Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Entrevista de Rocha Vieira em 11/Dez/1999 – Memórias de Transição de Macau

Em mais um capítulo de <Memórias de Transição de Macau> que, no dia 20 de Dezembro de 2012, completou 13 anos, trago aqui para vocês a entrevista concedida pelo último Governador português de Macau, Gen. Vasco Rocha Vieira, ao jornal O Expresso, de Portugal, que foi publicada na edição eletrônica de 11 de Dezembro de 1999.  A poucos dias da transição de soberania de Portugal para a China, Rocha Vieira assim falou para o repórter Fernando Madrinha:

O Expresso (Portugal) – edição de 11/12/1999

ROCHA VIEIRA, na hora da despedida

«Deixamos uma herança que honra a História»

Gov.Rocha.Vieira.entrevista NA HORA da despedida de Macau, Rocha Vieira mostra-se confiante no futuro do território e das relações luso-chinesas. Cujo «segredo», diz, é a «amizade e bom entendimento». Sobre o seu próprio futuro, limita-se a revelar: «Não tenho planos.»

EXPRESSO – O que pode correr mal daqui até ao fim da transferência de Macau?

ROCHA VIEIRA – A minha preocupação é a de que tudo corra bem. E estou convencido que vai correr.

EXP. – Tem algum receio especial em matéria de segurança?

R.V. – Não há nenhum dirigente no mundo que não tenha receios quanto à segurança, especialmente em situações como esta, com uma grande concentração de pessoas e uma enorme visibilidade. Há sempre interesses que podem tentar aproveitar essa garantia de visibilidade para se manifestarem. As forças de segurança estão preparadas e têm provado que são boas.

EXP. – Qual foi o segredo para esta cooperação e aparente boa vontade da China em relação à transferência de Macau, que contrasta com o que se passou há dois anos em Hong Kong?

R.V. – Portugal sempre esteve em Macau com propósitos sérios, administrando o território com garantia de rigor e de lealdade perante a população e a História. É esse o segredo: amizade e bom entendimento, numa perspectiva de longo prazo, e assumindo as nossas responsabilidades para que a futura Região Administrativa se construa com um sistema político sólido, no respeito pelo primado da lei e num clima de tolerância. Deixamos uma herança que honra a História, uma plataforma de cooperação que é útil para Portugal, para a China, para Macau e para todos os que queiram relacionar-se com Macau. Demonstrou-se que Portugal é capaz de cooperar com outros países quando se trata de formular um sistema e uma organização social modernos. Os chineses têm compreendido esses propósitos e sabem que estamos a trabalhar para o futuro.

EXP. – O chefe do futuro Governo de Macau, Edmund Ho, tem-no acompanhado em várias inaugurações e actos públicos. Não seria razoável esperar para assistir à sua tomada de posse, no dia 20, em vez de deixar o território logo ao princípio da madrugada com o Presidente Sampaio?

R.V. – Nem sempre é possível compatibilizar o que é do nosso agrado pessoal com outros valores que os ultrapassam. Pessoalmente, gostaria de ficar e Edmund Ho sabe isso, porque já lho disse. Mas também sabemos os dois que o que aqui releva é a questão do Estado, relativamente a toda uma simbologia que está associada à transferência de soberania. É natural que, após a cerimónia de transferência, o representante da soberania cessante acompanhe o Presidente da República.

EXP. – A entrada de tropas chinesas em Macau não estava prevista em nenhum documento da transferência, mas a China decidiu instalar aqui uma guarnição de mil homens. Ainda assim, aceitou retardar a sua entrada para as 12 horas do dia 20. Como valoriza esta atitude?

R.V. – Tem a ver com o respeito mútuo que tem presidido às relações bilaterais. Trocámos impressões de uma forma aberta e franca. As tropas também representam soberania e foi decidido que, enquanto estiverem em território macaense representantes da soberania portuguesa, não haverá tropas em Macau.

EXP. – Em tempos foi criticado por ser demasiado brando e cooperante com as autoridades chinesas…

R.V. – A minha missão era a defesa dos interesses de Macau e de Portugal. Nunca me importei que pudesse não ser compreendido, pontualmente. Hoje, as pessoas entendem que esses interesses foram bem defendidos e que a cooperação e o diálogo não são antagónicos de firmeza e determinação. Nunca me desviei das minhas funções de Estado por razões de interesse pessoal.

EXP. – Acredita que o capitalismo sobreviverá por muitos anos em Macau e Hong Kong se não houver mudanças políticas em Pequim?

R.V. – No caminho que a China está a trilhar – e que tem de ser prudente, porque se trata de um país enorme e complexo – chegou-se a esta fórmula de «Um país, dois sistemas». Penso que o primeiro sistema se aproximará necessariamente do segundo, qualquer que seja o número de etapas a percorrer.

EXP. – O que vai fazer a partir do dia 20?

R.V. – Não tenho planos. Decidi que não pensaria nisso enquanto fosse governador. Sempre agi desta forma quando desempenhei outros cargos.

EXP. – É o último militar, na política portuguesa, em lugares de primeira linha. A política acaba para si com o fim desta missão?

R.V. – Nunca me candidatei a nenhum lugar, nem político nem meramente profissional. A minha atitude tem sido sempre e apenas a de um cidadão que considera seu dever dar um contributo ao país, numa ou noutra função.

EXP. – De vez em quando, o seu nome aparece entre os de potenciais candidatos a Belém. Por que acha que isso acontece?

R.V. – Não faço a mínima ideia. Não é com certeza por qualquer palavra, gesto ou indício que me possa ter atribuído.

EXP. – Uma candidatura foi algo que nunca lhe ocorreu?

R.V. – Nem sequer a tentação.

FERNANDO MADRINHA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 663,018 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: