maio Dia de Nossa Senhora de Fátima em 2020 devido à pandemia

Por medidas de precaução em função da pandemia do novo coronavírus Covid-19, a celebração do Dia de Nossa Senhora de Fátima, no dia 13 de Maio, foi diferente no mundo todo. Até que em Macau a celebração contou com a participação limitada de fiéis na missa realizada na Igreja de São Domingos, mais que no Santuário […]

%d blogueiros gostam disto: