Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Recordar é Viver – Pedro Lobo, por Giga Robarts

Mais uma publicação do Jorge “Giga” Robarts, hoje residente em Portugal, quando tinha a sua coluna <Recordar é Viver> no Jornal de Macau nos anos 80, fala do macaense-timorense Pedro José Lobo. Publicou uma foto com as pessoas devidamente identificadas.

Os Macaenses, genericamente: gente de Macau de língua portuguesa, como todo bom povo lusófono, é muito saudosista.  Recordações de vivências e fotos antigas são sempre um tema predileto, e que se estende às redes sociais como o Facebook nos dias de hoje.  O Giga é uma memória viva desses belos tempos “que já não voltam mais” em que os nativos de Macau e/ou oriundi adoravam convivências em grandes grupos de pessoas, hoje já não tão frequentes.

Vejamos: (texto em português-Portugal)

Recordar é Viver

por Jorge “Giga” Robarts

Quando em princípios do século passado (cerca de 1912), chegou a Macau para ser mandado ao Seminário de São José, a fim de estudar teologia e ser supostamente padre em poucos anos, ninguém imaginaria que PEDRO JOSÉ LOBO, timorense de nascença, viria em menos de 30 anos a ser a figura notável e um dos cidadãos mais influentes, generosos e grande benfeitor da cidade de Macau. Foi o homem que depois de deixar o Seminário, conseguiu o seu primeiro emprego no BNU, passando mais tarde pelos Serviços de Fazenda e por fim aos Serviços Económicos onde se aposentou como chefe de serviços. Era praticamente ele, o conselheiro-mór de vários governadores e sem dúvida que ajudou na solução de muitos problemas, nas crises cíclicas de Macau. Na época da 2a guerra aliviou imenso o fardo que o governador Gabriel Maurício Teixeira trazia ás costas, devido à arrogância e excessos dos japoneses; seguiu-se a guerra civil na China entre Nacionalistas e Comunistas e lá estava ele a aconselhar o governador Albano Rodrigues de Oliveira; depois vieram as exigências do novo regime comunista na China já com o governador Joaquim Marques Esparteiro que teve de resolver os gravíssimos incidentes de fronteira em Maio de 1952 e, finalmente com o peso da idade e as mazelas da saúde que já o impediam de dar o seu melhor, mas mesmo assim talvez tenha também ajudado algo em fins da década de 50, o governador Jaime Silvério Marques, que teve de resolver o grande dilema da concessão de jogos. Mas o velho Lobo estava sempre na hora e no lugar certo para ajudar a solucionar as múltiplas facetas dos problemas do território. No coração da cidade está uma rua com o seu nome para o perpetuar na memória da população de Macau. A foto de hoje foi tirada na sua vivenda “Vila Verde” em 1948, no cruzamento da Rua Francisco Xavier Pereira e da Avenida do Ouvidor Arriaga.

O padre jesuíta António Gonçalves director espiritual da congregação Mariana, pediu-lhe que cedesse por uma tarde a piscina que lá havia, para que os rapazes da congregação usufruíssem desse privilégio. Acedeu prontamente ao pedido e após duas horas de “loucos banhos”, com merenda e refrigerantes “Green Spot”, limonada e salsa “Watson” (era ainda pouco conhecida a Coca Cola), para nós os rapazes foi um autêntico regabofe!!! Coisas que marcaram e não se esquecem mais.

Giga Robarts.Recordar é Viver (3)

clicar para aumentar – divulgação Jorge “Giga” Robarts

Para facilitar a identificação, começamos hoje em plano recuado: l) Eurico Viana; 2) Alexandre da Rosa; 3) Geraldo Gomes; 4) Daniel Costa do Rosário; 5) Manuel Francisco Cordeiro (Neco); 6) Mário Nogueira (Jambolão); 7) Jorge Robarts (Giga); 8) Ivo Luís Marques; 9) Eduardo Gracias (Antigonço); 10) Fernado do Nascimento; 11) Adolfo Batalha; 12)Humberto Viana; 13) José Xeque do Rosário; 14) Gilberto Silva; 15) Carlos Nates (Calim)16) Leonel Cupertino Jorge (Lelé); 17) Gustavo Batalha; 18) José das Neves; 19) Vasco Silva (Keu Keu); 20) Rui Valente de Carvalho; 21) Henrique da Luz (Jap); 22) Pedro José Lobo; 23) Pe. António Gonçalves; 24) Guilherme Silva (Chá Siu); 25)Rui Ruiz; 25A) Jaime Ruiz; 26) Tito Airosa Lopes; 27) Pedro Ló da Silva; 28) José Luís Marques (Nené); 29) Fernando Marinho Braga; 30) Generoso João da Silva (Góio); 31 António Pinto Cardoso (Pindérico); 32) Carlos Gonçalo dos Reis Ângelo (Chiu Chiu); 33) Cristóvão dos Santos; 34) Joaquim Pereira (Piers); 35) Numa Luís Marques; 36) Abílio Aleixo da Rosa; 37) Carlos Gomes (Sunny); 38) Nemésio Costa; 39) Edmundo Sardinha Dias.

Um comentário em “Recordar é Viver – Pedro Lobo, por Giga Robarts

  1. Maria da Graça Pinto Ranito
    24/08/2014

    Gostava de obter este artigo.Vivi uns anos em Macau e a primeira casa para onde fomos viver era em frente de um cemitério chinês para os lados do Colégio D Bosco.Vi muitas cerimonias fúnebres mas não percebia aqueles rituais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.082.830 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: