Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Recordar é Viver – Pedro Lobo, por Giga Robarts

Mais uma publicação do Jorge “Giga” Robarts, hoje residente em Portugal, quando tinha a sua coluna <Recordar é Viver> no Jornal de Macau nos anos 80, fala do macaense-timorense Pedro José Lobo. Publicou uma foto com as pessoas devidamente identificadas.

Os Macaenses, genericamente: gente de Macau de língua portuguesa, como todo bom povo lusófono, é muito saudosista.  Recordações de vivências e fotos antigas são sempre um tema predileto, e que se estende às redes sociais como o Facebook nos dias de hoje.  O Giga é uma memória viva desses belos tempos “que já não voltam mais” em que os nativos de Macau e/ou oriundi adoravam convivências em grandes grupos de pessoas, hoje já não tão frequentes.

Vejamos: (texto em português-Portugal)

Recordar é Viver

por Jorge “Giga” Robarts

Quando em princípios do século passado (cerca de 1912), chegou a Macau para ser mandado ao Seminário de São José, a fim de estudar teologia e ser supostamente padre em poucos anos, ninguém imaginaria que PEDRO JOSÉ LOBO, timorense de nascença, viria em menos de 30 anos a ser a figura notável e um dos cidadãos mais influentes, generosos e grande benfeitor da cidade de Macau. Foi o homem que depois de deixar o Seminário, conseguiu o seu primeiro emprego no BNU, passando mais tarde pelos Serviços de Fazenda e por fim aos Serviços Económicos onde se aposentou como chefe de serviços. Era praticamente ele, o conselheiro-mór de vários governadores e sem dúvida que ajudou na solução de muitos problemas, nas crises cíclicas de Macau. Na época da 2a guerra aliviou imenso o fardo que o governador Gabriel Maurício Teixeira trazia ás costas, devido à arrogância e excessos dos japoneses; seguiu-se a guerra civil na China entre Nacionalistas e Comunistas e lá estava ele a aconselhar o governador Albano Rodrigues de Oliveira; depois vieram as exigências do novo regime comunista na China já com o governador Joaquim Marques Esparteiro que teve de resolver os gravíssimos incidentes de fronteira em Maio de 1952 e, finalmente com o peso da idade e as mazelas da saúde que já o impediam de dar o seu melhor, mas mesmo assim talvez tenha também ajudado algo em fins da década de 50, o governador Jaime Silvério Marques, que teve de resolver o grande dilema da concessão de jogos. Mas o velho Lobo estava sempre na hora e no lugar certo para ajudar a solucionar as múltiplas facetas dos problemas do território. No coração da cidade está uma rua com o seu nome para o perpetuar na memória da população de Macau. A foto de hoje foi tirada na sua vivenda “Vila Verde” em 1948, no cruzamento da Rua Francisco Xavier Pereira e da Avenida do Ouvidor Arriaga.

O padre jesuíta António Gonçalves director espiritual da congregação Mariana, pediu-lhe que cedesse por uma tarde a piscina que lá havia, para que os rapazes da congregação usufruíssem desse privilégio. Acedeu prontamente ao pedido e após duas horas de “loucos banhos”, com merenda e refrigerantes “Green Spot”, limonada e salsa “Watson” (era ainda pouco conhecida a Coca Cola), para nós os rapazes foi um autêntico regabofe!!! Coisas que marcaram e não se esquecem mais.

Giga Robarts.Recordar é Viver (3)

clicar para aumentar – divulgação Jorge “Giga” Robarts

Para facilitar a identificação, começamos hoje em plano recuado: l) Eurico Viana; 2) Alexandre da Rosa; 3) Geraldo Gomes; 4) Daniel Costa do Rosário; 5) Manuel Francisco Cordeiro (Neco); 6) Mário Nogueira (Jambolão); 7) Jorge Robarts (Giga); 8) Ivo Luís Marques; 9) Eduardo Gracias (Antigonço); 10) Fernado do Nascimento; 11) Adolfo Batalha; 12)Humberto Viana; 13) José Xeque do Rosário; 14) Gilberto Silva; 15) Carlos Nates (Calim)16) Leonel Cupertino Jorge (Lelé); 17) Gustavo Batalha; 18) José das Neves; 19) Vasco Silva (Keu Keu); 20) Rui Valente de Carvalho; 21) Henrique da Luz (Jap); 22) Pedro José Lobo; 23) Pe. António Gonçalves; 24) Guilherme Silva (Chá Siu); 25)Rui Ruiz; 25A) Jaime Ruiz; 26) Tito Airosa Lopes; 27) Pedro Ló da Silva; 28) José Luís Marques (Nené); 29) Fernando Marinho Braga; 30) Generoso João da Silva (Góio); 31 António Pinto Cardoso (Pindérico); 32) Carlos Gonçalo dos Reis Ângelo (Chiu Chiu); 33) Cristóvão dos Santos; 34) Joaquim Pereira (Piers); 35) Numa Luís Marques; 36) Abílio Aleixo da Rosa; 37) Carlos Gomes (Sunny); 38) Nemésio Costa; 39) Edmundo Sardinha Dias.

Um comentário em “Recordar é Viver – Pedro Lobo, por Giga Robarts

  1. Maria da Graça Pinto Ranito
    24/08/2014

    Gostava de obter este artigo.Vivi uns anos em Macau e a primeira casa para onde fomos viver era em frente de um cemitério chinês para os lados do Colégio D Bosco.Vi muitas cerimonias fúnebres mas não percebia aqueles rituais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.315.173 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

%d blogueiros gostam disto: