Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Uniformes e Distintivos do Batalhão de Artilharia de Macau -1845 a 1876 – (2)

Complementando a publicação anterior de Batalhão de Artilharia de Macau -1845 a 1876, esta postagem fala dos seus Uniformes e Distintivos:

Batalhão de Artilharia Macau 1845.79 (4)

UNIFORMES

do livro 400 ANOS DE ORGANIZAÇÃO E UNIFORMES MILITARES DE MACAU – edição de 1999

autor  Manuel A. Ribeiro Rodrigues

Os panos para os fardamentos das praças de pré eram exclusivo das Fábricas Nacionais de Portugal e seus domínios, de onde eram enviados com a antecedência necessária, por conta do Cofre da Fazenda Pública de Macau.

Grande uniforme para oficiais:

Farda de pano azul-ferrete, assertoada pelo direito, com duas ordens de oito botões ovados com as armas reais gravadas, as abas pela altura do dedo médio, estando o militar perfilado, com quatro vistas vermelhas, portinholas verticais com três botões e um vivo vermelho.

Gola encarnada com uma granada bordada de ouro em cada extremo. Carcela e vivos da cor da gola.

Barretina de pêlo com tampo de prato envernizado, pala preta redonda igualmente envernizada, penacho de penas encarnadas com um palmo de comprimento, oliva e roseta dourada, laço nacional azul e branco. A chapa é dourada em figura de estrela, tendo no centro a letra “M” de prata em relevo, com uma coroa na parte superior. Francalete com escamas de metal dourado.

Luvas brancas de malha. Espada com punho e guarnições de metal amarelo. Bainha preta com ponteira e bocal amarelo. Talabarte branco de anta colocado a tiracolo, para grande uniforme, com chapa de metal dourado com as armas reais gravadas. Fiador da espada e pêra de couro preto.

Banda de seda cor carmesim com borlas de oito polegadas de comprimento do mesmo, torcidas, devendo ser atadas em nó ao lado direito, e as borlas caídas na altura do joelho.

Batalhão de Artilharia Macau 1845.79 (5)

Tomada do Passaleão em 25 de Agosto de 1849

Tomada do Passaleão em 25 de Agosto de 1849

Pequeno uniforme para oficiais:

Sobrecasaca de pano azul-ferrete assertoada e abotoada pelo direito com oito pares de botões iguais ao do grande uniforme, gola direita de pano encarnado, com uma granada bordada de ouro em cada extremo.

Calça igual à do grande uniforme.

Barretina preta de oleado com tampo de couro guarnecido com um galão de seda preta na parte superior, e de uma correia com fivela na parte inferior, com alhetas que prenderão no tope da barretina. A chapa é igual à barretina de pêlo.

Batalhão de Artilharia Macau 1845.79 (7)

O grande uniforme para oficiais inferiores e mais praças de pré era regulado pelo fardamento estabelecido para os oficiais, no que correspondia a cada praça, seguindo-se geralmente o que estava determinado para os Corpos do Exército de Portugal.

Pequeno uniforme para oficiais inferiores e praças de pré:

Fardeta azul-ferrete, abotoada por uma só ordem de botões com gola encarnada, tendo uma granada de pano azul-ferrete em cada extremo. Canhões da cor da fardeta.

Calça de cor correspondente à farda ou branca na estação competente. Boné azul–ferrete, sem pala e com uma lista de pano encarnado em toda a volta tendo na frente um “M” de latão amarelo. No tempo de chuva este podia ser coberto por um oleado preto.

Tanto os oficiais como os soldados calçavam sapatos abotinados de couro preto.

(clicar para aumentar)

DISTINTIVOS

Tenente-Coronel, Comandante do Batalhão:

Duas dragonas de ouro, sendo de palmatória de liga lisa, com meia-lua de metal amarelo, guarnecido com um canutilho de linha e meia de diâmetro que servirá para cobrir o cosido dela e da franja, sem mais algum armamento, com franjas de canotão n.° 6 (grosso) todo liso. Terá nas duas dragonas o distintivo da arma, duas peças em cruz, com um ramo de louro e uma coroa de prata na dragona direita, um pouco acima do distintivo, e simplesmente o distintivo na esquerda.

Major:

O inverso do Tenente-Coronel.

Capitães e Subalternos:

Duas dragonas de canutilho, sendo as dos capitães de n.° 2, e as dos subalternos n.° 1/4, distinguindo-se as graduações com o emblema da arma sobre uma ou as duas dragonas como ficou estabelecido para os oficiais superiores.

Primeiro-Sargento:

Quatro ângulos em cada braço de galão de ouro, virados para baixo, assentes sobre pano vermelho.

Segundo-Sargento:

Três ângulos da mesma forma que os anteriores.

Furriéis:

Dois ângulos virados para o cotovelo e um outro mais pequeno virado ao ombro, igualmente dourados e assentes em pano vermelho.

Cabos e Anspeçadas:

Dois e um galão, respectivamente, com os ângulos virados para o cotovelo nos dois braços, e de cor vermelha.

Batalhão de Artilharia Macau 1845.79 (11)

*Conforme consta do livro: todas as gravuras e ilustrações são da colecção do autor ou da sua autoria.

Aguarelas/aquarelas: Rui Belo

Agradecimentos ao autor Manuel A. Ribeiro Rodrigues e o editor Instituto Cultural de Macau

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 21/01/2013 por em Forças Armadas, MACAU e marcado .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 696,946 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: