Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Batalhão de Artilharia de Macau -1845 a 1876

Aos leitores e aficionados da literatura militar, um pouco da memória do exército português de Macau de 1845 a 1876 – o Batalhão de Artilharia de Macau – que se complementa posteriormente com outra postagem sobre seus Uniformes e Distintivos.

Agradecimentos ao editor Instituto Cultural de Macau e ao autor Manuel A.Ribeiro Rodrigues.

BATALHÃO DE ARTILHARIA DE MACAU – 1845 A 1876

do livro 400 ANOS DE ORGANIZAÇÃO E UNIFORMES MILITARES DE MACAU – edição de 1999

autor  Manuel A. Ribeiro Rodrigues

Capitão em grande uniforme e soldado em ordem de marcha

Capitão em grande uniforme e soldado em ordem de marcha

(em português – Portugal)

PELO Decreto de 13 de Novembro de 1845 foi remodelada a força militar de Macau, criando-se para esse efeito um Batalhão de Artilharia de primeira linha, ficando a denominar-se Batalhão de Artilharia de Macau, composto por quatro baterias de posição, Estado-Maior e Menor, sendo extintos o Batalhão de Artilharia do Príncipe Regente e a Bateria de Artilharia.

A composição do Batalhão passou a ser o seguinte:

ESTADO-MAIOR

1 Tenente-Coronel, comandante do Batalhão

1 Major, segundo comandante

1 Ajudante

1 Quartel-Mestre

1 Capelão

1 Cirurgião-Mor

ESTADO-MENOR

1 Sargento-Ajudante l Sargento Quartel-Mestre l Corneteiro-Mor

PRIMEIRA BATERIA

1 Capitão

1 Primeiro-Tenente l Segundo-Tenente

1 Primeiro-Sargento

2 Segundos-Sargentos

1 Furriel

4 Cabos

4 Anspeçadas

60 Soldados, incluindo dois Artífices e dois Corneteiros

A Segunda, Terceira e Quarta Baterias tinham um total de 231 homens, sendo o Batalhão composto por 317 militares.

Batalhão de Artilharia Macau 1845.79 (4)

Foi criado neste Batalhão uma Escola de Instrução Primária, que era regida pelo capelão, tendo por ajudante um Oficial Inferior da sua escolha, e uma aula elementar de matemática, para instrução dos Oficiais Inferiores e mais Praças do Corpo, regida por um oficial subalterno do Batalhão, ficando para esse fim dispensado de outro qualquer serviço.

Qualquer uma destas escolas era pública e gratuita para os “meninos e mancebos macaenses” que delas se quisessem aproveitar.

Havia, igualmente, uma Escola Prática para exercícios de artilharia sob a direcção dos oficiais, que para tal função eram nomeados pelo Comandante do Corpo, executando todos os anos exercícios de experiência e prática para todas as praças, a fim de poderem adquirir perfeita instrução do serviço de artilharia, tanto de “muralha como de campanha”.

O Comandante do Batalhão exercia, sob as ordens do Governador de Macau, as funções de Inspector de todo o material de artilharia, munições e mais petrechos de guerra, tendo a seu cargo a visita das fortalezas e dirigir, por via do Governador, as requisições motivadas de todos os objectos necessários.

O mesmo comandante era, igualmente, Inspector das Obras Públicas Militares.

Toda a pólvora para consumo das fortalezas e das tropas da guarnição era exclusivamente remetida pela Fábrica Nacional de Goa, por conta do Cofre da Fazenda Pública de Macau.

A Cidadela do Monte passou a ser o Quartel do Batalhão, sendo comandado pelo responsável do Batalhão. No respeitante à Fortaleza da Barra foi destinado o seu comando a um Oficial Superior ou a um Capitão de qualquer arma, mas sem acesso. Os Fortes de S. Francisco e do Bom Parto (ou Bom Porto) e Guia ficavam sem comando efectivo.

Segundo o Decreto, em cada uma das fortalezas e fortes haveria um Inferior ou Cabo, com as funções de Fiel encarregado do material de artilharia, sob as ordens do Comandante do Batalhão Inspector da Artilharia; este serviço era destinado, como foi dito, a Inferiores e Cabos de bom comportamento.

O Hospital Regimental de Macau foi extinto e, para o substituir, criou-se no Hospital da Misericórdia uma enfermaria militar.

O armamento, correame e equipamento, eram proporcionados à arma de artilharia e acomodados igualmente para os exercícios de infantaria. Este material era fornecido pelo Arsenal do Exército de Lisboa por conta do Cofre da Fazenda Pública de Macau.

Batalhão de Artilharia Macau 1845.79 (1)Batalhão de Artilharia Macau 1845.79 (2)

*Conforme consta do livro: todas as gravuras e ilustrações são da colecção do autor ou da sua autoria.

Aguarelas/aquarelas: Rui Belo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 953.513 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

‘A promoção do ‘Dia do Patuá’ é um esforço para preservar o dialecto na Comunidade Macaense da Califórnia, nos Estados Unidos da América do Norte’ é o que define Henrique Manhão da Casa de Macau dos EUA. Diz, conciliando com o pensamento de outros membros da comunidade presente, ‘enquanto houver apoio de Macau, o patuá não […]

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Jorge Giga Robarts, macaense residente em Portugal, atendendo ao pedido de um conterrâneo, identifica as pessoas que estão numa fotografia enviada, informando ter sido tirada em Dezembro de 1953 em Macau. A 2ª imagem com legenda e que lista as pessoas da foto, foi editada para apenas mostrar o que escreveu quanto à identificação, excluindo […]

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Imagens que trazem saudosas lembranças daquela Macau que não existe mais, mas que permanece viva na nossa memória e nas fotografias a seguir publicadas de forma aleatória, a procurar dar uma descrição a confirmar ou corrigir. O que vale mesmo é o que se diz – recordar é viver! As fotos são dos anos 50 […]

%d blogueiros gostam disto: